Média de ocupação de leitos de UTI Covid é a menor em 19 meses no Paraná

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) registra neste mês de novembro a menor média de taxa de ocupação em leitos de UTI exclusivos para atendimento à Covid-19 desde maio de 2020. Segundo o levantamento da Regulação de Leitos do Paraná, diariamente cerca de 34% das unidades estavam ocupadas na média do dia 1º ao dia 24. Em maio de 2020, a menor taxa até então, a ocupação foi de 35%.

A diminuição também pode ser observada com relação aos leitos clínicos, de enfermaria, dos casos moderados. Neste mês, a média diária de ocupação não ultrapassou 24%. O Paraná não registrava números tão baixos desde junho do ano passado. Esse balanço leva em consideração também a variação na quantidade de leitos e o fechamento de alguns espaços.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, disse que os números são reflexos expressivos da vacinação. “Para nós é motivo de alegria que estes leitos estejam cada vez menos ocupados, porque sabemos da angústia em precisar internar alguém sem saber se poderemos ver aquela pessoa novamente. Precisamos continuar vacinando e avançando, são as vacinas que diminuem a gravidade da doença, salvam vidas e nos dão esperança de que em breve sairemos desta pandemia”, afirmou.

HISTÓRICO – Desde a implantação dos leitos exclusivos, em 26 de março de 2020, mais de 115,6 mil pacientes foram atendidos nestas unidades. A estratégia de criação dessa rede ocorreu 14 dias depois da confirmação dos primeiros seis casos da doença no Estado, e teve por objetivo, separar os pacientes de outras doenças para evitar a disseminação do vírus responsável pela Covid-19, além de reforçar a rede hospitalar já existente com a criação de mais leitos.

Em maio deste ano, o Paraná chegou a ter mais de 4,7 mil leitos para atendimento à doença, sendo mais de 1,9 mil somente de UTI’s. Considerando que nos últimos 30 anos o Estado registrava 1.200 leitos de UTI gerais, com a implantação dos leitos exclusivos Covid, o Governo praticamente criou uma segunda rede hospitalar em menos de um ano.

Ainda para o enfrentamento à pandemia, o Governo do Estado adiantou a entrega de três hospitais próprios, localizados em Guarapuava, Ivaiporã e Telêmaco Borba, destinando as unidades para atendimento exclusivo da doença. Em Guarapuava foram abertos 40 leitos de UTI e 80 de enfermaria; em Telêmaco Borba, 23 UTI’s e 30 enfermarias; e em Ivaiporã, 20 UTI’s e 40 enfermarias.

“A ordem expressa do governador Ratinho Junior era que não construíssemos hospitais provisórios, de lona, chamados de hospitais de campanha. A orientação era que ampliássemos a Rede própria, otimizando os recursos e investindo de maneira efetiva e permanente, com isso, dobramos o número de leitos disponíveis no Estado e não tenho dúvidas de que centenas de vidas foram poupadas com isso”, afirmou Beto Preto.

RETOMADA – Com o avanço da vacinação (65,41% da população imunizada com D2 ou dose única) e a diminuição nos índices de casos, óbitos e ocupações de leitos, o Governo do Estado, em conjunto com os gestores municipais e hospitalares, optou por desabilitar cerca de 2,5 mil leitos exclusivos para retomada de procedimentos cirúrgicos eletivos, além da disponibilidade de mais leitos para atendimentos de demandas gerais de urgência e emergência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assembleia Legislativa homenageia a jornalista Roseli Abrão

A jornalista Roseli Abrão receberá uma homenagem da Assembleia Legislativa do Paraná. A profissional dará nome ao Comitê de Imprensa, área reservada para que os profissionais de comunicação acompanhem as sessões plenárias. A resolução da mesa diretora foi apresentada nesta terça-feira, 7, e passará pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ser votada em plenário.

