0 Shares 235 Views

Mujica regulamenta maconha no Uruguai

8 de maio de 2014
235 Views

0805-mujica

Entrou em vigor ontem no Uruguai, a lei que regulamenta a produção, o comércio e o consumo da maconha no país, criando o primeiro mercado legal da droga no mundo.O presidente José Mujica assinou a nova lei. “Queremos dar um golpe no narcotráfico, tirando dele parte do mercado. Nenhum vício é bom, o único que sugiro aos jovens é o amor”, disse Mujica. As informações são do jornal Metro.

A lei entra em vigor quase seis meses após ser aprovada pelo parlamento uruguaio. Além de regulamentar o consumo, cria clubes para uso da droga e permite o cultivo de até seis plantas em casa. Como forma de evitar o “turismo” da maconha, apenas cidadãos ou residentes no Uruguai terão direito a adquirir até 40 gramas da erva por mês em farmácias comunitárias ou de primeira linha, segundo o Ministério de Saúde. Os usuários deverão se registrar. A maconha será plantada em áreas licenciadas pelo governo, em locais ainda não divulgados.

Pesquisas indicam que a maioria dos uruguaios se opõe ao plano, mas Mujica disse que o governo “tinha de tentar”. “Quero resgatar o direito da sociedade de experimentar. Sem isso, estaríamos presos em uma foto que nunca muda. Não há outra maneira de ser capaz de avançar”, disse.

Na segunda-feira, 5, o secretário-geral da Junta Nacional de Drogas do país, JulioCalzada, disse que a regulamentação não é uma “iniciativa de exportação da proposta”, mas a “tentativa de um novo caminho” no combate ao narcotráfico. “Queremos que nos deixem experimentá-la, não a estamos exportando, não dissemos que outro país deve adotá-la”, declarou.

Um documento assinado por cinco prêmios Nobel, um ex-secretário de Estado dos EUA, dois ministros latino-americanos e outras personalidades pediu o fim da guerra contra as drogas em um relatório da London School of Economics publicado ontem. “É hora de acabar com a ‘guerra contra a droga’ e destinar os recursos em massa para políticas efetivas baseadas em evidências e apoiadas em análises econômicas rigorosas”, afirmam.

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.