Ricardo Barros: aprovação da PEC Emergencial é vitória para os brasileiros

O líder do Governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), comentou nesta sexta-feira (12/3) a aprovação pela Câmara dos Deputados da Proposta de Emenda à Constituição 186/19, do Senado, conhecida como PEC Emergencial. De acordo com ele, a PEC é uma vitória para os brasileiros, já que estabelece mecanismos de ajuste fiscal e viabiliza o socorro aos cidadãos mais afetados economicamente pela pandemia.

“A PEC permite o pagamento do auxílio emergencial àqueles que mais necessitam e ainda não puderam retomar as suas atividades. Também é um potente instrumento de gestão fiscal e de ajuste, pois criamos uma cláusula de emergência que o presidente da República, governador ou prefeito vai poder usar para conter as despesas correntes do custeio e usar esses recursos no combate à pandemia”, disse Barros.

Segundo o líder, a PEC é muito bem estruturada, pois o senador Marcio Bittar (MDB-AC) e o deputado Daniel Freitas (PSL-SC) fizeram um excelente trabalho de relatoria. “E a base do governo compareceu para tanto aprovar a PEC quanto para fazer a concessão que foi feita, para a própria base do governo, de manter a progressão e promoção dos servidores públicos”, afirmou.

Responsabilidade fiscal
Na avaliação de Ricardo Barros, a PEC tem instrumentos muito fortes de ajuste fiscal.

“É bom que assim seja, porque o País há oito anos tem déficit fiscal primário, ou seja gasta mais do que arrecada. Neste ano, o Brasil vai ter mais R$ 247 bilhões de déficit, além dos R$ 44 bilhões que aprovamos agora para o auxílio emergencial”, observou Barros.

“Portanto, já estamos com quase R$ 300 bilhões de déficit público só neste ano, aumentando o nosso endividamento, e por isso devemos ter todo o cuidado com o ajuste fiscal. E o presidente Jair Bolsonaro está muito cioso da sua responsabilidade de manter as contas públicas do Brasil em ordem”, concluiu.

Liderança do Governo na Câmara dos Deputados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iguaçuenses celebram o retorno do Natal ao Gramadão de Itaipu, na Vila A

Atrações circenses, balonismo, roda-gigante, música sinfônica, brinquedos, Papai Noel, decorações natalinas com árvore gigante, além de um belo pôr do sol, marcaram no sábado (4) a reabertura do Gramadão à comunidade de Foz do Iguaçu, após pouco mais de um ano de obras de revitalização.

A festa, que reuniu cerca de 10 mil pessoas, deu início à programação do Natal de Águas e Luzes neste que é um dos espaços de lazer mais procurados pelas famílias iguaçuenses. O ponto alto foi a apresentação da Banda Sinfônica do Exército Brasileiro, que emocionou os presentes com um repertório formado por músicas clássicas, populares e natalinas. Os músicos voltam a se apresentar no local neste domingo (5), às 20 horas.

A cerimônia contou com a participação das principais autoridades do município, que enalteceram o espírito de união entre as instituições organizadoras do Natal de Foz de Iguaçu: Itaipu Binacional, Prefeitura de Foz, Fundo Iguaçu e parceiros locais. O evento foi pensado para ser um presente à população após quase dois anos de pandemia.

Foto: reprodução

Wanderson, o ‘novo Lázaro’, se entrega à polícia

Wanderson Mota Protácio, homem de 21 anos e conhecido como  ‘novo Lázaro’, se entregou, na manhã deste sábado (04), à Polícia Militar no município de Corumbá de Goiás – localizado a 100 km de Goiânia. O rapaz é suspeito de cometer três homicídios na cidade.

O apelido de ‘novo Lázaro’ foi dado devido as similaridades com os dois casos. Wanderson encontrava-se foragido das autoridades policiais há seis dias e esteve envolvido em três homicídios – de um fazendeiro, sua enteada e esposa.

Neste sábado, o rapaz invadiu uma fazenda na área rural de Gameleira por volta das 6h da manhã. Após apontar um revólver pela janela, uma moradora identificada como dona Cinda o acolheu e ofereceu água, comida e roupas limpas. Segundo relatos, a fazendeira e o marido teriam convencido o rapaz a se entregar.

Foto: reprodução