por 14:52 Sem categoria

FALTA DO METRÔ PODE TIRAR CURITIBA DA COPA

Do www.gleisi13.can.br

Curitiba pode deixar de ser uma das 12 sedes brasileiras da Copa do Mundo de 2014 caso não consiga viabilizar o metrô nos próximos anos. Uma das questões que constam no caderno de encargos da Fifa é se a cidade-candidata a sede possui metrô e qual o planejamento para transportes urbanos para os próximos anos. A candidata à Prefeitura de Curitiba Gleisi Hoffmann, da coligação Curitiba Para Todos (PT-PSC-PRB-PHS-PMN-PTC) vem alertando para o erro de estratégia da Prefeitura de Curitiba de tentar realizar a licitação para o projeto sem a parceria do governo federal. Confira a íntegra da nota clicando no

LEIA MAIS

por 14:49 Sem categoria

Falta do metrô pode tirar Curitiba da Copa

Falta do metrô pode tirar Curitiba da Copa

Emenda está incluída no Orçamento Federal de 2009, mas licitação da Prefeitura ainda está sub-judice.

Curitiba pode deixar de ser uma das 12 sedes brasileiras da Copa do Mundo de 2014 caso não consiga viabilizar o metrô nos próximos anos. Uma das questões que constam no caderno de encargos da Fifa é se a cidade-candidata a sede possui metrô e qual o planejamento para transportes urbanos para os próximos anos. A candidata à Prefeitura de Curitiba Gleisi Hoffmann, da coligação Curitiba Para Todos (PT-PSC-PRB-PHS-PMN-PTC) vem alertando para o erro de estratégia da Prefeitura de Curitiba de tentar realizar a licitação para o projeto sem a parceria do governo federal.

Atualmente, a licitação para o projeto do metrô está sub-judice. “Todas as cidades brasileiras que conseguiram financiamento para o metrô, estabeleceram parcerias com o governo federal ou estadual”, destaca Gleisi. A candidata lembra, ainda, que Curitiba não tem planejamento para o transporte coletivo urbano, que tem caído de qualidade nos últimos anos.

O deputado federal Ratinho Júnior, do PSC – partido que integra a coligação de Gleisi –, conseguiu garantir no orçamento federal de 2009 uma emenda de R$ 700 milhões destinados ao metrô de Curitiba. O valor corresponde à metade do custo do total da obra. No entanto, Ratinho alerta que se a Prefeitura não conseguir apresentar o projeto para o metrô, o dinheiro não será repassado.

Para a Copa 2014, 18 cidades já apresentaram suas candidaturas e apenas 12 serão escolhidas. Além do metrô, a Prefeitura deverá apresentar um projeto para o tráfego na região do estádio, para o deslocamento das seleções, dos representantes da Fifa e, principalmente, dos turistas estrangeiros. O estádio escolhido para ser a sede em Curitiba é a Arena do Atlético, localizado em uma região com o tráfego problemático.

“O futebol é o esporte nacional, mexe com as pessoas e mobiliza todas as idades. Fazer parte da grande festa da Copa é muito importante! Curitiba merece ser uma das sedes dos jogos de 2014 no Brasil. Uma Copa do Mundo também traz benefícios econômicos para a cidade, na área comercial e também nos investimentos em infra-estrutura, nós só temos a ganhar. Por isso, precisamos unir esforços para sermos uma das cidades-sede”, conclui Gleisi.

Propostas de Gleisi

A primeira linha do metrô – Norte-Sul, que vai do Pinheirinho até o terminal de Santa Cândida, contribuindo para a integração do transporte metropolitano. Nesta linha está a maior circulação de pessoas/dia, 390 mil passageiros. Outras linhas também estão previstas, mas a implantação não acontecerá imediatamente como esta primeira: CIC-Pinheirinho, Centro Cívico-Boqueirão, Campo Comprido-Pinhais, Aeroporto Afonso Pena-Centro e Eixo Metropolitano.

Considerando que as obras do metrô demoram algum tempo para serem concluídas, Gleisi também propõe algumas medidas emergenciais de curto e médio prazo:

– O Bilhete Fácil, que com uma só tarifa, as pessoas podem pegar quantos ônibus precisar em qualquer lugar da cidade por um período de duas horas, sem precisar fazer integração em terminais ou estações tubo.

– Ultrapassagem nos corredores de expresso, com a mudança de posição de algumas estações no trecho Leste-Oeste.

– Licitação do transporte coletivo em Curitiba, que já deveria ter acontecido, mas a atual gestão tem dificuldades em realizar licitações – como acontece com as licitações do projeto de viabilidade do metrô e do aterro sanitário. A licitação deve ser pela menor tarifa e não por custos de planilha.

– Faixas exclusivas para os ligeirinhos. Nas vias mais movimentadas, que possuam mais de duas faixas de circulação, uma delas ficaria exclusiva para os ligeirinhos, que também poderiam ser usadas por taxis com passageiros.

– Rebaixamento de vias em cruzamentos movimentados, para facilitar o escoamento do trânsito, principalmente do transporte coletivo. Priorizaremos rebaixamento para os corredores de ônibus no trecho Norte-Sul – onde já será feito o metrô.

– A Linha Verde voltará a ser o Eixo Metropolitano, ligando o terminal do Alto Maracanã, em Colombo, até o contorno Sul depois do Ceasa, onde será implantado um terminal para beneficiar as pessoas que se deslocam de Fazenda Rio Grande e de Araucária. Neste eixo, poderemos implantar, além do transporte coletivo sobre rodas, outras modalidades, como metrô sobre trilhos.

– Resolver o problema dos trilhos que passam por dentro de Curitiba, cortando a cidade da região Norte à região Leste. Faremos o contorno ferroviário ou rebaixaremos os trilhos.

– Priorizar a bicicleta como meio de transporte e não apenas de lazer, aumentando a rede de ciclovias em 160 km. Hoje temos cerca de 120 km. A rede será integrada com o transporte coletivo e nos bairros, ligada às escolas. Hoje as ciclovias são corredores estreitos e mal feitos.

– Adequar os espaços públicos da cidade à acessibilidade: programa de recuperação de calçadas, adequação dos terminais, escolas, unidades de saúde, transporte coletivo, semáforos e a reestruturação do Sites.

– Retomar as campanhas de educação para o trânsito. As pessoas são mais importantes que os automóveis.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com