por 15:25 Saúde

Desconfinamento pós-pandemia faz vírus respiratórios mais agressivos surgirem em crianças

Os hospitais no Reino Unido estão observando um aumento no número de crianças que sofrem de infecções respiratórias graves. Isso inclui um pico de VSR fora da estação por conta do desconfinamento pós-pandemia.

O pico de uma infecção chamada vírus sincicial respiratório (VSR), em crianças pequenas, algumas com apenas dois meses de idade, resultou em um número crescente de internações hospitalares por bronquiolite, uma inflamação pulmonar semelhante à bronquite no Reino Unido.

Os médicos apontam que as restrições impostas para prevenir a disseminação da COVID-19 também contiveram outros vírus respiratórios. Como muitos países estão suspendendo essas restrições, muitas doenças respiratórias estão se espalhando novamente, segundo reportagem do Science Alert.

O VSR é um patógeno respiratório comum – tão comum na verdade que quase todos nós somos infectados por ele aos dois anos de idade. Para a grande maioria das pessoas, esse vírus causa uma doença leve que se assemelha a um forte resfriado, com coriza e tosse. Esses sintomas normalmente desaparecem sem tratamento dentro de uma ou duas semanas.

No entanto, em aproximadamente uma em cada três crianças, o VSR pode causar bronquiolite, uma inflamação dos bronquíolos, os menores tubos de nossos pulmões. Isso restringe as vias respiratórias e os pacientes apresentam aumento da temperatura e dificuldade para respirar, muitas vezes emitindo um chiado ao respirar.

Embora a bronquiolite muitas vezes possa ser tratada sem muito mais do que fluidos e paracetamol, às vezes pode evoluir para uma doença grave. Se a respiração de um jovem ficar severamente restringida, os sintomas podem piorar, causando temperaturas acima de 38 ºC, lábios azuis e dificuldade respiratória aumentada.

Em crianças pequenas, isso pode resultar na recusa de alimentos e fraldas secas por longos períodos. É quando muitos pais tomam a decisão correta de levar seu filho ao hospital. Embora a maioria dos casos possa ser controlada, a bronquiolite às vezes é fatal. Aproximadamente 3,5 milhões de crianças em todo o mundo a cada ano são hospitalizadas, com cerca de 5% desses casos, infelizmente, resultando em morte.

Onda retardada

Parece que as respostas da COVID-19, como aumento da lavagem das mãos, uso de máscara e redução do contato próximo entre as pessoas, levaram a uma temporada de gripe muito diminuída no inverno de 2020-2021.

O mesmo aconteceu com o VSR, com estudos relatando 84% menos hospitalizações devido a bronquiolite em países do hemisfério norte do que em anos anteriores. Reduções dramáticas também foram observadas na Austrália.

Agora o oposto está acontecendo, afetando um ano inteiro de recém-nascidos que não teriam encontrado muitos vírus respiratórios enquanto as restrições estivessem em vigor. Além do Reino Unido, Portugal também relatou mais casos de crianças hospitalizadas pelos mesmos motivos neste verão no Hemisfério Norte.

No entanto, ainda não é possível identificar definitivamente quais crianças desenvolverão bronquiolite. No entanto, em alguns países, os indivíduos são identificados como de alto risco por meio de fatores de risco conhecidos e recebem tratamentos profiláticos.

Com o VSR, foi demonstrado que certas respostas imunológicas aumentam a gravidade da doença e têm sido associadas ao desenvolvimento de asma. Devido à natureza generalizada do vírus e da asma no Reino Unido, a conexão entre os dois é amplamente estudada.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com