por 13:00 Sem categoria

O IPTU de Kassab

Editoriais – editoriais@uol.com.br

O IPTU de Kassab

A IMAGEM de administrador austero cultivada pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab e seu partido, o DEM, sai arranhada com a alta anunciada no IPTU. Como de hábito entre governantes premidos pela dificuldade de cumprir promessas eleitorais, pune-se o elo mais fraco: o contribuinte.

A justificativa oficial -adequar à realidade de mercado a base que define o valor venal dos imóveis- é correta. Se houve valorização acentuada em certas regiões da cidade, é justo que proprietários paguem mais imposto sobre prédios e terrenos. A Planta Genérica de Valores não sofria atualização desde 2001.

Estima-se que, em alguns casos, o reajuste poderia exceder 300%, mas Kassab fixou teto de 40% para a alta em imóveis residenciais e de 60% para os comerciais. A elevação, se passar pela Câmara, vigorará em 2010.

No Brasil, os governos -municipais, estaduais e federal- já tomam mais de quatro meses de trabalho, em média, do brasileiro, a título de impostos. É um despautério elevar essa carga tributária ainda mais. O IPTU paulistano arrecadou R$ 2,5 bilhões até agosto deste ano, 3,5% mais que no mesmo período de 2008, já descontada a inflação.

São positivas medidas que aumentam a eficiência (caso da nota fiscal eletrônica) e a justiça da arrecadação, como a atualização da planta genérica para o cálculo do imposto predial. É imprescindível, porém, que a receita adicional obtida desse modo venha desonerar o contribuinte. Kassab aplicou só em parte tal princípio: imóveis até R$ 92,5 mil deixarão de pagar IPTU, contra o limite anterior de R$ 65,5 mil.

Mesmo descontada a receita perdida com a extensão do benefício, sobrarão no erário paulistano R$ 744 milhões anuais de imposto adicional. Ora, a receita do principal tributo municipal, o ISS, já subiu cerca de 50% desde 2006, quando Kassab se tornou prefeito. Nada justifica a nova incursão contra o contribuinte.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com