por 19:20 Sem categoria

No PR, PT pede apreensão de adesivo que faz referência a falta de dedo de Lula

No PR, PT pede apreensão de adesivo que faz referência a falta de dedo de Lula

MARI TORTATO
da Agência Folha, em Curitiba
 
A coordenação da campanha de reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Paraná pediu à Justiça Eleitoral a apreensão de adesivos de vidro de carro em que uma mão aberta com quatro dedos é cortada por um xis, símbolo de proibido ou banido.

Para o PT, o adesivo faz campanha discriminatória contra Lula, devido à referência à falta do dedo mínimo da mão esquerda do presidente. A coordenação da campanha de Lula também pede identificação dos autores da peça.

O adesivo começou a aparecer nesta semana em alguns carros que circulam em Curitiba, e sua autoria não é assumida por nenhuma campanha adversária à do PT. O advogado da campanha petista no Paraná Emerson Fukushima disse ter informações de que a peça está sendo entregue a motoristas junto com o material do presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin.

"Em todos os carros em que o adesivo foi visto, foi possível ver também a propaganda desse candidato [Alckmin]", afirmou ele.

O coordenador-executivo da campanha de Alckmin no Paraná, José Carlos Campos Hidalgo, negou a responsabilidade do PSDB na distribuição da peça. "Não conheço quem distribui, não sei de quem é. É até uma propaganda que não é boa para nós, porque não ajuda em nada. Nem adesivo suficiente do nosso próprio candidato temos por aqui", afirmou Hidalgo.

Representante das pessoas com deficiência no Conselho Nacional das Cidades, o aposentado José Leite definiu o adesivo como "uma agressão de mau gosto".

Segundo Leite, o adesivo não promove crítica, só preconceito e discriminação. "Leva em consideração uma deficiência que não interfere em nada na ação do presidente."

Para o presidente da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná, Mauro Nardini, o adesivo "é um crime".

Lula perdeu o dedo num acidente de trabalho, quando era torneiro mecânico na região do ABC, na Grande São Paulo.

Fechar