PROJETO DO PMDB PARA CURITIBA É EDUCAÇÃO NOTA 10, DIZ MOREIRA

PROJETO DO PMDB PARA CURITIBA  É EDUCAÇÃO NOTA 10, DIZ MOREIRA

“O projeto de educação é o que vai fazer com que esta fila de 45 mil crianças a espera de uma creche em Curitiba seja zerada. É o projeto de educação que sabe que o ensino fundamental é o que baliza a qualidade de todos os outros níveis de ensino” – trecho do discurso de Carlos Moreira, candidato do PMDB a prefeitura de Curitiba. Leia a seguir a sua íntegra.

Quero iniciar minha fala com o resultado de uma pesquisa qualitativa que numa das respostas dizia assim: esse tal de Moreira é um homem de sorte. Ao olhar para todos vocês aqui, a todas estas pessoas no palco acho que isto é verdade. Tenho a sorte e o privilégio de conviver, de aprender a cada dia e de ser amigo do maior homem público deste país chamado Roberto Requião.

Talvez, governador, o senhor não possa ter a dimensão de quanto impregna as suas palavras em todos nós. Elas impregnam na alma e quando as palavras impregnam na alma jamais nós esquecemos.

Também quero dizer que tenho a sorte e o privilégio de ser membro do maior e melhor partido deste país: do PMDB velho de guerra que tem o compromisso histórico sempre com a mudança e com a luta para aqueles que mais precisam.

E tenho a sorte e privilégio de ter, junto comigo, a melhor chapa de vereadores que o PMDB podia nos dar. Muito obrigado a cada um de vocês. Estou olhando para cada um dos vereadores aqui e realmente isto é bem verdade, muito obrigado a vocês!

Alguns dias atrás, eu recebi de um grande amigo meu, um texto chamado política brasileira. E neste texto o autor dizia: “estamos preocupados com o Brasil porque notamos um desencantamento da classe média com a política brasileira”.

E este autor dizia que isto pode até acontecer na Suécia ou na Dinamarca, mas acontecer num país com tanta desigualdade social é um enorme equívoco e quando a gente começa a falar sobre eleição em Curitiba este desencanto também está presente em certa medida.

Algumas pessoas me dizem: esta eleição já está definida. Outros dizem: ah, mas vamos deixar o cara lá porque ele já fez algumas obras, já pavimentou algumas ruas, já fez algumas calçadas, afinal a educação, a educação é nota 5. Então vamos deixar as pessoas lá.

Passaram-se 30 anos, Curitiba triplicou o tamanho, os problemas se avolumaram e a receita para tratar os problemas continua a mesma. Algumas pessoas parecem que estão se contentando com pouco. Para elas, a cidade parece que está bem com a educação nota 5. Para que melhorar? Este é o tipo de sociedade que nós queremos?

Nós queremos uma sociedade vibrante, uma sociedade de mudança. E neste momento, lembro de uma frase do presidente Kennedy que dizia: “a mudança é a lei da vida, os que vivem do passado jamais vão viver o futuro”.

Portanto, nós estamos no século XXI e não podemos nos contentar com políticas do século passado, com políticas pela metade. Nós temos obrigação de levar Curitiba para um futuro ainda melhor, um futuro que todos nós, juntos, podemos fazer.

E coube novamente, por razões históricas, ao PMDB – o grande partido da mudança deste país, o partido que fez a redemocratização deste país, o partido de Roberto Requião, o partido de todos nós – mostrar para a cidade de Curitiba que esta mudança é possível, que esta renovação é possível, que um novo projeto de cidade é possível. E que nós podemos evoluir, avançar e caminhar para uma cidade mais justa e mais igual.

O projeto de educação que o governador falava não se contenta com educação nota 5. O projeto de educação do PMDB para a prefeitura de Curitiba é o projeto de Educação nota 10.

O projeto de educação, que vai fazer com que esta fila de 45 mil crianças a espera de uma creche em Curitiba seja zerada. É um projeto de educação que sabe que o ensino fundamental é o que baliza a qualidade de todos os outros níveis de ensino.