Para o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), primeiro-secretário do legislativo, a homenagem é um justo reconhecimento ao trabalho de quase quatro décadas da jornalista na cobertura da cena política paranaense. “Roseli foi uma pioneira, exerceu sua profissão com dignidade e responsabilidade, e se tornou referência do jornalismo político do Paraná”, disse.

A proposta foi assinada pelos deputados Ademar Traiano (PSDB), presidente do Poder Legislativo, Gilson de Souza (PSC), segundo-secretário da Assembleia, Anibelli Neto (MDB) e Nereu Moura (MDB). A iniciativa altera uma resolução de 1992, que nominava o Comitê de Imprensa de Jornalista Wilmar Sauner. Agora, o espaço passa a ser denominado Jornalista Wilmar Sauner e Jornalista Roseli Abrão.

Trajetória

Roseli Abrão era formada em jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e iniciou a carreira no início da década de 1970 no jornal Folha de Londrina, em Curitiba. Trabalhou por 13 anos no jornal O Estado do Paraná como repórter, chefe de reportagem e editora.

Outros 10 anos da vida profissional foram dedicados ao jornal Correio de Notícias, onde permaneceu até o fechamento do veículo, em 1995. Ali dedicou-se à cobertura na área política como editora da coluna Política & Políticos e, posteriormente, passou a assinar a sua própria coluna.

De 1995 a 2000 Roseli trabalhou no jornal Diário Popular, onde também assinou a sua própria coluna política. A jornalista também foi colunista de política no jornal Hora H e no site Hora H News. Além de seu trabalho em jornais e sites de notícias, também atuou em campanhas eleitorais, na Agência Estadual de Notícias, durante os governos de Álvaro Dias e de Roberto Requião.

A trajetória profissional de Roseli Abrão também inclui a assessoria a partidos políticos. Nos últimos anos atuou na Assembleia Legislativa como assessora de imprensa da Liderança do PMDB e mantinha um site de notícias que leva o seu nome.

No dia 23 de novembro de 2021 Roseli faleceu aos 74 anos de idade, em virtude de tumores no cérebro, deixando seu esposo, Antônio da Cunha Santos, três filhos e três netos.

Paraná recebe mais 387.240 vacinas contra a Covid-19 nesta segunda-feira

O Ministério da Saúde confirmou o envio de 387.240 vacinas contra a Covid-19 ao Paraná. As doses são da 71ª pauta de distribuição e devem chegar na tarde desta segunda-feira (6).

A remessa é integralmente para dose de reforço (DR), sendo 376.740 vacinas da Pfizer/BioNTech para a população acima de 18 anos e 10.500 AstraZeneca/Fiocruz destinadas à população indígena ( de 18 a 59 anos).

As doses da Pfizer desembarcam no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, às 13h50, no voo LA-3293, e às 15h, no voo G3-1106. O lote com AstraZeneca/Fiocruz está previsto para às 18h35, no voo AD-4078.

Assim que os imunizantes chegarem ao Estado serão encaminhados para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), onde passarão por conferência e armazenamento até que sejam descentralizados para as Regionais de Saúde.

“Esta é a primeira remessa de dezembro. Nosso caminho até aqui foi de muita dedicação, trabalho e esperança. Quase doze meses completos recebendo vacinas semanalmente e, logo na sequência, já fazendo chegar aos braços dos paranaenses. Antes de 2022, gostaria de ver toda a população vacinada contra o coronavírus”, enfatizou o secretário de Saúde do Estado, Beto Preto.

Além das vacinas, o governo federal informou o envio de 1.094.500 seringas descartáveis 3ml com agulha 23Gx1 e 437.500 seringas 1ml com agulha 23Gx1.

Segundo os dados do Vacinômetro nacional, o Paraná já aplicou 17.296.176 vacinas contra a Covid-19, sendo 8.874.149 primeiras doses (D1) e 7.590.315 segundas doses (D2) ou doses únicas (DU). O Estado registra ainda a aplicação de 55.914 doses adicionais (DA) e 775.798 doses de reforço (DR).