por 17:34 Sem categoria

OPOSIÇÃO VIVE SINDROME DE FACTÓIDES, DIZ ROMANELLI

OPOSIÇÃO VIVE SINDROME DE FACTÓIDES, DIZ ROMANELLI

O deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PMDB), líder do Governo na Assembléia Legislativa, afirmou nesta quinta-feira (12) que a oposição continua vivendo sob o que chamou de “síndrome de factóides” porque ainda não aceitou o resultado das eleições que consagrou a luta do governador Roberto Requião na defesa do patrimônio público paranaense

O deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PMDB), líder do Governo na Assembléia Legislativa, afirmou nesta quinta-feira (12) que a oposição continua vivendo sob o que chamou de “síndrome de factóides” porque ainda não aceitou o resultado das eleições que consagrou a luta do governador Roberto Requião na defesa do patrimônio público paranaense.

“Os privatistas se articulam novamente para que as empresas públicas retomem à sanha do lucro desenfreado como era no governo Jaime Lerner. Não há outra explicação para tantos factóides criados na tentativa de desestabilizar empresas como a Sanepar. Uma empresa eficiente, que cumpre seu papel social e entrega água em tarifas reduzidas para mais de um milhão e meio de paranaenses”, disse Romanelli.

Patrimônio do povo – Desde o início da atual legislatura, Romanelli identificou o movimento dos deputados de oposição pela privatização de setores estratégicos do Estado – como água, saneamento, energia elétrica, transportes, portos – retomados ao controle público no segundo governo Requião. “É mais uma tentativa desesperada de retirar as conquistas da população paranaense e de entregar novamente esses setores à iniciativa privada. O governo Requião não vai retroceder. Vai avançar ainda mais, vai radicalizar nos avanços e conquistas sociais que o Paraná precisa”, disse.

“A Copel é a empresa de energia elétrica mais rentável das Américas. O Porto de Paranaguá é melhor porto público do país. Em 2003, o comércio com países sul americanos era de US$ 25 milhões, hoje, é de US$ 245 milhões. Retomamos a Ferroeste e estamos criando vias alternativas ao pedágio nas estradas federais. É claro que isso tem deixado muita gente abalada ao ver seus interesses contrariados”, destaca Romanelli.

Garantias – Sobre o novo factóide criado contra a Sanepar, da suspeição da apólice de seguro para obras do Paranasan, Romanelli disse que em “nenhum momento da execução do contrato, as obras realizadas pela Pavibrás estiveram descobertas de garantia. A Sanepar tomou todas as providências necessárias e notificou extrajudicialmente a seguradora em dezembro de 2004”.

“A Sanepar inclusive alertou a seguradora que não estava isenta da responsabilidade solidária sobre a apólice já que o documento já tinha sido emitido por seu agente autorizado”, completou. Romanelli esclareceu ainda que a apólice da Pavibras foi contratada no governo Jaime Lerner e que posteriormente, em 25 de dezembro de 2002, a seguradora faliu. “A Sanepar fez uma notificação extrajudicial, um documento longo e juridicamente bem postado, justamente para garantir seus direitos em relação a apólice. Fez isso em dezembro de 2004, portanto há mais de dois anos”.

Série de factóides – “Nós na Assembléia, temos tido em relação a Sanepar muitas discussões do contrato da Pavibras e fica claro que há gente, há grupos, há interesses escusos, criando uma série de factóides, tentando manipular a opinião pública”, aponta o líder do Governo.

Romanelli reafirmou ainda, aos deputados reunidos na sessão de quarta-feira (11) da Assembléia Legislativa, que todas as providências cabíveis em relação aos contratos e obras relativas ao Paranasan. “Não há nada, absolutamente nada, que não foi adequadamente, legalmente, ajustado nos padrões legais e principalmente, sem nenhum prejuízo maior ao povo de Curitiba, das cidades da região metropolitana e do litoral, que foram atendidos por esse programa”.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com