0 Shares 264 Views

PRE prende 11 imigrantes ilegais de Bangladesh na PR-323

14 de maio de 2013
264 Views

imigrantesilegaisdivpr

por Rosângela Gris, em O Diário

A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) prendeu 11 imigrantes ilegais de Bangladesh, no sábado (11), na rodovia PR-323, no trecho entre o distrito de Guaiporã e o município de Cafezal do Sul (a 190 quilômetros de Maringá). Os bengaleses estavam em um ônibus interestadual da empresa Viação Umuarama que seguia de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, com destino a Maringá.

O ônibus foi abordado por volta das 9h pela equipe comandada pelo sargento Gilson Cardoso Fahur, que participava da Operação Fronteira Oeste, realizada pela Polícia Federal juntamente com a Rotam da 4ª Companhia da PRE.

Durante a abordagem de rotina, os policiais constataram que os asiáticos não tinham permissão para entrar no país. “Eles chegaram à América do Sul pela Bolívia. O último visto nos passportes deles era o boliviano para turistas. Eles permaneceram na Bolívia por cerca de 30 dias, depois desceram para o Paraguai e entraram no Brasil por via terrestre”, relatou o sargento.

Segundo o sargento, os imigrantes têm entre 20 e 30 anos e a maioria não fala português. Ao serem interrrogados, eles disseram ter vindo ao Brasil para trabalhar em frigoríficos de frango. O grupo, ainda de acordo com o policial, recebeu ajuda de um bengalês legalizado no país que mora em Cruzeiro do Oeste (a 137 quilômetros de Maringá).

“Esse bengalês agiu como coiote, nome dado a pessoa que agencia a vinda de estrangeiros ao país. Inicialmente eles desembarcaria em Cruzeiro do Oeste e depois seguiriam para outras cidades para trabalhar, uma delas seria Maringá”, diz o Fahur.

Depois de ouvidos, os bengaleses tiveram os passaportes apreendidos e foram liberados para seguirem viagem até Cruzeiro do Oeste enquanto aguardam a investigação da PF. O grupo disse que pretende pedir asilo ao governo brasileiro através da concessão do visto de trabalho. Caso o pedido seja negado, eles serão deportados para o país de origem.

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.