por 14:01 Economia

PIB tem queda de 4,1% em 2020, de acordo com o IBGE

O PIB – Produto Interno Bruto do Brasil caiu 4,1% em 2020, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. A atividade econômica registrou a maior queda desde o início da série histórica do IBGE, em 1996. A queda interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%, segundo o instituto. Entre os setores que tiveram queda estão Serviços (-4,5%) e Indústria (-3,5%). Houve alta somente no setor de Agropecuária (2%).
Com o tombo histórico, o Brasil saiu do ranking das 10 maiores economias do mundo e caiu para a 12ª colocação, segundo análise da agência de classificação de risco Austin Rating. No ano de 2019, o Brasil ficou na 9ª posição.

De acordo com João Beck, economista e sócio da BRA, após um crescimento de 7,7% no terceiro trimestre, o quarto trimestre teve um resultado até mais forte do que era o esperado. “No quarto trimestre, o crescimento do consumo das famílias e da indústria ainda se apoia por resultado do auxílio emergencial, mas também por alguma retomada leve e gradual na economia, além de uma ajuda do dólar mais alto”, explica.

Para Beck, o controle da pandemia e a vacinação são cruciais para a retomada econômica e o Brasil tem tido um desempenho ruim nessa área. ” A alta acima do esperado do PIB e sem uma trégua da inflação dão mais corda para altas na taxa Selic por parte do Copom”, comenta.

Rossano Oltramari, estrategista e sócio da 051 Capital, gestora especializada em alocação de recursos e planejamento patrimonial, avalia que, para o investidor, o cenário é difícil para tomada de decisões ainda mais com a recente intervenção do governo na Petrobras, que teve reflexo negativo no mercado. “Para quem toma decisão de investimento, o cenário é péssimo. Conversei com muita gente no mercado. Incerteza é a pior coisa para o investidor, e estamos vivendo isso”, diz Rossano Oltramari, estrategista e sócio da 051 Capital.

Segundo Oltramari, é fundamental que o investidor tenha muita cautela nesse momento de tantas incertezas. “Na bolsa, ações de empresas boas caíram fortemente nas últimas duas semanas nos setores de construção civil, varejo e saúde, o que pode ser uma oportunidade. Mas o risco também aumentou. O investidor pessoa física tem que ter muita cautela”, complementa.

De acordo com João Beck, para esse ano, a perspectiva é de possivelmente um PIB fraco justamente pela alta de juros, algo que o mercado já estima para a próxima reunião do Banco Central. “A retirada ou diminuição de auxílios do governo, o aumento da taxa de juros por causa da inflação e a vacinação caminhando a passos lentos também podem pesar”, completa.

Fechar