0 Shares 356 Views

Israel apoia vigilância argentina na tríplice fronteira

29 de julho de 2019
356 Views

 

Com a justificativa de controlar o contrabando de drogas e mercadorias provenientes de território paraguaio, quatro canhoneiras israelitas Shalgag MKII e consultores desse país estão desde domingo em Posadas, Argentina, capital da província de Misiones que configura a chamada tríplice fronteira com o Brasil e o Paraguai, e passarão a controlar quase mil quilômetros nas águas dos rios Paraguai e Paraná. As informações são de La Jornada.

Como acrescenta o La Jornada, nestes últimos dois anos, desde março de 2016, começaram a ser assinados acordos militares e de segurança entre o governo do presidente argentino Mauricio Macri e os EUA e Israel, bem como a efetuar-se a compra de equipamentos e armas e o estabelecimento de bases militares, tanto no extremo sul do país como nas zonas fronteiriças do noroeste e nordeste. O governo autorizou também a presença de tropas norte-americanas do Comando Sul, sem consulta prévia ao Congresso argentino.

De fato, em Missiones já se encontra também uma “força-tarefa” da agência anti-drogas dos EUA, acordo assinado em 2017 nos EUA pela ministra da Segurança Patricia Bullrich, que também comprou estas lanchas pagando um preço mais elevado do que teria custado em outros países.

Enquanto se inicia a construção de uma base militar financiada pelo Comando Sul na província de Neuquén, avançou-se desde 2017, segundo também este jornal, na instalação de pelo menos duas bases militares em Tierra del Fuego, a chamada ilha do fim do mundo, uma supostamente para monitorar explosões nucleares na cidade de Tolhuin e em Usuhaia o Centro de informações regional, acordo assinado entre Bullrich e a governadora de Tierra del Fuego em 31 de Outubro de 2017 ao qual chamam os alicerces de uma base dos EUA, e outra “logística” anunciada este ano pelo ministro da Defesa, Oscar Aguad.

Os lanchas de artilharia e o esquema de segurança fronteiriça terão o seu centro operacional em Posadas e agora estão no porto da Prefeitura Naval Argentina, conforme anunciado pelo jornal El Territorio da Provincia de Misiones. A jurisdição a cobrir é de mil quilômetros e vai de Clorinda (Formosa) a Puerto Iguazú. Percorrerão quatro províncias, incluindo Corrientes e Chaco, que fazem fronteira com o país de onde entra a maior quantidade de marijuana na Argentina. “No total, são quatro embarcações”, disse este jornal.

O esquema de militarização estrangeira na Argentina é o mais importante que é conhecido na história do país e foi realizado sob o governo de Macri sem qualquer autorização do Congresso.

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.