Geração recorde de empregos e crescimento em todos os setores colocam retomada econômica do Paraná como referência para o Brasil

Por Hussein Bakri

Nos últimos 20 meses, o Paraná enfrentou a pandemia de maneira exemplar, com destaque principal para duas áreas. Na saúde, foram aplicados quase R$ 2 bilhões e ativados em torno de 5 mil leitos hospitalares exclusivos para o atendimento da Covid-19. Já na educação, o modelo de aulas remotas para 1 milhão de alunos tornou-se referência no país, sendo, inclusive, replicado em outros estados.
Agora, com a massiva vacinação dos paranaenses e a redução expressiva do número de casos da doença, a atenção se volta para a retomada econômica. E tudo o que foi feito pelo Governo Ratinho Junior nesse período vem culminando em resultados expressivos no campo das finanças, mais uma vez se sobressaindo em comparação com o resto do Brasil.
Os dados mais evidentes da recuperação da economia paranaense estão expressos no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência. Desde 2004, os números da geração de emprego no Paraná não eram tão bons. Entre janeiro e setembro deste ano, foram abertas 168 mil vagas de emprego com carteira assinada. Para se ter uma ideia, novembro começa com mais de 11 mil postos de trabalho em aberto nas Agências do Trabalhador de todo o Estado.
Da mesma forma, a indústria local cresceu 17,9% no primeiro semestre deste ano, superando a média nacional de 14,5%. Entre janeiro e julho, o crescimento no setor de serviços foi de 6,8%, enquanto o turismo – que já vive uma intensa retomada – subiu 7,7%.
Para que tudo isso seja possível, o Governo vem trabalhando fortemente para facilitar a vida de quem quer empreender. Em agosto, por exemplo, o Paraná foi a quarto Estado mais ágil do Brasil na abertura de empresas, com 1 dia e 14 horas contra 2 dias e 22 horas da média nacional. Isso ajudou para que, entre janeiro e setembro, fossem abertas 211.486 novas empresas no Estado.
Além disso, recentemente tornou-se lei o programa Descomplica para simplificar a vida dos empreendedores por meio de três frentes: liberação do CNPJ e das autorizações para empresas de baixo risco em menos de 24 horas; soluções para fechamento de empresas; e instalação de um comitê permanente de desburocratização com a participação da sociedade civil. Não à toa, relatório do Banco Mundial divulgado em junho posicionou o Paraná entre os quatro estados com melhores condições para fazer negócios no Brasil, com destaque justamente para a rapidez e a facilidade no registro de empresas.
Outro sinal da retomada consistente da economia paranaense é o retorno do Voe Paraná, maior programa de aviação regional do Brasil e que havia sido interrompido na pandemia. Em parceria com a Azul, 15 cidades do interior receberão voos da companhia entre o final deste ano e o início de 2022, num grande impulso para o desenvolvimento regional, para a atração de novos negócios e para a geração de emprego e renda.
Em paralelo, continuam sendo tomadas várias medidas em favor dos mais vulneráveis e dos setores mais afetados pela pandemia. Ação emergencial no auge da pandemia, o Cartão Comida Boa agora é uma política de Estado. Sob o nome Programa Estadual de Transferência de Renda, o programa prevê a transferência de R$ 80 mensais, por residência, para famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, sobretudo as que não são atendidas pelo Bolsa Família.
Já tendo beneficiado mais de 33 mil empresas com R$ 18 milhões desde julho, o auxílio emergencial está sendo ampliado para 25 mil microempresas e microempreendedores individuais das áreas da cultura e do turismo, que terão acesso a um socorro de R$ 13 milhões. E, para aqueles que buscam microcrédito, a Fomento Paraná oferece taxas de juros reduzidas: 0,45% ao mês no Banco da Mulher e 0,60% no Banco do Empreendedor.
É o Governo Ratinho Junior e os paranaenses dando exemplo para o Brasil e mostrando sua força na economia!

Hussein Bakri é Deputado Estadual e Líder do Governo Ratinho Junior na Assembleia Legislativa do Paraná.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Senado aprova financiamento para o Ligeirão Leste-Oeste

O Senado Federal aprovou nesta terça-feira (30/11), em regime de urgência, o Projeto de Resolução 67/2021, oriundo da Mensagem (SF) n° 72, de 2021, de autoria da presidência da República, que autoriza Curitiba a contratar o financiamento de US$ 75 milhões junto ao New Development Bank (NDB), com garantia da União, para o Projeto de Aumento da Capacidade e Velocidade do BRT no eixo Leste-Oeste e Sul.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, incluiu o empréstimo para Curitiba como item extrapauta, em sessão na qual foi deliberada a indicação de autoridades sabatinadas pelas comissões do Senado e da Proposta de Emenda à Constituição n° 23, de 2021. Pacheco registrou que se comprometeu em colocar como prioridade a votação do financiamento à capital paranaense em encontro com o prefeito Rafael Greca, nesta segunda-feira (29/11).

“Me comprometi, juntamente com o senador Oriovisto Guimarães, de votarmos esse empréstimo importante que significará recursos para a mobilidade sustentável do município de Curitiba, que é uma referência em mobilidade urbana, sobretudo no eixo leste-oeste da cidade”, disse o presidente do Senado Federal.

Em Curitiba, o presidente do Senado foi condecorado com a Ordem da Luz dos Pinhais e participou de reuniões com o governador do estado, Ratinho Junior,  e o empresariado paranaense.

