Escrito por 09:26 Maringá

Manifestações homenageiam bailarina morta r pedem o fim da violência contra mulheres são realizadas em Maringá

Compartilhe

Sete dias depois da morte da bailarina Maria Glória Poltronieri Borges, que foi assassinada na área rural de Mandaguari, manifestações pedindo o fim da violência contra mulheres são realizadas em Maringá, no norte do Paraná, e em Curitiba, neste sábado (1°). Informações G1 e RPC.

O corpo de Maria Glória, que tinha 25 anos, foi encontrado no domingo (26) perto de uma cachoeira, com sinais de violência sexual, de acordo com a Polícia Civil. Além de ser bailarina, ela era estudante universitária e professora de capoeira.

Conforme apurado pela RPC com o delegado que investiga o caso, a bailarina foi estrangulada e tentou se defender antes de ser morta. O corpo foi encontrado cerca de dez horas depois do homicídio.

Família acredita que bailarina lutou antes de ser morta: ‘Era professora de capoeira e de balé, era uma mulher forte’, diz primo
A irmã de Maria Glória foi quem encontrou o corpo em uma trilha. A família contou que bailarina ia até essa cachoeira com frequência e, que no sábado (25), decidiu acampar em uma chácara para rezar e se conectar com a natureza.

‘A força quem me dá é ela’, diz irmã de bailarina encontrada morta em cachoeira, no Paraná

Manifestação
Em Maringá, centenas de pessoas, entre elas familiares e amigos de Maria Glória, se reúnem na praça da prefeitura. A manifestação quer chamar a atenção para número de casos de feminícidio no estado, pedir por mais segurança às mulheres e, dessa forma, evitar novas mortes de mulheres

Manifestação em Maringá reúne dezenas de pessoas — Foto: Alex Magosso/RPC Maringá

O ato na cidade maringaense terá apresentações artísticas e depois o grupo fará uma passeata até Catedral, onde ocorrerá a missa de sétimo dia da bailarina.

Protesto na capital paranaense

Simultaneamente a manifestação em Maringá, em frente ao Teatro Guaíra, em Curitiba, várias pessoas se reúnem para homenagear Maria Glória e também para pedir pelo fim do feminicídio.

Os participantes fazem discursos de combate à violência de gênero. Durante uma intervenção artística distribuíram sementes de girassóis, a flor era uma das preferidas da bailarina maringaense.

Manifestantes se reúnem em frente ao Teatro Guaíra, em Curitiba — Foto: Maurício Freire/RPC Curitiba
Manifestantes se reúnem em frente ao Teatro Guaíra, em Curitiba — Foto: Maurício Freire/RPC Curitiba

Foto: Alex Magoso/RPC Maringá

Close