Escrito por 13:10 Brasil

Marcelo Odebrecht, o banqueiro informal do PT

Compartilhe

OdebrechtReportagem das jornalistas Talita Fernandes e Ana Clara Costa, na revista Época, revela detalhes do esquema de propinas mantido por lideranças políticas e o empreiteiro Marcelo Odrebrecht, mencionado na matéria como o banqueiro informal do PT. Diz o texto que na noite da quarta-feira (22), autoridades, advogados e amigos se reuniram em uma casa de festas em Brasília para cumprimentar Alexandre de Moraes, ex-ministro da Justiça do governo de Michel Temer que assumira naquela noite, aos 48 anos, uma cadeira no Supremo Tribunal Federal.

Conhecido pelos gestos ríspidos, Moraes era todo sorrisos. Não conseguia disfarçar a satisfação de ter chegado tão jovem – e de maneira inesperada devido à morte abrupta de Teori Zavascki – à mais alta Corte do país. Entretanto, os holofotes acabaram divididos, ao menos em uma parte da noite, com um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, embora já tenha concorrido mais de uma vez à vaga de ministro do Supremo, não obteve êxito. Herman Benjamin acumula o cargo de corregedor-geral da Justiça Eleitoral. Por essa razão foram distribuídas a ele as quatro ações que tramitam no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a pedido do PSDB e que podem resultar na cassação da chapa formada pela ex-presidente Dilma Rousseff e Temer para as eleições de 2014. A amigos e colegas de Tribunal, ele tem retratado as ações como “o grande caso da sua carreira”.

Naquela noite, Benjamin havia acabado de enviar aos outros seis ministros do TSE um relatório parcial que resume o que se apurou até aqui. As ações se arrastam desde novembro de 2014 e só agora estão em fase final. Num sinal de que tem pressa em concluir as ações, Benjamin antecipou-se ao enviar um resumo de 1.000 páginas aos integrantes da Corte.

Close