por 15:02 Sem categoria

AMAPAR REFUTA IRREGULARIDADE EM ELEIÇÃO DO TJ-PR

O presidente da Associação dos Magistrados do Paraná (Amapar), Gil Guerra, refutou nesta quinta-feira (27) qualquer irregularidade na eleição do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), em 19 de novembro de 2010.

O bate-chapa apontou a vitória do magistrado Miguel Kfouri Neto, contestada pelo segundo colocado o desembargador Sérgio Arenhardt.

O trolóló voltou à baila na última semana por obra de Arenhardt, que protolou ação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com o argumento da antiguidade na carreira – lei aprovada ainda no período da Ditadura Militar (1964-1985).

Em nota, Guerra destaca a normalidade do pleito, que contou ainda com o desembargador Rogério Coelho, derrotado em primeiro turno.

"No entanto, (a Amapar vê com preocupação o tardio questionamento do processo, cuja iniciativa não partiu dos candidatos envolvidos no pleito, hipótese única que, na forma de precedente do Conselho Nacional de Justiça, daria ensejo à discussão", diz Gil Guerra.

A posse do novo presidente do TJ-PR está programada para o próximo dia 1º de fevereiro.

Confira a íntegra da nota do presidente da Amapar clicando AQUI

Siga o blog no twitter

por 14:56 Sem categoria

AMAPAR REFUTA IRREGULARIDADE EM ELEIÇÃO DO TJ-PR

AMAPAR REFUTA IRREGULARIDADE EM ELEIÇÃO DO TJ-PR

O presidente da Associação dos Magistrados do Paraná (Amapar), Gil Guerra, refutou nesta quinta-feira (27) qualquer irregularidade na eleição do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), que teve como vencedor o magistrado Miguel Kfouri Neto.

O tema veio à tona esta semana, após o segundo colocado, o desembargador Sérgio Arenhardt protocoloar ação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com base na antiguidade na carreira, lei aprovada ainda no período da Ditadura Militar e que poderia lher dar a vitória por ser mais antigo que Kfouri Neto no TJ.

Em nota, Guerra destaca a normalidade do pleito, ocorrido em 19 de novembro de 2010, que teve ainda como candidatos os desembargadores Sérgio Arenhardt, que disputou o segundo turno com Kfouri, além de Rogério Coelho, derrotado em primeiro turno.

"No entanto, (a Amapar vê com preocupação o tardio questionamento do processo, cuja iniciativa não partiu dos candidatos envolvidos no pleito, hipótese única que, na forma de precedente do Conselho Nacional de Justiça, daria ensejo à discussão", diz Gil Guerra.

A seguir a íntegra da nota:

*

NOTA PÚBLICA

A Associação dos Magistrados do Paraná – AMAPAR, representada por seu Presidente, Gil Guerra, diante da celeuma estabelecida no entorno da eleição para a cúpula diretiva do Tribunal de Justiça, vem a público pontuar e esclarecer os seguintes aspectos:

1.       A eleição para a cúpula diretiva do Tribunal de Justiça, no que se inclui a de seu Presidente, se deu nos termos da legislação que rege o processo eleitoral no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Paraná, de acordo com o procedimento observado nos pleitos anteriores.

2.       As regras respectivas estabelecem prazos para o registro das candidaturas, assim como para eventuais impugnações, que não existiram, advindo então o escrutínio, em regime de absoluta normalidade, ocasião em que foi proclamado o resultado de acordo com a intervenção democrática dos membros do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná.

3.       A AMAPAR, como instituição que agrega todos os magistrados do Estado, dentre os quais se incluem os ilustres candidatos, reconhece em todos elevado grau de respeitabilidade e aptidão para o exercício das funções pertinentes.

4.       No entanto, vê com preocupação o tardio questionamento do processo, cuja iniciativa não partiu dos candidatos envolvidos no pleito, hipótese única que, na forma de precedente do Conselho Nacional de Justiça, daria ensejo à discussão.

5.       Neste contexto, proclama sua convicção na observância do princípio democrático e no respeito à autonomia política e administrativa do Tribunal de Justiça do Paraná, representada pelo respeito à soberana escolha dos seus integrantes, operada por meio de procedimento indene de dúvidas, em cujo contexto não foi oportunamente oposto qualquer questionamento.

Gil Francisco Xavier Guerra
Presidente da AMAPAR

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com