por 10:14 Sem categoria

PLÍNIO DEFENDE A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

DA FOLHA DE SÃO PAULO:

Apresentando-se como "o candidato do Twitter e da juventude", Plínio de Arruda Sampaio, 80, defendeu ontem o direito de aborto, a união entre pessoas do mesmo sexo e a legalização de "drogas culturais como a maconha". Propôs ainda a extinção do Senado -um "valhacouto das oligarquias".

A uma plateia de 250 jovens durante debate na PUC-RJ, Plínio questionou: "Que mal faz um baseado?" E respondeu: "Maconha faz mal para quem tem distúrbios psíquicos de fuga porque leva ao consumo de drogas mais fortes, como crack e cocaína. Mas esta pessoa precisa de tratamento médico. Drogas culturais -a maconha assim como a bebida (alcoólica)- devem ser não só liberadas como legalizadas."

Plínio lembrou suas raízes católicas e disse que pessoalmente entendia que a vida começa no instante da concepção, mas defendeu o direito ao aborto: "Não é só legalizar. Se a mulher tiver consciência do ato e de suas causas, não estiver sendo pressionada por ninguém, deve ter direito de fazer o aborto em hospital público".

LEIA MAIS

por 10:13 Sem categoria

PLÍNIO DEFENDE A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

PLÍNIO DEFENDE A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

Apresentando-se como "o candidato do Twitter e da juventude", Plínio de Arruda Sampaio, 80, defendeu ontem o direito de aborto, a união entre pessoas do mesmo sexo e a legalização de "drogas culturais como a maconha". Propôs ainda a extinção do Senado -um "valhacouto das oligarquias".

A uma plateia de 250 jovens durante debate na PUC-RJ, Plínio questionou: "Que mal faz um baseado?" E respondeu: "Maconha faz mal para quem tem distúrbios psíquicos de fuga porque leva ao consumo de drogas mais fortes, como crack e cocaína. Mas esta pessoa precisa de tratamento médico. Drogas culturais -a maconha assim como a bebida (alcoólica)- devem ser não só liberadas como legalizadas."

Plínio lembrou suas raízes católicas e disse que pessoalmente entendia que a vida começa no instante da concepção, mas defendeu o direito ao aborto: "Não é só legalizar. Se a mulher tiver consciência do ato e de suas causas, não estiver sendo pressionada por ninguém, deve ter direito de fazer o aborto em hospital público".

Defendeu ainda o "direito de coçar a barriga, ficar à toa": "Defendemos a redução da jornada de trabalho para 40 horas para que as pessoas possam gozar a existência, não ficar só trabalhando. Temos de combater a desigualdade", declarou.

À tarde, a direção do PSOL repreendeu Plínio por ter defendido o fim do Senado, alegando que tem postulantes ao posto por todo o país. "Fui repreendido sim e assumo que falo em caráter pessoal. Vou defender esta posição internamente. Se for derrotado, mudo de posição", disse.

Com apoio no relato do deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), Plínio contou bastidores da gravação de sua participação para o "Jornal Nacional".

Disse que a Rede Globo tenta estigmatizá-lo e que, ao responder à primeira pergunta, reclamou por ter 3 minutos no telejornal contra 12 dos adversários: "A Globo está me colocando na classe econômica e os demais candidatos na classe executiva". Segundo ele, houve uma negociação com o repórter para que registrasse sua queixa em um tom mais ameno.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com