por 09:15 Destaques

Cotado para campanha de Bolsonaro, Steve Bannon diz que eleição no Brasil pode ser “roubada”

De acordo com a revista New Republic, o ex-gerente de campanha de Trump, Steve Bannon, está planejando um retorno político no Brasil. Na semana passada em um “cyber simpósio” organizado nos EUA, Bannon esteve com o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Bolsonaro.

O simpósio em questão foi dedicado à ideia infundada de que a eleição presidencial de 2020 nos Estados Unidos foi de alguma forma roubada de Donald Trump. O presidente Bolsonaro vêm atacando o sistema eleitoral brasileiro e, portanto, as estratégias soam familiares.

Bannon, que no ano passado foi indiciado por fraude e lavagem de dinheiro, alertou no evento conspiratório que uma eleição diferente pode estar em risco: a reeleição do presidente Jair Bolsonaro do Brasil.

Eduardo Bolsonaro estava lá para traçar paralelos entre o sistema eleitoral de seu Brasil e o dos Estados Unidos – uma comparação sem sentido, já que o Brasil tem um sistema de votação eletrônica reconhecido mundialmente, votação obrigatória e nenhum caso crível de fraude em 25 anos. Apesar de ganhar uma vitória retumbante em 2018, o presidente Bolsonaro tomou abertamente questionando se o Brasil pode realizar uma eleição livre e justa no ano que vem, e se engajou em um esforço quixotesco para mudar a forma como os brasileiros votam. Ele até levantou a perspectiva de uma intervenção militar para supostamente garantir a integridade do voto, desfilando tanques e tropas em Brasília no dia 10 de agosto. Para todos, exceto para seus partidários mais fervorosos, as reais intenções do presidente são óbvias. Ele está se preparando para rejeitar um resultado futuro desfavorável semeando dúvidas agora.

Depois que Eduardo se dirigiu ao público, Bannon subiu ao palco e chamou a corrida presidencial do próximo ano no Brasil a “segunda eleição mais importante do mundo”, alegremente afirmando que “Bolsonaro vencerá a menos que seja roubado, adivinhe, pelas máquinas”. Na realidade, todas as grandes pesquisas durante meses previram que Bolsonaro perderá feio para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, chefe do Partido dos Trabalhadores, de centro-esquerda, e a voz mais proeminente da oposição. Os brasileiros, não “máquinas”, parecem ter a intenção de derrubar o Bolsonaro. Mas Bannon considerou Lula “um criminoso”, chamando-o de “o esquerdista mais perigoso do mundo”.

Bannon estava ecoando a retórica hiperbólica que os conservadores brasileiros há muito usam para descrever Lula, um ex-líder sindical que se tornou o primeiro presidente da classe trabalhadora na história do Brasil após sua eleição em 2002. Mesmo antes da eleição de Bolsonaro, a política de centro-direita no Brasil estava se tornando definido pela noção perigosamente equivocada de que Lula e seu partido não eram simplesmente oponentes democráticos a serem derrotados nas urnas, mas conspiradores criminosos a serem extirpados por todos os meios necessários.

A aparição de Eduardo Bolsonaro no evento de Lindell parece ser o próximo passo nessa estratégia. Bolsonaro agora está tentando ligar os eventos no Brasil à rede mais ampla de delírios fantásticos, ressentimentos e ultrajes que alimentam a base de Trump e, por extensão, grande parte do Partido Republicano. Bolsonaro – aparentemente com Bannon do seu lado – quer fazer do Brasil o próximo campo de batalha do MAGA.

Esta não é a primeira vez que Bannon tenta levar seu show para a estrada. Três anos atrás, Bannon visitou vários países na Europa e além na tentativa de costurar uma rede transnacional de nacionalistas de direita que pudessem, em conjunto, resistir ao que ele considera as marés nocivas da globalização. Como Ian Buruma escreveu para o Project Syndicate na época, “Bannon vê esse esforço como parte de uma ‘guerra’ entre o populismo e o ‘partido de Davos’, entre as ‘pessoas reais’ brancas, cristãs e patrióticas (nas palavras de seu Apoiador britânico, Nigel Farage) e as elites globalistas cosmopolitas. ” Um Bannon orgulhoso proclamou que “estamos abertos para negócios … Somos uma ONG populista e nacionalista e somos globais”.

Apesar de seus encontros com o francês Marine Le Pen, o vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini e o autoritário primeiro-ministro húngaro (e o novo ídolo de Tucker Carlson ) Viktor Orbán, o chamado Movimento de Bannon teve pouco impacto perceptível na política europeia. Isso ocorre porque, apesar da aura de visão penetrante que ele cultivou como Svengali de Trump, Bannon na verdade não sabe muito sobre como o mundo funciona.

