Morre radialista e ex-político de Curitiba, Algaci Tulio, vítima da Covid

Morreu, aos 80 anos, na manhã desta quarta-feira (13), o radialista e ex-político de Curitiba Algaci Tulio. Ele estava internado em tratamento contra a covid-19, mas não resistiu aos avanços da doença. Ele estava entubado na no Hospital Vita Batel, em Curitiba e a morte foi confirmada pelo filho dele, Marcelo Tulio.

Segundo Marcelo, Algaci Tulio sofreu uma parada respiratória por volta das 9h da manhã desta quarta-feira. Médicos tentaram reanimá-lo, mas ele não aguentou e morreu. “O pai deixa um legado para todos nós. Estava alegre e com muitas ideias. Um ser humano espetacular e que cultivou na vida só amizades”, disse o filho Marcelo Tulio à Tribuna.

No última quarta-feira (6) Algaci Tulio apresentou discreta melhora, mas seguia internado na UTI covid-19, na mesma ala em que estava o ex-vereador Cristiano Santos, que melhorou e conseguiu ter alta da UTI covid-19.

Ainda não há informações sobre velório, mas o corpo de Algaci Tulio dele ser cremado, segundo a família.

Algaci Tulio foi vereador de Curitiba, deputado estadual e vice-prefeito por duas vezes, em uma gestão de Jaime Lerner e outra de Cassio Taniguchi.

Tribuna do Paraná/(Foto: CMC)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PEC dos Precatórios é aprovada pela CCJ do Senado

Após uma semana de intensas negociações, a CCJ do Senado acaba de aprovar, por 16 votos a favor e 10 contrários, o substitutivo do líder do governo na Casa, Fernando Bezerra (MDB-PE), para a . O texto apresenta várias mudanças em relação à proposta aprovada pela Câmara e agora segue para o plenário.

Como mostramos, temendo uma derrota no Senado, o governo foi obrigado a fazer várias concessões para partidos como o MDB, PSD, PSDB e até para a oposição.

Leia mais em O Antagonista

Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL

O presidente Jair Bolsonaro se filiou hoje (30) ao Partido Liberal (PL). O ato de assinatura da ficha de filiação foi realizado nesta manhã durante uma cerimônia promovida pela legenda.

Eleito em 2018 pelo PSL, Bolsonaro deixou o partido em novembro de 2019 e não estava filiado a nenhum partido. A condição é necessária para a disputa das eleições gerais de 2022. Até o momento, a eventual candidatura do presidente à reeleição não foi oficializada.

Durante o evento, Bolsonaro destacou que a cerimônia foi uma simples filiação ao partido e que não estava “lançando ninguém a cargo nenhum”.

“Estou me sentindo aqui em casa, dentro do Congresso Nacional, aquele plenário da Câmara dos Deputados, tendo em vista a quantidade enorme de parlamentares aqui presentes. Vocês me trazem lembranças agradáveis, lembranças de luta, de embate, mas, acima de tudo, momentos em que nós, juntos, fizemos pelo nosso país. Eu vim do meio de vocês. Fiquei 28 anos dentro da Câmara dos Deputados”, disse.

Pelas redes sociais, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, confirmou que também se filiou ao partido e que será pré-candidato ao Senado pelo Rio Grande do Norte.