por 11:02 Sem categoria

Padre dos balões foi expulso por desobediência em escola de vôo livre de Curitiba

Padre dos balões foi expulso por desobediência em escola de vôo livre de Curitiba

Do UOL
Fabiana Uchinaka

O padre Adelir De Carli, de 41 anos, foi expulso da escola de vôo livre Vento Norte, em Curitiba, há cerca de três anos por indisciplina e exibicionismo. É o que conta Márcio André Lichtnow, instrutor responsável pelo curso de parapente que teve o padre como aluno. Carli desapareceu no último domingo no litoral de Santa Catarina depois de ter decolado de Paranaguá impulsionado por balões de gás hélio.

“Ele era indisciplinado e não participava das aulas teóricas, que são fundamentais para se compreender as questões meteorológicas. Ele não tinha nada de humilde, se acha o bom, o que conhecia tudo, o que sabia tudo. Parecia um playboy”, diz Lichtnow. O instrutor afirma que o padre fez dez horas de aulas práticas e quatro horas de aulas teóricas. Para completar o curso precisaria de 40 horas de prática e 30 horas de teoria.

Durante uma filmagem para reportagem da TV local há cerca de doias anos, o padre fez uma demonstração e, segundo Lichtnow, desobedeceu as orientações de vôo. “Expulsei ele do curso, porque neste dia falei para ele voar até o local do pouso e, da cabeça dele, ele resolveu voltar para o morro do Boi, em Caiobá, litoral paranaense, em uma corrente de vento ascendente. Ele voltou para o lado errado do morro, na parte de trás, bateu nas árvores e ficou pendurado. Quando os bombeiros chegaram para fazer o boletim de ocorrência, ele disse que o instrutor havia orientado e atrapalhado o vôo”, explica, ressaltando que havia testemunhas no local e a expulsão seguiu cláusula de contrato do curso de vôo livre que prevê desligamento quando o aluno coloca-se em perigo ou oferece perigo a terceiros.

Lichtnow conta ainda que o padre o procurou para falar dos planos de voar a partir de Paranaguá (PR). “Falei para ele que decolando dali o único lugar que ele poderia pousar era na África do Sul, porque é para lá que os ventos levam. Mas ele disse que já havia estudado tudo e eu achei que era brincadeira”, lembra.

De acordo com o instrutor, todas as condições eram desfavoráveis ao vôo de balão. “Foi de um amadorismo impressionante, ele não fez avaliação nenhuma: no ato da decolagem, ele não avaliou o vento, porque já decolou indo para o oceano; não avaliou a cobertura de nuvens do tipo nimbostratus, porque no dia havia uma frente fria que deixa o ar turbulento e com muita concentração de água; não avaliou a temperatura, porque o gás hélio em temperaturas baixas diminui de volume e força a descida. Além disso, ele invadiu o espaço aéreo brasileiro e poderia ter batido e derrubado um avião”, analisa. Pelas imagens divulgadas pela imprensa, Lichtnow calcula que o padre Carli atingiu 5.800 metros de altura e a temperatura nesta faixa era de aproximadamente -25ºC, dadas as condições meteorológicas.

“Fiquei bem menos católico depois de conhecer o padre”, finaliza o instrutor, que faz questão de dissociar a figura de Adelir De Carli da escola de vôo. “Ele tentou ser meu aluno, mas não foi aceito”.

Nesta terça-feira, as equipes de busca do padre acharam balões vagando pelo mar de Santa Catarina. Lanchas tentam chegar ao local onde o padre teria caído, a cerca de 40 quilômetros da costa de São Francisco do Sul.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com