por 09:55 Cotidiano, Destaques, Segurança e Policial

Numape quer mapear casos de violência contra a mulher em Irati e Inácio Martins

Na semana da mulher, o Numape, que é o Núcleo Maria da Penha, um projeto de extensão da Unicentro, lançou uma pesquisa com o objetivo de mapear a violência contra as mulheres nos municípios que integram a comarca de Irati.

O intuito, segundo a coordenadora do Numape Irati, professora Kátia Alexsandra dos Santos, é a obtenção de dados além dos formais, buscando informações sobre casos subnotificados que tenham ocorrido nos municípios de Irati e Inácio Martins. “Nós sabemos o quanto é difícil mapear esses dados, porque os dados formais que nós temos – ou seja, registrados a partir de boletins de ocorrência, de atendimentos realizados no âmbito da assistência social e de outros equipamentos que atendem as mulheres em situação de violência – não reproduzem a realidade do fenômeno da violência. Todo mundo sabe, conhece ou já ouviu falar de alguma situação de violência, mas quando nós olhamos para esses números formais, eles são muito menores do que nós imaginamos que existe na realidade”, explica.

Para isso, o Numape Irati elaborou um questionário online voltado para moradoras de Irati ou de Inácio Martins que concordem em participar da pesquisa, respondendo questões relacionadas a violência contra as mulheres, podendo as participantes terem vivenciado, presenciado ou tomado conhecimento dos casos.

A pesquisa é dividida em três partes que, como detalha a coordenadora do Numape Irati, podem ser respondidas conforme a situação que cada mulher se enquadra. “A primeira parte diz respeito a informações de situação de violência que tenham sido vivenciadas pela pessoa que está preenchendo o questionário. Na segunda parte, se você não vivenciou nenhuma situação mas viu, você pode reportar as situações de violência que tenha presenciado. E por fim, se você não viveu, nem presenciou, mas soube de situações de violência que ocorrem no local onde vive, você pode preencher a terceira parte do questionário”

O questionário é completamente anônimo e que a participação da população feminina desses municípios é de extrema importância para o objetivo final da pesquisa, que é a comparação de casos notificados e subnotificados.

Assessoria

Fechar