por 08:52 Coronavírus no Paraná, Destaques, Ponta Grossa

Vídeo em que filha de Rangel exibe vacina da covid ganha repercussão nacional, assista

Um vídeo gravado por Juliana Rangel – filha do ex-prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PSDB) – gerou polêmica e repercutiu nacionalmente. Nas imagens, Juliana exibe um frasco da vacina da CoronaVac, que o pai dela ganhou do governador paulista João Doria quando esteve no Instituto Butantan para firmar um protocolo de intenção de compra da vacina, para aplicação emergencial em profissionais de saúde do município. As informações são do dcmais.

No vídeo compartilhado pela plataforma TikTok, uma gravação pede: “Mostre alguma coisa que você tem em casa, que provavelmente mais ninguém tenha e que você ache muito legal”. Juliana Rangel, de 19 anos, então mostra o frasco. Semelhante ao que o ex-prefeito exibiu quando viajou para São Paulo, no dia 11 de dezembro de 2020, quando ainda era prefeito de Ponta Grossa

Marcelo Rangel compartilhou um ‘print’ do vídeo da filha nas próprias redes sociais nesta segunda-feira (11). Ele confirmou a autenticidade do vídeo, disse que a filha não vai se pronunciar sobre o assunto e que se trata de uma publicidade da vacina. Segundo o ex-prefeito, o frasco da CoronaVac foi entregue a gestores municipais que visitaram o Butantan.

Nas redes sociais, o vídeo de Juliana gerou discussão entre internautas com diferentes pontos de vista. Uma parte opina que não vê problema na atitude da jovem. Outros acreditam em deboche.

Marcelo Rangel (PSDB) exibiu frasco semelhante nas redes sociais em dezembro. Foto: Arquivo Pessoal

Negociação de 2,7 mil doses

Rangel estava entre os prefeitos de 912 municípios do Brasil que formalizaram interesse, no início de dezembro, em adquirir doses da vacina Coronavac, desenvolvida em parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac. Segundo Rangel, seriam aproximadamente 2,7 mil doses disponíveis aos profissionais de saúde de Ponta Grossa.

Na época, Rangel explicou que o governo do Estado São Paulo agendou para o dia 25 de janeiro a disponibilidade das doses, tanto para São Paulo quanto para as cidades conveniadas.

“O que assinamos no Instituto Butantan foi um protocolo de intenções. No ano que vem [2021] é que as vacinas serão efetivamente compradas, o que será feito pela Professora Elizabeth, a partir do momento em que tiver a liberação técnica para a distribuição”, disse Rangel ao dcmais no dia 11 de dezembro.

O prefeito estimou naquele dia que, em um primeiro momento, a prefeitura deveria dispor de até R$ 3 milhões para aquisição das vacinas, recurso previsto no orçamento da Saúde para 2021.

Fechar