Escrito por 20:30 Foz do Iguaçu

Mais de 120 aves resgatadas chegaram ao Parque das Aves no primeiro semestre de 2019

Compartilhe

 

Maioria são de posse ilegal, tráfico e contrabando. Animais são vítimas de maus-tratos e chegam debilitados

Só no primeiro semestre de 2019 chegaram ao Parque das Aves 123 aves resgatadas. A
maioria dos animais vieram através da Polícia Ambiental, Polícia Federal e Órgãos
Ambientais de Meio Ambiente, chegando ao parque muitas vezes com a saúde debilitada.
Essas aves geralmente são resgatadas de ambientes de maus-tratos e/ou de posse ilegal.

Para os próximos meses estão previstos chegarem mais 128 aves de vários órgãos
ambientais e zoológicos, todas inicialmente recolhidas em situação de resgate. Das mais de
1.500 aves de cerca de 150 espécies que existem no Parque das Aves, mais de 50% são
provindas de situação de tráfico de animais e maus-tratos.

Para a diretora técnica do Parque das Aves, Paloma Bosso, essa triste realidade reflete o
hábito de adquirir ilegalmente animais silvestres como bichos de estimação, o que financia o tráfico de animais. “As aves recebidas de situações de apreensão chegam ao Parque,
muitas vezes, em péssimas condições, com feridas pelo corpo, asas cortadas e membros
em geral parcialmente amputados, que os deixa sem condição de voo, bicos quebrados e,
algumas vezes, cegos”, afirma.

Segundo Paloma, essa é uma das principais ameaças à biodiversidade da Mata Atlântica e
que pode provocar a extinção de diversas espécies. Dados da Rede Nacional de Combate
ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas) indicam que de cada 10 animais traficados, 9
morrem antes de chegar ao destino final.

O tráfico de animais silvestres ameaça a sobrevivência dos ecossistemas, pois cada
espécie tem uma função específica na natureza e, quando retiradas de seu ambiente
natural, provavelmente nenhuma outra é capaz de desempenhar aquele papel. “O comércio ilegal ocasiona um desequilíbrio ecológico, além do sofrimento aos animais”, diz Paloma.

Após serem resgatadas, as aves ganham um lar e melhores condições para que possam se
recuperar dos ferimentos sofridos, com alimentação e ambiente adequados, proporcionando uma vida na qual possam desempenhar comportamentos e aspectos sociais mais próxima possível do natural.

No topo do ranking

Considerada a terceira maior atividade ilícita no mundo, depois do comércio ilegal de armas e drogas, o tráfico de animais silvestres movimenta entre 10 e 20 bilhões de dólares por ano no mundo, segundo dados da ONG Renctas.

O Brasil ocupa um lugar de destaque em relação ao tráfico de animais silvestres,
responsável por 15% dessa prática, segundo a Renctas. São cerca de 38 milhões de
animais silvestres retirados da natureza todos os anos, movimentando mais de 900 milhões de dólares por ano. E, segundo dados do Ibama, 82% dos animais traficados são aves.

Dentre as ordens de aves, as mais traficadas são os passeriformes (canários, cardeais,
curiós, azulões, bicudos) seguidos pelos psitacídeos (araras, papagaios e periquitos).
Segundo levantamento de Fábio José Viana Costa, os Passeriformes representaram 45,2%
das espécies traficadas, enquanto os Psitaciformes, 16,6%.

Dentro dos psitacídeos destaca-se em números o papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva)
como uma espécie altamente capturada na natureza para abastecer o comércio ilegal de
animais. Embora oficialmente ainda não esteja ameaçada de extinção, a espécie caminha
para esse rumo.

Apenas no estado do Mato Grosso do Sul já foram apreendidos pela fiscalização cerca de
10 mil filhotes (dados do CRAS/IMASUL) desde 1988, mas estima-se que o número seja
muito maior. Justamente por isso o Parque das Aves apoia o Projeto Papagaio-verdadeiro,
que trabalha com pesquisa e conservação da ave.

“Nossas iniciativas sempre são em favor de conscientizar as pessoas sobre as aves
silvestres e a Mata Atlântica. Ameaças, como a perda de cobertura vegetal e o tráfico de
animais devem ser priorizados nas ações de fiscalização para serem combatidos”, destaca
Paloma, que entende a necessidade de estratégias eficientes e urgentes para que as
futuras gerações possam vivenciar um ambiente mais harmônico onde estas espécies ainda
vivam.

Para diversas espécies ameaçadas de extinção a caça é a segunda principal ameaça à
fauna brasileira, ficando atrás apenas da perda de habitat.

O cuidado com as aves resgatadas
Ao tratar de um tema tão sério no Brasil, que é o tráfico de animais silvestres e que devia
preocupar cada vez mais a sociedade, o Parque das Aves possui projetos para prevenir a
extinção e contribuir para a recuperação de espécies, unindo forças a outras iniciativas, com o governo, e com indivíduos excepcionais para apoiar ou possibilitar ação nos locais onde a espécie vive.

“O trabalho do Parque das Aves envolve pesquisa científica, com ações que visam
identificar a situação da espécie em ambiente natural”, explica Paloma. “Como por exemplo o monitoramento de ninhos na região da Bacia do Rio Paraná onde a espécie sofre com a intensa e constante captura ilegal de filhotes, representado pelo saqueamento de cerca de 85% dos ninhos neste local”, finaliza.

Close