É o projeto de ensino fundamental que vai fazer com que o ensino médio seja melhor, que a universidade seja melhor e que este país seja melhor. O projeto de educação técnico-profissionalizante em parceria com a Secretaria Estadual de Educação e com as escolas técnicas federais para fazer com que o nosso jovem que fica na periferia, tenha opção de qualificação, possa ter um bom emprego e gerar renda.

O projeto do PMDB para a saúde não é uma saúde mais ou menos, que atende números, que só fica preocupada em apresentar estatísticas. O projeto do PMDB para a saúde é de uma saúde eficiente, de uma saúde que atenda as pessoas, que as pessoas não fiquem cinco horas num posto de saúde para ser atendidas por uma consulta.

O projeto do PMDB não acredita e não quer nem saber de um exame complementar ou de uma consulta especializada ser marcada para um ano e meio depois.

O projeto do PMDB é para as pessoas, para as pessoas que tem família, que tem emprego, que sofrem e que tem alegria e que querem e precisam ser felizes.

O projeto do PMDB é inovador. Ele traz inovações em todas as áreas. Nós estamos propondo na saúde, o atendimento domiciliar. Estamos propondo uma promoção de saúde.

E acima de tudo, estamos propondo soluções inovadoras para o trânsito e para o transporte coletivo, porque isso é possível.

Eu queria dizer a vocês que o nosso projeto vai sendo construído com a participação de todos. E como disse o governador, faço questão de agradecer à vários secretários de governo, à várias pessoas do PMDB que estão ajudando, fazendo de mãos dadas este grande projeto para Curitiba.

O Kielse falava em pesquisa. A pesquisa está apenas começando e hoje nós temos um grande motivo de entusiasmo, esta platéia presente, juntamente com o governador, me dão muito entusiasmo. A palavra entusiasmo é fantástica porque vem do grego e quer dizer em teus. Em teus quer dizer cheio de Deus. É preciso estar cheio de Deus para fazer a mudança que o PMDB quer. É preciso estar cheio de Deus para fazer uma cidade mais justa e mais igual. É preciso estar cheio de Deus para ter energia e vencer esta eleição.

Mao Tse Tung certa vez disse que política é uma guerra sem derramamento de sangue. Portanto, cada um de vocês aqui são os guerreiros. São os guerreiros não de arma em punho, mas são os guerreiros armados com o espírito da vitória do velho PMDB de guerra. Vocês estão armados com o trabalho e a determinação. Vocês estão armados com a vontade de vencer e estão armados, sobretudo, com a herança e o legado do número 15.

Quando vocês colocam um adesivo 15 no seu carro, que diz ali Moreira, vice Kielse, não é somente o Moreira que está indo ali, não é somente o Kielse, nem tão pouco somente o Requião. É o PMDB com toda sua força que modificou este país e que vai modificar esta cidade.

É o PMDB que sempre acredito que era possível construir uma sociedade mais justa. Quero dizer que o 15 que cada um de nós leva no peito é o 15 daquele que acredita que nós podemos ter uma Curitiba ainda melhor. É o 15 daqueles que acreditam que nós podemos ter uma cidade mais justa onde todos durmam e a outra metade não morra de fome.

É esta luta que temos que começar no dia de hoje. Conto com cada um de vocês. Esta é a parceria que temos que fazer. Venham vocês também na parceria pelo bem com o governador Roberto Requião para a nossa Curitiba. Muito obrigado, boa noite e um abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Câmara aprova projeto que exige fisioterapeuta em CTI em tempo integral

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (4) o Projeto de Lei 1985/19, da deputada Margarete Coelho (PP-PI), que disciplina a permanência de fisioterapeutas em Centros de Terapia Intensiva (CTIs) adulto, pediátrico e neonatal. A matéria será enviada ao Senado.

Em seguida, a sessão da Câmara foi encerrada.

O texto foi aprovado na forma de um substitutivo da deputada Aline Sleutjes (PSL-PR), cujo relatório foi lido em Plenário pela deputada Maria Rosas (Republicanos-SP).