“Gostaria de cumprimentar o prefeito pelo trabalho desenvolvido à frente da Prefeitura de Curitiba. Um trabalho exemplar, um homem dedicado, muito sensível, capacitado e que faz a boa política em todos os postos que assumiu, como deputado, ministro de estado e prefeito”, completou Rodrigo Pacheco.

A urgência pela aprovação do financiamento atendeu a requerimento do senador do Paraná Oriovisto Guimarães, relator do projeto na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE). “Em nome de Curitiba, do prefeito Rafael Greca e do Estado do Paraná agradeço a inclusão na pauta e a aprovação desse projeto relatado por mim, na Comissão de Assuntos Econômicos. Curitiba tem um transporte privilegiado e esse recurso vai reforçar e melhorar ainda mais esse modelo que é referência até para fora do país”, reforçou o senador paranaense.

Em seu relatório na CAE, Oriovisto destacou que Curitiba atende os requisitos para a tomada do empréstimo e as boas condições do financiamento.

“O pleito encaminhado pelo município encontra-se de acordo com o que preceitua a Lei de Responsabilidade Fiscal e as resoluções do Senado Federal para a matéria, devendo ser concedida a autorização para a contratação da operação de crédito externo nos termos do Projeto de Resolução do Senado”, pontuou o senador Oriovisto Guimarães.

O prefeito Rafael Greca exaltou o empenho do senador em favor do projeto curitibano que tem inserção metropolitana.

“O senador Oriovisto Guimarães é um grande aliado da causa do municipalismo e um grande defensor de Curitiba. A aprovação do empréstimo para o corredor Leste-Oeste, entre Pinhais e a CIC, próximo da divisa com Araucária, representa o um avanço urbanístico e de mobilidade para a Grande Curitiba.  Sou muito grato ao Senador Rodrigo Pacheco, que colocou o assunto em pauta no Senado Federal”, afirmou Greca.

Com a aprovação, a Prefeitura de Curitiba deverá formalizar o contrato de financiamento com o New Development Bank (NDB) ainda em dezembro, com data a ser definida.

Investimentos

Estão previstos investimentos de US$ 93,75 milhões, somados o aporte do NDB mais US$ 18,75 milhões de contrapartida municipal. O programa será executado ao longo de cinco anos.

Ao relatar o projeto na CAE, o senador Oriovisto ressaltou ainda que a taxa de juros da operação de crédito de Curitiba com o NDB é favorável ao município. “A taxa de juros deste empréstimo é de 2,35% ao ano, enquanto que as emissões da União pagam 4,30% ao ano. Portanto, é uma taxa muito boa e inferior às que a União pratica”, observou o parlamentar.

Evolução do transporte

O Projeto de Aumento da Capacidade e Velocidade do BRT (Ligeirão) Leste-Oeste e Sul representa a evolução do transporte de Curitiba no corredor entre Pinhais e o Terminal CIC-Norte com a operação de ônibus elétricos de alta capacidade.

Além do ganho ambiental para a cidade, o Ligeirão Leste-Oeste será a alavanca da mudança da matriz energética do transporte nos eixos estruturais. Curitiba tem seis corredores de transporte com pistas exclusivas: Norte, Sul, Leste, Oeste, Boqueirão e Linha Verde.

Entre as obras previstas estão a reforma e ampliação pontos de parada existentes, além da reestruturação viária de aproximadamente 22,5 km de canaletas exclusivas e de 7,5 km de vias complementares ao sistema de transporte. Nesse itinerário serão implantados 44,8 Km de ciclofaixas e 66 paraciclos.

Com a implantação da estrutura de ultrapassagem entre as linhas, a operação do eixo será dividida em linhas “paradoras”, que farão paradas em 34 estações e cinco terminais ao longo do eixo. O projeto prevê ainda obras complementares ao sistema de transporte, como a restruturação viária de 7 km no binário das Olga Balster e Nivaldo Braga e do entorno do Terminal Capão da Imbuia.

Também para o Corredor Leste-Oeste, estão previstas a implantação de três estações de transporte, a reforma do Terminal de Integração Centenário e Vila Oficinas e a reconstrução dos terminais Capão da Imbuia e Campina do Siqueira. A reforma dos terminais contempla a geração de energia elétrica por painéis fotovoltaicos, permitindo a eficiência e a autossustentabilidade energética.

O Ligeirão Leste-Oeste deverá reduzir em até 23 minutos o tempo de deslocamento dos usuários naquele eixo. Entre os benefícios para o transporte público e ao meio ambiente estão o aumento da velocidade média operacional em 35%; o aumento do número de passageiros em dias úteis em 5% e a redução das emissões de CO2 em 14%, com a operação de ônibus elétricos na Linha Direta.

As obras já em curso para a finalização do Ligeirão Sul, desde a Praça do Japão ao Pinheirinho, feitas com recursos do tesouro municipal, já incluem a contrapartida da Prefeitura ao financiamento do NDB para o corredor Leste-Oeste.

Maiores cidades do PR antecipam 13º

As prefeituras de Foz do Iguaçu, Curitiba, Cascavel, Ponta Grossa e Maringá também anteciparam o pagamento do 13º salário. Em Foz do Iguaçu, até 28 dezembro serão pagos R$ 90,5 milhões, em valores brutos, referentes às folhas de novembro e dezembro, retroativos de progressões e promoções, o 13º salário e o terço de férias dos professores e demais servidores que têm esse direito.