Teste rápido permite saber se a pessoa teve ou não contato com o coronavírus

28/7/2020 –

Exame detecta anticorpos a partir da coleta de amostras de sangue, e fica pronto em 10 minutos

O chamado teste sorológico rápido para COVID-19 permite saber se uma pessoa teve ou não contato com o novo coronavírus. É um tipo de exame que detecta a presença de anticorpos do vírus no organismo do indivíduo a partir da coleta de amostras de sangue, e o resultado fica pronto em cerca de 10 minutos.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) liberou a aplicação de testes rápidos em farmácias e drogarias de todo o país.

A partir da coleta do sangue, é possível avaliar a presença de dois anticorpos, o IgM e o IgG, que são defesas produzidas pelo organismo para combater o coronavírus.

No Brasil, um novo tipo de teste sorológico rápido para COVID-19, desenvolvido pela LMG – Laser Medical Group -, garante quase 100% de taxa de coincidência de resultado.

O produto foi aprovado pela Anvisa e está sendo inteiramente desenvolvido no país e produzido na fábrica da empresa, em Minas Gerais.

O dispositivo identifica a infecção pelo COVID-19 por meio da detecção de anticorpos para a doença a partir de amostras de soro humano, plasma ou sangue, e chega ao mercado com o preço mais acessível da categoria (em torno de R$ 28).

O primeiro lote de 300 mil unidades está disponível para venda e aplicação inicialmente nos hospitais e farmácias de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, algumas das regiões com maior quantidade de casos de coronavírus no país.

“Com esse novo escopo, ampliaremos a atuação da LMG, a fim de garantir que a população tenha acesso a um teste de qualidade, fácil uso, resultado rápido, que sai em cerca de 10 minutos, e com sistema prático de detecção de agentes infecciosos. Com isso, colaboramos para o atendimento da orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para que o maior número de pessoas seja testado, reafirmando o nosso compromisso com a área da saúde”, afirma Emil Salomão, CEO da LMG.

A planta de Guaxupé tem 4,8 mil m² de área total e 2,4 mil m² de área construída, incluindo o laboratório e a fábrica, que tem capacidade de produção instalada de cinco milhões de testes por mês e ambientes de produção com certificação ISO 7. O complexo industrial está aprovado pela Anvisa e poderá produzir mais de 50 tipos diferentes de testes, incluindo zika, chikungunya, toxicológico, etilômetro (medição de álcool para motorista) e Aids, entre outros. O primeiro registro concedido é o do produto para detecção de COVID-19, que terá um volume de fabricação de acordo com a demanda do mercado brasileiro.

O dispositivo tem um formato de cassete e traz pipeta e lanceta para coleta de sangue, além de uma manta impregnada com ativos que têm uma sensibilidade e eficácia maiores que os testes disponíveis no mercado, eliminando a possibilidade de ocorrência de resultados falsos positivos.

Ele foi desenvolvido para detecção qualitativa de anticorpos COVID-19 IgM/IgG em amostras de soro humano, plasma ou sangue venoso, como diagnóstico auxiliar da infecção por COVID-19. Os kits estão disponíveis em embalagens com 25, 50 e 100 unidades de testes Basall.

 

Sobre a LMG

A LMG – Laser Medical Group – faz parte do Alliance Group. Atua no mercado nacional e tem como objetivo trazer soluções inovadoras para vários segmentos da Medicina. Sua missão é buscar a excelência em fabricação de equipamentos e produtos médicos e superar as expectativas dos clientes. O complexo industrial do grupo, inaugurado em 2014, está localizado em Guaxupé (MG) e conta com mais de 80 colaboradores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como melhorar o controle de notas fiscais no sistema de gestão de frota corporativa?

São Paulo, SP 28/7/2020 –

Aplicativo documenta notas fiscais de abastecimento dos veículos da frota facilitando os processos burocráticos das empresas

Gerenciar o controle do consumo de combustível em uma frota corporativa não parece ser uma tarefa simples tampouco agradável. Na maioria dos casos o processo é manual e demanda tempo que poderia estar sendo empregado em tarefas estratégicas para o negócio.

Para dar suporte às atividades de prestação de contas, a SODEXO adicionou uma nova função de recolhimento automático de notas fiscais à plataforma de gestão de frotas. Esta funcionalidade tem como principal objetivo otimizar o processo burocrático de recolhimento de notas.