A única mudança no texto retira a quantidade mínima de profissionais, que era de um para cada dez leitos. Entretanto, continua a determinação de que a presença do fisioterapeuta deverá ser ininterrupta, nos turnos matutino, vespertino e noturno, perfazendo um total de 24 horas.

A disponibilidade em tempo integral para assistência aos pacientes internados nesses centros de terapia intensiva deverá ser durante o horário em que o fisioterapeuta estiver escalado para atuar nesses locais.

“Pelo grau de importância do fisioterapeuta para o restabelecimento das pessoas internadas, a presença constante desse profissional é essencial, pois ele reduz o número de dias de internação, ainda mais nessa época de Covid-19”, afirmou a autora da proposta.

Próximas votações
Os deputados voltam a se reunir em sessão deliberativa virtual na próxima terça-feira (9), às 13h55, com pauta a ser divulgada após reunião de líderes a ser realizada às 10h30 desta sexta-feira (5).

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Câmara dá prioridade para mãe chefe de família no auxílio emergencial

Texto vai agora para análise do Senado

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (2) projeto de lei que dá prioridade de recebimento do auxílio emergencial às mães chefes de família, quando o pai também informa ser o responsável pelos dependentes. A matéria segue para análise do Senado. As informações são da Agência Brasil.

Pelo texto aprovado, caso haja conflito entre as informações prestadas pela mãe e pelo pai, a preferência de recebimento das duas cotas de R$ 600 será da mãe, ainda que sua autodeclaração na plataforma digital tenha ocorrido depois daquela feita pelo pai.

“Apenas 3,6% das famílias brasileiras tinham uma configuração com homem sem cônjuge e com filho, segundo o IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística], e mais de 80% das crianças no Brasil têm como primeiro responsável uma mulher”, afirmou a relatora do projeto, deputada Professora Dorinha (DEM-TO).

O projeto determina que o homem com a guarda unilateral, ou que seja responsável, de fato, pela criação, poderá questionar as informações da mãe de seus filhos na mesma plataforma e receber uma das cotas de R$ 600 até que a situação seja esclarecida pelo órgão competente.

“O machismo que as mulheres já sofrem cotidianamente na nossa sociedade vemos novamente expresso quando maridos, que nunca se responsabilizaram pelo cuidado dos filhos, agora requerem o auxílio emergencial em nome da família. Trinta milhões de famílias brasileiras são chefiadas por mulheres e 56% são famílias pobres”, disse uma das autoras da proposta, a deputada Fernanda Melchiona (PSOL-RS). 

Após várias denúncias de mulheres que enfrentaram problemas para receber o benefício após uso indevido do CPF dos filhos pelos pais, o trecho que permitia o recebimento do valor em dobro foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro. No entanto, a proposta resgata a possibilidade de concessão do benefício aos pais, com a prioridade para a mãe chefe de família. 

“Muitas mulheres brasileiras de baixa renda enfrentam ainda a violência patrimonial perpetrada por homens sem escrúpulos que, indevidamente, utilizaram e utilizam os CPFs dos filhos menores, que são criados unicamente pelas mães, para acessarem o auxílio emergencial. Isso tem causado enormes prejuízos para essas batalhadoras, além de colocar em risco a sua segurança alimentar e a dos seus dependentes”, afirmou Professora Dorinha.

Duas cotas

O auxílio emergencial foi criado para amenizar os efeitos das medidas de distanciamento e isolamento social necessárias para o enfrentamento da rápida propagação da covid-19. A iniciativa destina o auxílio emergencial de R$ 1,2 mil para mães chefes de família pelo período de três meses.

O texto também determina que a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – Ligue 180 crie uma opção específica de atendimento para denúncias de violência e dano patrimonial para os casos em que a mulher tiver o auxílio emergencial subtraído, retido ou recebido indevidamente por outra pessoa.

No caso de pagamentos indevidos do benefício emergencial ou realizados em duplicidade por informações falsas, os responsáveis deverão ressarcir os valores recebidos indevidamente ao Poder Público.

*Texto alterado às 21h53 para corrigir os nomes das deputadas.