por 15:42 Política

Nível de debate infantil não permite que Brasil derrote extrema direita, afirma especialista

A Sputnik Brasil conversa com Fabio Gentile, professor de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará (UFC), sobre extrema direita, redes sociais e liberdade de expressão.

Em junho, um relatório do Departamento Federal de Investigação (FBI, na sigla em inglês) dos EUA alertou que seguidores do movimento de extrema direita e teoria da conspiração QAnon poderiam atacar membros do Partido Democrata por conta das frustações com as profecias do movimento que não se realizaram.

Em 6 de janeiro, apoiadores do ex-presidente norte-americano Donald Trump (2017-2021), entre eles muitos adeptos do QAnon, invadiram o Congresso dos EUA para protestar contra a certificação dos votos no democrata Joe Biden no Colégio Eleitoral, que venceu a disputa contra Trump nas eleições de 3 de novembro. O episódio deixou cinco mortos e vários invasores foram detidos.

Apesar do alerta do FBI, o movimento parece ter perdido adesão e destaque nas notícias e nas redes sociais, onde muitos estão bloqueados. Além disso, alguns seguidores da teoria da conspiração estão presos e aguardam julgamento. Será que a ascensão da extrema direita atingiu o seu pico durante o governo Trump e agora vive um declínio? A Sputnik Brasil conversou com Fabio Gentile, professor de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará (UFC) e pesquisador associado do Observatório sobre a Extrema Direita da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), sobre extrema direita, redes sociais e liberdade de expressão.

Ex-presidente norte-americano Donald Trump fala a seus apoiadores durante comício na Flórida, Estados Unidos, 3 de julho de 2021

Ondas de direita e de esquerda

O professor da UFC recorda que com a eleição do republicano Donaldo Trump em 2017, a rede internacional de direitas no mundo se fortaleceu.

“[Esse movimento] ficou mais forte. Inclusive, é provável até que eles tenham tido financiamento a partir daquele grupo de teóricos e ideológicos da direita de Trump. Por exemplo, é muito provável que [o ex-estrategista-chefe de Trump] Steve Bannon esteja envolvido, como ele mesmo falou, nessa rede de financiamentos a campanhas de extrema direita […]. É claro que a direita se beneficiou da ascensão de Trump. É claro que quando você tem um líder que se apresenta como líder de direita extrema liderando os EUA, isso vai beneficiar esse movimento internacional, transnacional de direitas”, explica.

Desde a eleição do democrata Joe Biden, todavia, Fabio Gentile acredita que pode ocorrer um retrocesso da extrema direita, dizendo que possível que Biden dê “um rumo mais democrático ao mundo nos próximos anos”, mas frisa que não é possível ter certeza, uma vez que a democracia ao redor do mundo está em crise.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson (E), o presidente dos EUA Joe Biden (C) e o presidente da França Emmanuel Macron (D) participam de uma sessão de trabalho durante a cúpula do G7 em Carbis Bay, Cornualha, Reino Unido, em 12 de junho 2021

O especialista afirma que muitas democracias estão rapidamente se tornando regimes de autoritarismo competitivo, termo para designar o sistema em que as eleições existem para reforçar o regime, não garantir a alternância no poder.

“Eu duvido que a Europa, mesmo com a vitória de Biden, tome um rumo plenamente de democracia, digamos assim, mais progressista […]. Nós estamos observando na Europa a ascensão e até a presença marcante nas instituições de cada país europeu, e na própria comunidade europeia, de partidos e movimentos de extrema direita. Não acho que a vitória de Biden vai mudar muito o rumo desse fenômeno na Europa”, comenta.

Por outro lado, Fabio Gentile explica que, historicamente, há uma alternância de direita e esquerda na América Latina e que agora pode ocorrer uma nova onda de políticos progressistas.

O candidato de esquerda à presidência do Peru, Pedro Castillo, saúda seus apoiadores da varanda da sede de seu partido em Lima. Peru, 10 de junho de 2021

“Na América Latina, tem ondas de direita, ondas de esquerda, então é possível que uma nova onda, talvez progressista, de esquerda, possa tomar conta da América Latina nos próximos anos, justamente porque nos EUA ganhou o Partido Democrata. Essa é uma previsão amparada em uma trajetória histórica de ciclos de direita e de esquerda na América Latina. É um cenário provável”, assevera.

Liberdade de expressão e regulação

Após o ataque ao Capitólio dos EUA, Trump foi bloqueado em várias redes sociais, inclusive o Twitter e o Facebook. Na semana passada, o ex-presidente norte-americano anunciou a abertura de processos judiciais contra Twitter, Facebook e Google.

O professor da UFC concorda com o bloqueio de quem faz discurso negacionista e destaca o protagonismo que as redes sociais ganharam na disseminação desse conteúdo.

“Eu costumo dizer que as redes sociais desempenharam um papel fundamental na ascensão da extrema direita. […]. Sempre teve negacionismo e a direita extrema ou radical sempre teve posições negacionistas”, diz o especialista, acrescentando que as redes sociais se tornaram um lugar muito perigoso e que antes da Internet era mais difícil espalhar esse discurso, era “mais fácil controlar a expansão desses argumentos para um público mais amplo”.

Dessa forma, Fabio Gentile considera o bloqueio de certas contas legítimo, mas ressalta que decisão, essa regulamentação, deve ser feita pelo Estado e não pelos responsáveis das respectivas redes sociais, uma vez que essas empresas estão “criando uma nova ética, uma nova moral”, onde são elas que dizem o que pode ou não ser dito.

“Esse é um ponto delicado, realmente […]. A direita tem uma posição que vai explorando essas falhas, se você entrega ao Estado o papel de regulamentar o que pode ser dito e não dito em rede, você está atingindo a liberdade de expressão”, diz.

Outro ponto delicado são os processos judiciais por falas em redes sociais. Também aqui, Fabio Gentile defende que o Estado deve ter um papel importante e afirma que é totalmente a favor do uso da Justiça nesses casos, mas faz uma ressalva sobre a possível consequência dessa autoridade:

“Quando um poder ganha muito poder pode ter uma tentação despótica, tirânica. A própria judicialização da política nos últimos anos tomou um rumo bastante despótico. Observamos isso no caso da Lava-Jato.”

Sergio Moro e Deltan Dallagnol, procurador federal e coordenador da Lava Jato no MPF, participam do Fórum Mãos Limpas & Lava Jato (foto de arquivo)

Combate à extrema direita

O especialista ressalta que é necessário se engajar nessa disputa política-ideológica para combater o discurso de ódio nas redes sociais. Fabio Gentile lamenta que a sociedade em que vivemos “esteja indo cada vez mais a caminho de ser consumidora passível de conteúdos” e reforça a importância de desenvolver pensamento crítico através da leitura e do conhecimento.

No caso específico do Brasil, o professor da UFC é ainda mais pessimista, afirmando que o país está fazendo “pouquíssimo” para combater a extrema direita e que a radicalização política deixa Brasil em uma posição muito precária.

“Como cientista social, que é um observador externo […] acho que o Brasil está em um nível infantil de debate, [mas] não é um neném que tem potencialidades muito boas. Porque no Brasil você tem uma radicalização de um lado e de outro do debate. Com muitos militantes radicais, de um lado e de outro, que vão fomentando, espalhando ódio, conflito. Não vejo muita capacidade de construir, de pensar uma nova agenda política para o país. Nessa perspectiva, a esquerda brasileira está muito fragilizada”, conclui.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com