O sistema de recolha de notas fiscais pode gerar uma economia para a empresa de até 25% com a retenção dos créditos dos impostos previstos por lei, como ICMS, PIS e Cofins.

Os postos que aceitam Wizeo também ganham em eficiência, porque não precisam se preocupar em subir as notas fiscais eletrônicas na plataforma online do Wizeo para fins de reembolso.

Como funciona:

O condutor realiza o abastecimento em um posto de gasolina que aceita o Wizeo e, na hora do pagamento, pede que a nota fiscal seja emitida no nome da empresa em que trabalha.

O posto de gasolina emite a nota fiscal eletrônica (NFe) com os dados da empresa.

Todas as NFes correspondentes a consumo de combustível com Wizeo que foram emitidas pelos postos de gasolina ficam disponíveis no sistema de gestão de frotas da SODEXO, a plataforma online que o gestor de frota já usa para realizar o controle diário de tarefas.

Com essas informações, o gestor de frota consegue fazer a conciliação financeira (abastecimentos x gastos) na própria ferramenta, ganhando tempo e tomando as providências que forem necessárias para otimizar sua operação.

Clique aqui para acessar o !link infográfico do Wizeo
https://www.sodexobeneficios.com.br/qualidade-de-vida/noticias/gestao-de-pessoas/infografico-como-a-sodexo-reduz-os-custos-com-gestao-de-frota-da-sua-empresa.htm

Clique aqui para mais informações sobre o !link Wizeo, Gestão de Frotas
https://www.sodexobeneficios.com.br/institucional/sala-de-imprensa-sodexo/produtos/sodexo-beneficios-e-incentivos-investe-em-novo-rumo-para-a-gestao-de-frotas.htm

Dados mostram o baixo Nível de Serviço no Brasil

São Paulo, SP 28/7/2020 – Não existe um bom nível de serviço sem medir erros e sem um plano de ação para corrigi-los. Um SLA precisa ser palpável, visível e com foco em melhorias.

Dados mostram o baixo Nível de Serviço no Brasil e Antonio Wrobleski fala sobre a importância da análise de dados para mudar esse cenário.

O conceito de SLA, Service Level Agreement, surgiu na década de 1990 para medir e gerenciar a qualidade do serviço em ambientes computacionais e, atualmente, é utilizado em diversos segmentos. 

Dados do Sindec de 2019 mostram que 40% das reclamações na plataforma Consumidor.gov.br (serviço público que permite a interlocução direta entre consumidores e empresas para solução de conflitos de consumo) são sobre o setor de telecomunicações e 22% sobre serviços financeiros. 

No Brasil, quase 50% da população não tem acesso a coleta de esgoto, segundo dados do Instituto Trata Brasil, e 35 milhões não têm acesso a água tratada (SNIS 2017).

Durante o isolamento social têm crescido as reclamações contra serviços de internet e telefonia e entregas. Para se ter uma ideia, as queixas sobre compras on-line no Distrito Federal cresceram 74% na pandemia (Procon) e as queixas contra serviços de internet cresceram 71,4% em Campinas (Anatel).

Para Antonio Wrobleski, Presidente do Conselho da Pathfind – empresa de tecnologia que oferece soluções em otimização para as áreas de logística, vendas e trade marketing, esses números mostram que os motivos para essa baixa qualidade na prestação de serviços são diversos, e começam no mau exemplo da gestão pública, mas o principal é que as empresas não estão medindo e nem ao menos se preocupando com seu nível de serviço. 

Para Wrobleski, falta análise de dados. Ele explica que poucas empresas têm se dedicado a olhar seu dashboard, realizar pesquisas com os clientes e, principalmente, a usar esses dados com estratégia para otimizar os serviços oferecidos. 

“Não existe um bom nível de serviço sem medir erros e sem um plano de ação para corrigi-los. Um SLA precisa ser palpável, visível e com foco em melhorias constantes. Sem isso, é apenas mais um documento que ficará esquecido”, diz Wrobleski.

Ele ainda explica que se o Nível de Serviço não for tratado com prioridade, ele nunca será de fato implementado.”Ou a empresa já está crescendo sem ele, ou o país está em crise e até porque existe uma pandemia mundial. Sempre haverá um motivo para não priorizar o que é de fato prioridade”, finaliza.

Um bom nível de serviço e de atendimento significa cliente satisfeito. Cliente satisfeito é cliente fiel, aumentando a taxa de retenção e o lifetime value

Website: http://www.pathfind.com.br