0 Shares 407 Views

Safra de ódio

23 de março de 2018
407 Views
Safra de ódio

Ademar Traiano

Lula iniciou sua nova caravana pelo Sul colhendo frutos amargos. Já na primeira cidade, Bagé, foi recepcionado por 700 militantes do PT e um número quase três vezes maior de ativistas anti-PT. Teve de sair às pressas, acusando “os fascistas”, forma como os petistas se referem a todos os que não pensam como eles.

O desastre continuou nas outras cidades gaúchas do roteiro. Em Santa Maria, depois de novos enfrentamentos em que os petistas levaram a pior, o alto comando do PT se reuniu para reavaliar a agenda e solicitar medidas adicionais para proteger Lula. Críticos contumazes do governo Temer, foram atrás do ministro da Segurança, Raul Jungmann, para pedir proteção contra supostas ameaças ao ex-presidente.

A ‘presidenta’ do PT, Gleisi Hoffmann, conhecida pela truculência do discurso (“para prender Lula vão ter de matar gente”), deu agora para se queixar da contundência dos opositores do PT. “A caravana pacífica e democrática do ex-presidente Lula está sendo ameaçada e agredida por milícias profissionais formadas pela direita e extrema-direita aqui no Rio Grande do Sul”.

Na intimidade a preocupação de Gleisi e do PT é de outra natureza e ainda maior. A senadora está alarmada com a falta de apoio popular a Lula nas ruas. Mandou mensagem urgente cobrando maior engajamento por parte dos militantes gaúchos do PT. Segundo o jornal O Globo, Gleisi disse: “Estamos perdendo na narrativa e na ocupação de espaço”. O PT está desmoronando. Pela iminência da prisão de Lula e pela perda de apoio popular.

O cinismo sem limite a transformação de crimes em virtudes. O desprezo pela realidade, tudo parece, enfim, estar cobrando o seu preço. Lula percorre o país como um velho ilusionista, que repete os mesmos truques pela enésima vez e fica estarrecido com o fato de que eles não surpreendam nem encantem mais uma plateia já cansada de tantas mágicas bestas.

O Sul nunca foi muito receptivo ao petismo e as duas condenações de Lula, por Sergio Moro e pelo TRF4, mais as esmagadoras provas de corrupção contra o PT e o ex-presidente, que transbordaram da Lava Jato, parecem ter quebrado de vez o feitiço.

O que aconteceu no Rio Grande do Sul não foi surpresa para o PT. Mesmo as caravanas por redutos eleitorais de Lula, como o Nordeste, ficaram longe do sucesso esperado. Pouca gente, escasso entusiasmo. No Sul as expectativas eram as piores possíveis. Caciques petistas, conscientes do grau de aversão ao partido na região, chegaram a questionar Lula sobre a conveniência dessa caravana. Mas Lula insistiu em ir. O ex-presidente, que costuma se comparar, favoravelmente, a Nelson Mandela, Tiradentes, Martin Luther King e até a Cristo, não deu a mínima para os alertas.

Achou divertido fazer uma caravana por uma região onde, dados os melhores indicadores econômicos e culturais, a imagem do PT, com seu populismo esquerdista e sua violência nunca foi muito boa. Peregrinar pelo Sul, projetando terminar a marcha em Curitiba, uma provocação a terra da Lava Jato e Sérgio Moro, pareceu a Lula uma ideia brilhante. O resultado é pior do que contava em seus piores pesadelos.

O que aconteceu em Bagé, Santa Maria e outras cidades gaúchas (em São Borja, Lula teve de correr para se refugiar em um acampamento do MST), é o resultado do que os petistas plantaram, com tanto engenho e arte, ao longo de toda a sua trajetória.

Foi o PT que ensinou o Brasil a fazer política com ódio e intolerância. Nos locais públicos onde Lula se apresenta tem acontecido confrontos e os petistas, agora em menor número, tem levado a pior. A safra plantada pelo partido durante décadas está produzindo uma colheita envenenada pelo ódio que o PT semeou.

Ademar Traiano é deputado estadual, presidente da Assembleia Legislativa e vice-presidente do PSDB do Paraná

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.