“Durante a turnê, as diatribes de Bannon tendem a se concentrar em Trump, sua milagrosa vitória eleitoral e a visão do presidente de derrubar a ‘elite liberal global’”, observou o jornalista Tim Gosling em Praga no Foreign Policy em 2018. Bannon prospera ao servir os restos do choque chocante de Trump, mas nunca conseguiu propor novas receitas que possam ser testadas em outro lugar. “Ele aperta todos os botões certos: gastos com defesa, desequilíbrios comerciais e Hillary tortuosa. Mas Bannon faz isso a partir de uma perspectiva limitada de Washington ”, escreveu Gosling. As incursões estrangeiras de Bannon foram exercícios de criação de mitos em benefício próprio, grãos para um grift contínuo. Só agora, com o Bolsonaro, Bannon encontrou um movimento estrangeiro de extrema direita totalmente interessado nesta abordagem centrada em Washington. Os filhos e apoiadores de Bolsonaro estão entusiasmados com o apoio de Bannon de uma forma que os conservadores europeus nunca ficaram.

Os brasileiros de fora da extrema direita, no entanto, ficaram imediatamente preocupados com a aliança Bolsonaro-Bannon exibida no evento de Lindell. Escrevendo para o The Intercept Brasil no último domingo, o jornalista João Filho disse que o envolvimento de Bannon deve ser visto como um sinal seguro de que a eleição de 2022 será contestada. “Mesmo que o Bolsonaro não seja reeleito”, lamentou, “o bolonarismo permanecerá vivo. E continuarão a usar o know-how de Bannon e a investir em conspirações contra a democracia ”. Thomas Traumann, um observador político bem relacionado e altamente respeitado que escreve para a revista semanal Veja , descreveuBannon como o elo entre a “versão tropical do trumpismo” de Bolsonaro e a atual paranóia insurrecional que se apoderou dos verdadeiros crentes de Trump. Ciro Gomes, ex-governador, ministro do gabinete e parlamentar que buscará a presidência brasileira pela quarta vez no ano que vem, critica a conexão Bannon-Bolsonaro desde 2018, condenando a influência que o ex-assessor de Trump exerceu sobre o presidente brasileiro. A capacidade de Bannon de moldar resultados políticos em todo o mundo pode ser exagerada, mas seu envolvimento provavelmente chamará a atenção dos ultraconservadores americanos para uma eleição que, de outra forma, eles poderiam ter negligenciado.

Bannon apoiou Jair Bolsonaro na eleição de 2018 no Brasil e se reuniu com Eduardo naquele ano também. Após a conversa, Eduardo anunciou sua intenção e a de Bannon de “unir forças, especialmente contra o marxismo cultural”. No ano passado, Bolsonaro e seus filhos torceram abertamente para que Trump ganhasse a reeleição, sentindo que uma vitória de Biden isolaria e restringiria o governo brasileiro por seu manejo descuidado do desmatamento amazônico, entre outras questões que levantaram alarme internacional. Não está claro, no entanto, se Bannon acompanhou a administração de Bolsonaro de maneira particular.

Até agora, o apoio constante do presidente brasileiro a Trump não teve muita reciprocidade pública de Trump ou de seus apoiadores. Bolsonaro estagnou por mais de um mês antes de reconhecer a vitória de Biden. Sem tato, ele repetiu alegadamente falsas alegações sobre fraude na eleição de 2020 nos EUA em uma reunião este mês com o conselheiro de segurança nacional de Biden. E enquanto estava nos Estados Unidos para o simpósio de Lindell, Eduardo se encontrou com Trump e o convidou para visitar o Brasil. O endosso de Bannon à afirmação do Bolsonaro de que a eleição será roubada representa o tipo de validação mundial do MAGA que a extrema direita no Brasil, servilmente sintonizada com a direita americana em busca de inspiração, anseia.

Apesar de suas tensões bem documentadas, Bannon continua intimamente associado a Trump, sempre recebendo pelo menos crédito parcial pela vitória surpresa em 2016. Como resultado, o clã Bolsonaro continua atraído por ele. À medida que Bannon sinaliza sua disposição de participar das eleições brasileiras de 2022, sua relação com os Bolsonaros pode se tornar mais clara. Não é incomum que estrategistas políticos dos EUA levem seus serviços para o exterior, é claro. É improvável que Bannon pudesse guiar Bolsonaro à vitória – mas a vitória legítima provavelmente não é o ponto. A principal busca de Bannon é a queixa, a vitória apenas um feliz acidente. Os Bolsonaros estão oferecendo a Bannon a chance de ser um jogador nas eleições de alto risco em uma grande democracia, de ser bajulado por partidários irrefletidos e, é claro, de manter o grift vivo.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com