0 Shares 304 Views

Sem reforma da Previdência, crescimento do PIB será inútil

6 de setembro de 2017
304 Views

Delfim Netto

O PIB do segundo trimestre de 2017 revela que estavam certos os que viam uma recuperação —ainda que modesta— da economia. A relação entre o trimestre e o seu anterior do PIB, ajustado pela sazonalidade, como faz o IBGE, é o melhor indicador.

Por convenção —utilizada, inclusive, pelo Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (Codace, da FGV)—, dois trimestres consecutivos de crescimento positivo marcam o fim de uma recessão. A Codace determinou que a que vivemos iniciou-se em nos segundo trimestre de 2014.

Mesmo os que têm má vontade com o governo Temer, por motivos ideológicos ou por motivos éticos, já não poderão negar que a situação econômica melhorou desde o segundo trimestre de 2016, quando ele tomou posse, a despeito da tragédia hiperpremiada da delação da JBS. Os números parecem dar fôlego a um crescimento do PIB em 2017 maior do que o consenso atual, talvez 0,8%.

Os mau humorados dirão que isso não passa de uma ilusão causada pelo aumento do “consumo” das famílias, e não do “investimento”. E têm alguma razão. O problema é que estarão aprovando a política econômica de Temer, que fez o que estava ao seu alcance! Estimulou o consumo com a distribuição de R$ 44 bilhões do FGTS, com a redução da inflação aumentou o poder de compra, e houve ligeira recuperação do emprego.

É realmente preocupante a continuada redução da Formação Bruta de Capital Fixo, o “investimento” com relação ao PIB, que caiu de 27% no segundo trimestre de 2012 para 22% do PIB no início da recessão e, depois, para 16% no segundo trimestre de 2017, quando ela terminou.

A aceleração do crescimento depende de dois fatores: o investimento e a exportação. O primeiro é função, basicamente, das “expectativas” do próprio crescimento, do uso da capacidade ociosa da indústria e de condições objetivas, como crédito a juro menor do que a taxa de retorno.

O segundo, da expansão da economia mundial e de cuidadosa vigilância da taxa de câmbio real, que o largo diferencial de juro interno e externo transforma num ativo financeiro que nada tem a ver com a economia real. Mas tudo será inútil enquanto não pegarmos “pelos cornos” a reforma da Previdência…

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.