por 11:18 Sem categoria

POR QUE LULA, SEGUNDO CAPÍTULO

Apesar de todas as decepções, o presidente é ainda a melhor opção. Somente ele, na situação, vale como mediador. Por Mino Carta. Em Reportagens ou clique aqui

por 11:15 Sem categoria

POR QUE LULA, SEGUNDO CAPÍTULO

POR QUE LULA, SEGUNDO CAPÍTULO

 

Apesar de todas as decepções, o presidente é ainda a melhor opção. Somente ele, na situação, vale como mediador. Por Mino Carta

 

A três semanas do segundo turno, CartaCapital confirma sua preferência pela candidatura do presidente Lula. As razões da escolha não mudam, como será provado. Antes algumas considerações, em parte já feitas neste mesmo espaço, a bem de uma definição cristalina.

 

O governo Lula ficou bastante aquém das esperanças dos eleitores de 2002 e de CartaCapital, e das necessidades do País. Pouco se fez para combater o desequilíbrio social, questão primeira na pauta dos problemas, embora o povo tenha percebido leves progressos, que de fato houve, conforme números recentes do PNAD.

 

A política econômica ajoelhou-se aos pés do Deus Mercado, submissa aos dogmas neoliberais, e descurou da produção. Nem por isso Lula seduziu porção conspícua dos ricos nativos. CartaCapital não se cansou de criticar o governo, neste e em inúmeros outros pontos da sua atuação.

 

O PT no poder, depois de ter desfraldado seu comportamento ético por mais de duas décadas, portou-se como os que o precederam, às vezes sem a mesma sutileza, a qual é fruto da experiência. A crise incessantemente denunciada pela mídia, a mirar sempre em um único, inescapável alvo, está longe de ter sido a maior do Brasil. Governos anteriores, a começar pelo de Fernando Henrique Cardoso, foram muito mais eficientes no desmando. Contavam, porém, com o encantamento dos jornalistas e dos seus patrões.

 

O PT pareceu tão hipócrita quanto os demais partidos, além de incompetente na gestão do poder e das suas próprias conveniências, e navegou entre a trapalhada e o golpe sujo. Ficou claro que um bom número de petistas não estava à altura da tarefa. Traíram idéias, programas, projetos.

 

Eis um ponto dolorido. Ao cabo do seu mandato, Lula não poderá afirmar ter promovido varões de Plutarco a marechais. E nem mesmo a sargentos, cabos, anspeçadas. Na cidade onde nasci, não seriam escalados para entregar cabritos na véspera de Natal. É quando os ajudantes de açougueiro saem de bicicleta, a carregar os bichos dentro de um cesto, de onde afloram as perninhas amarradas. Fossem certos petistas, enfiariam as bainhas entre os raios das rodas e soçobrariam na sarjeta com seu carregamento.

 

A conclusão não é animadora. Digamos, porém, que o balanço transcende Lula, é o balanço do Brasil. Não falta quem tape os olhos diante da evidência, o povo inclusive, a se satisfazer com o gol do seu time. Basta, contudo, atentar para o pífio crescimento do País, que se repete há mais de duas décadas, para entender a gravidade da situação. Esta é, de fato, a crise.

 

Os donos do poder sempre apostaram na resignação do povo, que chamavam de cordialidade. Mas no abismo a separar ricos de pobres, onde já medram a violência urbana, a guerra do tráfico, o PCC, a fúria que mata mais de 50 mil brasileiros a cada ano, a raiva armazenada centenas de anos a fio tem todas as condições de explodir, algum dia, de uma hora para outra.

 

CartaCapital sustenta há tempo: neste Brasil a risco, por razões que todos conhecemos, embora tantos finjam ignorá-las, neste Brasil de desigualdades insuportáveis, Lula é, nas circunstâncias, o mais qualificado mediador entre a minoria abastada, ou quase, e a maioria estacionada entre a pobreza e a miséria absoluta.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com