por 17:48 Sem categoria

JUSTIÇA FEDERAL TEM 200 NOVAS AUDIÊNCIAS DE CONCILIAÇÃO DO SFH A PARTIR DE 1º JUNHO‏

A Vara Federal do Sistema Financeiro da Habitação em Curitiba realiza entre os dias 1º e 5 de junho mais um mutirão de 200 audiências de conciliação que podem resultar acordos judiciais entre mutuários do SFH e os agentes financeiros. “Os mutirões visam resolver definitivamente o problema das partes (mutuários e bancos) e na maioria das audiências, os mutuários mostram interesse em resolver os processos pendentes”, disse a juíza Anne Karina Amador Costa – titular da vara. Veja matéria na íntegra aqui.

por 17:39 Sem categoria

JUSTIÇA FEDERAL TEM 200 NOVAS AUDIÊNCIAS DE CONCILIAÇÃO DO SFH A PARTIR DE 1º JUNHO‏

JUSTIÇA FEDERAL TEM 200 NOVAS AUDIÊNCIAS DE CONCILIAÇÃO DO SFH A PARTIR DE 1º JUNHO‏

A Vara Federal do Sistema Financeiro da Habitação em Curitiba realiza entre os dias 1º e 5 de junho mais um mutirão de 200 audiências de conciliação que podem resultar acordos judiciais entre mutuários do SFH e os agentes financeiros. “Os mutirões visam resolver definitivamente o problema das partes (mutuários e bancos) e na maioria das audiências, os mutuários mostram interesse em resolver os processos pendentes”, disse a juíza Anne Karina Amador Costa – titular da vara.

Em funcionamento desde dezembro de 2006, a vara federal do SFH em Curitiba realizou dois mutirões em 2009 em março e abril. Das 372 audiências, 77 acordos foram fechados, 89 processos suspensos e 67 redesignados. “Quando não há o acordo, há um aspecto positivo na audiência que é o de colocar às partes a situação do processo: a fase em que se encontra e a expectativa que as partes, principalmente o mutuário, podem ter em relação ao processo”, disse Anne Karina.

RECÁLCULO – O presidente da ANM-PR (Associação Nacional dos Mutuários do Paraná), Luiz Alberto Copetti, também considera positivo o resultado das audiências. “As dívidas são recalculadas nas próprias audiências. E os resultados são positivos aos mutuários quando se reduz a dívida em relação a prazos, juros, valor das prestações e do saldo devedor”, disse Copetti.

“Mesmo em tempos de crise, os acordos não podem ser considerados poucos. No último mutirão de abril, das 28 audiências dos sócios da ANM, 20% delas fecharam acordos, 30% dos processos foram suspensos e o restante redesignado. Já em março, os acordos chegaram a 40% das 19 audiências dos sócios da ANM”, adianta Copetti.

MUTUÁRIO – Napoleão Cortes Neto, mutuário-sócio da ANM-PR, destaca a importância da informação detalhada levada ao mutuário e o acordo que fez no último mutirão de abril. “Eu tinha amortização negativa. Ia pagar três casas por uma. Fui muito importante ser sócio da ANM porque a associação brecou as prestações à pagar e além de diminuir a prestação, eu consegui um prazo maior para pagar a dívida. Agora na audiência, depois de tudo recalculado, tenho condições de quitar a dívida e registrar a minha casa”, disse Cortes Neto.

No seu acordo, Cortes Neto disse que refinanciou a dívida em seis anos, numa prestação em que o valor vai decrescendo ano a ano. “Em cinco anos, não tenho mais dívida alguma, ao passo que sem a interferência direta da ANM, ia levar mais 19 anos para pagar a casa. Para mim, foi muito útil ter entrado na associação”.

A Vara Federal do Sistema Financeiro da Habitação fica na Avenida Anita Garibaldi, 888 – 7º andar – Bairro Ahú. Das audiências marcadas para maio, a maioria é de processos movidos pela Cohab de Curitiba, Banco Itaú-Banestado e Emgea – empresa gestora dos ativos da Caixa Econômica Federal.

Fechar