por 15:14 Ademar Traiano, Destaques, Saúde

Hospitais entregam a Traiano ‘carta a população’ alertando para o colapso do sistema de saúde

“Os hospitais signatários não estão conseguindo mais absorver pacientes pela demanda de leitos, em especial, aqueles com indicação de UTI”. O alerta dramático faz parte de uma carta aberta assinada pelos diretores técnicos de 28 maiores hospitais de Curitiba entregue hoje ao deputado Ademar Traiano, presidente da Assembleia, pelo doutor Luiz Sallim Emed, diretor Técnico do Hospital Nossa Senhora das Graças. A iniciativa é uma espécie de grito de alerta para a gravidade da situação do setor de saúde e uma tentativa de mobilizar a adesão da população e autoridades a adotar as medidas preventivas. A correspondência também será entregue ao secretário estadual de Saúde, Beto Preto, ao governador Carlos Massa Ratinho Junior e aos prefeitos da Região Metropolitana.

Sallim Emed enfatizou que o documento representa a posição de 8 a 10 mil médicos do corpo clínico desses 28 hospitais e seu alerta sobre a gravidade da situação vivida no Paraná, deve ser levado muito à sério pela população e pelas autoridades. O médico destacou e agradeceu o papel exemplar desempenhado pela Assembleia no curso da pandemia, disponibilizando recursos próprios para a compra de vacinas, compra de EPIs, e instalação de leitos de enfermarias e UTIs. Além da prontidão mostrada pelo Parlamento para se manter em atividade, até mesmo no período de recesso, para dar agilidade as ações do governo no combate a pandemia. Traiano respondeu que a Assembleia, “como sempre fez ao longo dessa crise – que agora está em seu pior momento – continuará pronta a dar sua contribuição para ajudar a conter a pandemia, além de viabilizar todas as ações do governo no combate a doença”.

O médico Salim Emed destaca que atingimos outro patamar na emergência sanitária provocada pela pandemia com a demanda crescente de pacientes contaminados e de doentes que buscam atendimento médico nos ambulatórios e unidades de saúde que atingiram sua capacidade máxima de atendimento. O documento enfatiza que: “Alertamos os nossos clientes/usuários que o momento da Pandemia Covid-19 é dramático, trata-se de um inimigo invisível e devastador, que não distingue escolaridade, raça, credo, ou poder aquisitivo. O total de casos ativos e de óbitos é o maior desde o início da pandemia. Com as novas cepas mais transmissíveis, temos maior número de pessoas doentes, como o vírus não circula sozinho ele precisa de contato entre as pessoas para disseminar a doença, por consequência, exigindo mais leitos e infraestrutura de atendimento”.

Alerta ainda que a capacidade hospitalar está comprometida e que ninguém deve subestimar a gravidade da crise: “Para atender a crescente demanda, leitos foram ampliados nos hospitais públicos e privados de Curitiba e Região Metropolitana, e todos estão já ocupados inclusive estamos com pacientes críticos em unidades de emergência aguardando vagas nas Unidades de Terapia Intensivas. Neste momento, estamos extremamente limitados para novas ampliações, ou por falta de infraestrutura (espaço físico, equipamentos) ou ausência de equipes para operacionalizar outros espaços. Nossas equipes têm atuado de forma dedicada e competente para manter o atendimento aos que necessitam, mas a sobrecarga de trabalho e a duração desta pandemia tem abatido a energia de todos, no entanto, continuamos atuando por responsabilidade profissional, solidariedade e heroísmo”.

E conclui: “Os diretores Técnicos dos hospitais, cientes da sua responsabilidade de garantir a segurança da assistência e zelar pela boa pratica médica de suas equipes vem a público demonstrar a sua preocupação quanto ao esgotamento absoluto dos recursos para manter o atendimento dentro dos padrões exigidos, mesmo em nossa cidade que tem um sistema de saúde muito bem organizado e reconhecido nacionalmente”.

“Estamos passando pelo momento mais crítico da Pandemia desde o seu início, enquanto aguardamos maior número de vacinas, entendemos que foi indispensável determinar o lockdown, atitude mais dura e impopular, no entanto, acertada para interromper o avanço descontrolado do contágio do Covid-19 e evitar o colapso do sistema de saúde da capital”.

“Tal atitude garante o distanciamento social obrigatório e a redução da transmissibilidade do vírus, caso contrário, não haverá leitos em quantidade suficiente para atender a população. Em respeito aos princípios da Bioética e da boa prática médica ressaltamos que o único propósito desta comunicação é o de alertar para a gravidade da situação e solicitar que nos ajudem na missão de preservar vidas”.

Alertamos os nossos clientes/usuários que o momento da Pandemia Covid-19 é dramático, trata-se de um inimigo invisível e devastador, que não distingue escolaridade, raça, credo, ou poder aquisitivo. O total de casos ativos e de óbitos é o maior desde o início da pandemia. Com as novas cepas mais transmissíveis, temos maior número de pessoas doentes, como o vírus não circula sozinho ele precisa de contato entre as pessoas para disseminar a doença, por consequência, exigindo mais leitos e infraestrutura de atendimento.

Para atender a crescente demanda, leitos foram ampliados nos hospitais públicos e privados de Curitiba e Região Metropolitana, e todos estão já ocupados inclusive estamos com pacientes críticos em unidades de emergência aguardando vagas nas Unidades de Terapia Intensivas.

Neste momento, estamos extremamente limitados para novas ampliações, ou por falta de infraestrutura (espaço físico, equipamentos) ou ausência de equipes para operacionalizar outros espaços. Nossas equipes têm atuado de forma dedicada e competente para manter o atendimento aos que necessitam, mas a sobrecarga de trabalho e a duração desta pandemia tem abatido a energia de todos, no entanto, continuamos atuando por responsabilidade profissional, solidariedade e heroísmo.

Os diretores Técnicos dos hospitais, cientes da sua responsabilidade de garantir a segurança da assistência e zelar pela boa pratica médica de suas equipes vem a público demonstrar a sua preocupação quanto ao esgotamento absoluto dos recursos para manter o atendimento dentro dos padrões exigidos, mesmo em nossa cidade que tem um sistema de saúde muito bem organizado e reconhecido nacionalmente.

Estamos passando pelo momento mais crítico da Pandemia desde o seu início, enquanto aguardamos maior número de vacinas, entendemos que foi indispensável determinar o lockdown, atitude mais dura e impopular, no entanto, acertada para interromper o avanço descontrolado do contágio do Covid-19 e evitar o colapso do sistema de saúde da capital.

Tal atitude garante o distanciamento social obrigatório e a redução da transmissibilidade do vírus, caso contrário, não haverá leitos em quantidade suficiente para atender a população.

Em respeito aos princípios da Bioética e da boa prática médica ressaltamos que o único propósito desta comunicação é o de alertar para a gravidade da situação e solicitar que nos ajudem na missão de preservar vidas”.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com