0 Shares 318 Views

Gleisi defende Cardozo

19 de fevereiro de 2015
318 Views

Gleisi defende Cardozo

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) defendeu o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no episódio das audiências com os advogados de envolvidos na Operação Lava Jato. “É obrigatório isso, isso é da função dele. Portanto, não houve nenhum problema ele ter recebido os dois advogados da Odebrecht, empresa que está sendo investigada na Operação Lava Jato, para tratar desse tema, porque esses advogados queriam fazer uma reclamação sobre o que achavam que eram irregularidades na operação”, disse Gleisi que já teve seu nome listado entre os políticos que receberam dinheiro das empreiteiras envolvido no escândalo conhecido como petrolão. Mais de R$ 4,7 milhões irrigaram a campanha da petista em 2010. Com informações do Estadão.

Gleisi enfatizou que o ministro não negou ter recebido os advogados e alegou que, como todo o processo da Lava Jato não é público, os encontros não precisavam ser divulgados. “Obviamente, se o principal corre em segredo, qualquer situação sobre esse processo também não se pode fazer pública. Portanto, está correto também o ministro”, afirmou em discurso.

No mesmo pronunciamento, a petista disse que se havia espaços em branco em sua agenda é porque houve problemas e que ela será restituída. “Eu fui ministra. Nós somos obrigados a registrar a agenda. Muitas vezes, a agenda não fica registrada no dia. Você muda muito a agenda, principalmente, porque a Presidenta chama, há reuniões mais emergenciais, tem que fazer mudança, o sistema cai, mas você é obrigado a arrumar, porque tanto a Comissão de Ética pede a sua agenda temporariamente, como qualquer outra autoridade vai requisitar”, justificou.

A senadora classificou como “leviandade” as críticas ao ex-colega de Ministério por ele fazer algo que “tinha a obrigação de fazer”. Ela disse que Cardozo irá ao Congresso “de livre e espontânea vontade” prestar os devidos esclarecimentos.

A petista criticou também o ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, que atacou publicamente os encontros de Cardozo com advogados da Lava Jato. “Mas é no mínimo inusitado que, do meio da Sapucaí, pulando carnaval, o ministro Joaquim Barbosa, que nunca recebia advogados quando estava na Presidência do Supremo, cumprindo sua função como ministro, portanto, com uma conduta absolutamente autoritária no que diz respeito à sua função, critique o ministro da Justiça ou venha pedir a sua demissão. Acho no mínimo inusitado um comportamento como esse”, alfinetou.

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.