por 11:00 Curitiba

Reajuste do IPTU 2020 será de 7,2% a 10,2% em Curitiba

O reajuste do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de 2020 em Curitiba vai variar de 7,27% a 10,27%, de acordo com a prefeitura. Os carnês de cobrança serão enviados a partir de janeiro.

O pagamento à vista, que poderá ser feito até 10 de fevereiro, garantirá desconto de 4%, mas o imposto poderá ser parcelado em até dez vezes, sem juros.

O vencimento das parcelas ocorre entre os dias 11 e 15 de cada mês, de fevereiro a novembro. As datas estarão informadas no boleto do IPTU. A primeira parcela será cobrada em 17 de fevereiro. Segundo a prefeitura, as parcelas não podem ser inferiores a R$ 20 – somando IPTU e a taxa de coleta de lixo.

Os valores aplicados tomam como base os percentuais estabelecidos em lei complementar de 2017 – de 4% para imóveis edificados e de 7% para imóveis não edificados – mais a correção monetária medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Para 2020, a atualização leva em conta a variação do IPCA entre dezembro de 2018 e novembro de 2019, que foi de 3,27%, mais o reajuste anual de 4% para imóveis prediais e 7% os terrenos.

Para quem pagou R$ 180 de IPTU em 2019, por exemplo, o pagamento em 2020 será de R$ 193,08 no caso de imóveis prediais e de R$ 198,48 nos terrenos.

O imposto incide em 790,3 mil unidades tributárias (residenciais, não residenciais e terrenos) na capital.

Mais de 116 mil imóveis estão com o IPTU atrasado em Curitiba, diz prefeitura
Taxa de lixo
Conforme a prefeitura, a taxa de coleta de lixo não sofreu alteração de valor para 2020 e segue as mesmas regras de 2019. Para quem paga, a taxa de lixo residencial permanece em R$ 275,40 por ano, o que representa um custo diário de R$ 0,75.

Os imóveis isentos do IPTU já têm a redução de 50% no valor da taxa de coleta de lixo. São os casos das residências de até 70 metros quadrados, tipo simples de construção e com valor venal de até R$ 140 mil.

Para esses imóveis, o valor da taxa é de R$ 137,70, ou o equivalente a R$ 0,37 por dia. Outros 3 mil imóveis devem ser isentos em 2020.

Fechar