por 09:57 Sem categoria

Gasto com publicidade será maior que em posto de saúde

Curitiba
Gasto com publicidade será maior que em posto de saúde

Investimento da prefeitura em propaganda vai ser de R$ 8,8 milhões neste ano, contra R$ 8,6 milhões destinados à construção de unidades médicas para o atendimento da população curitibana

Rhodrigo Deda

A prefeitura de Curitiba deve investir mais em propaganda neste ano do que em obras na área de saúde. Segundo informações da Secretaria de Comunicação, a previsão de gastos com publicidade institucional para 2008 é de R$ 8,8 milhões. Já as despesas da prefeitura com a construção de postos de saúde e compra de materiais para equipar essas unidades, de acordo com a Secretaria de Saúde, deve ser de R$ 8,6 milhões.

O orçamento total da prefeitura para publicidade inclui, além da propaganda institucional, gastos com publicação de editais das diversas secretarias, conforme determina a legislação, além das campanhas de utilidade pública (como as de vacinação, por exemplo). Somando todos esses gastos, a prefeitura vai gastar R$ 24,6 milhões em comunicação neste ano.

Já na área de saúde, além dos investimentos na construção de postos de saúde e compra de materiais, a prefeitura gastará muito mais com o custeio do sistema. O investimento total na área chegará a R$ 303 milhões neste ano – o que inclui o pagamento de serviços prestados e os salários dos servidores da saúde.

O secretário de Finanças da prefeitura, Luiz Eduardo Sebastiani, explica que os investimentos em obras de saúde se referem a uma pequena parcela das despesas da área. Segundo ele, o principal gasto em saúde ocorre na manutenção dos serviços. “O valor usado para a construção de um posto de saúde, por exemplo, tem o mesmo custo para manter três meses da prestação de serviço.”

A prefeitura informou ainda que, para a expansão dos serviços de saúde em Curitiba, nos últimos quatro anos o município contou com recursos do governo do estado, o que levou à administração municipal a alocar menos recursos na área. Segundo o órgão, a verba da prefeitura e do governo do estado para obras na área de saúde totalizam R$ 50 milhões no período.

Já com relação à publicidade, Sebastiani avalia que o volume de recursos aplicados está em boa medida, pelo impacto social que tem causado. “É uma estratégia de aproximação das políticas públicas com a população.”

Segundo a Secretaria da Comunicação, o montante disponibilizado para divulgação dos atos da prefeitura não teve grande alteração neste ano, quando comparado a 2007. No ano passado, foram destinados R$ 8,4 milhões para a área.

O valor gasto com exclusivamente com propaganda institucional também é próximo do que a administração municipal irá gastar de seu próprio caixa para a construção de casas populares neste ano: R$ 13,6 milhões. Segundo Sebastiani, a prefeitura está fazendo também empréstimos de R$ 23,5 milhões para o setor e espera conseguir mais um financiamento de R$ 22 milhões para investir no setor. Ele afirma também que é preciso levar em conta que prefeitura deverá gastar cerca de R$ 20 milhões em desapropriações para a realização de regularizações fundiárias. Já do governo federal, pelo Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), a administração municipal deverá receber a fundo perdido R$ 80,7 milhões para habitação popular.

Recursos escassos

Na avaliação de Gil Castelo Branco, consultor da organização não-governamental Contas Abertas, como os recursos públicos para investimentos em saúde, educação e segurança são escassos, é recomendável que os municípios reduzam gastos com publicidade ao mínimo indispensável. “Ou seja: à publicidade legal, que se refere à publicação de editais, resultado de concorrências e convocações e de utilidade pública, como campanhas de vacinação, de educação de trânsito, entre outras”, diz Castelo Branco.

O consultor da Contas Abertas, ONG que acompanha os gastos públicos no país, afirma ainda que, embora seja dever do administrador público prestar contas à sociedade, isso deve ser feito em observância ao interesse comum, sem qualquer conotação de promoção pessoal, política ou partidária. Se isso ocorrer, é crime. “Em suma, o administrador público deve ser austero, já dizia o senador romano Marcus Tullius, em 55 antes de Cristo.”

Fechar