Em Brasília, Luizão reúne prefeitos da região metropolitana de Curitiba

Para atender as demandas da Região Metropolitana de Curitiba, o deputado federal Luizão Goulart fez intensa agenda em Brasília, acompanhando prefeitos e prefeitas das cidades que fazem parte do Consórcio Multifinalitário da RMC. O encontro possibilitou visitas em diversos ministérios e secretarias. Fizeram parte da comitiva os prefeitos Gerson Colodeu (Almirante Tamandaré) e Patrick Magari (Cerro Azul); e as prefeitas Marli Paulino (Pinhais), Karime Fayad (Rio Branco do Sul) e Nina Singer (São José dos Pinhais), além de secretários (as) municipais e assessores (as).

Segundo Luizão, as reuniões poderão ampliar os recursos para manutenção e implantação de novos projetos na RMC. “O objetivo é levar às cidades o que realmente elas mais precisam e resolver pequenos empasses das prefeituras, que por ventura estejam parados em Brasília. Nosso mandato é municipalista e está empenhado em auxiliar e garantir que os prefeitos e prefeitas tenham sucesso na efetivação de suas ações e projetos”, explicou. 

Exploração de minérios

As audiências iniciaram na terça-feira, 14, no Ministério de Minas e Energia com o secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, Pedro Paulo Dias, e equipe, para tratar sobre novos modelos de fiscalização, gerenciamento e compensação das empresas exploradoras de minério.  

“É necessário que os municípios, por meio do Consórcio Multifinalitário da Região Metropolitana de Curitiba, tenham maior controle sobre o potencial das atividades de mineração, seus benefícios à população, além do cuidado com a saúde e a degradação do meio ambiente”, ponderou a prefeita de Pinhais, Marli Paulino.  

De acordo com o presidente do Consórcio Metropolitano de Saúde do Estado do Paraná e prefeito de Almirante Tamandaré, Gerson Colodel, também foi debatido a arrecadação dos municípios e as novidades trazidas pelas normativas da Agência Nacional de Mineração – ANM, que permite a realização de termos de cooperação técnica com consórcio. “Com as novas resoluções ficou possível a fiscalização e acompanhamento das atividades de mineração através de consórcios públicos e isso é de suma importância para os municípios que poderão assim aumentar sua arrecadação e ter mais controle sobre a atividade”, afirmou o prefeito. 

Assistência social

Outra agenda importante foi feita junto ao ministro da Cidadania, João Roma. A pauta buscava viabilizar recursos por meio do Consórcio para a área de assistência social. “Desta forma, os municípios poderão oferecer, cada vez mais e melhor, um conjunto de serviços que garantam e efetivem o direito à proteção social para a população em situação de vulnerabilidade e risco, com a manutenção de programas e benefícios que contribuam para o enfrentamento da pobreza e à garantia dos mínimos sociais”, enfatizou Luizão.

Saúde  

Também fizeram parte da pauta a área da Saúde, que, segundo Luizão, é uma das mais importantes devido ao sobrecarregamento do sistema durante a pandemia. O deputado acompanhou a prefeita de Rio Branco do Sul, Karime Fayad, em audiência com o assessor especial do Ministério da Saúde, Leonardo Soares, para tratar sobre a reforma e ampliação do Hospital Municipal da cidade. “As obras incluirão a reabertura da maternidade e do centro cirúrgico para pequenas e médias cirurgias, além da readequação do prédio a todas as normas sanitárias e de acessibilidade exigidas”, disse a prefeita, que aproveitou para agradecer o empenho de Luizão Goulart.

“Luizão é o deputado da cidade. Agradeço muito a ele e sua equipe por todo suporte desde que assumimos o nosso mandato. Tenho certeza que dessa parceria sairão excelentes projetos”, concluiu a prefeita de RBS, Karime Fayad.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pegou mal: vereador desiste de homenagem a Sarney em Pato Branco

Não será desta vez que o ex-presidente José Sarney será homenagem em Pato Branco. Após grande repercussão, o projeto para conceder ao maranhense a “Medalha de Honra ao Mérito Pato-branquense” o foi retirado de pauta a pedido do autor, o vereador Marcos Jr. Marini.

Na justificativa, Marini explicava que, quando Sarney era Presidente da República, foram os que viabilizaram as condições políticas para que fosse instalada uma Unidade de Ensino Descentralizada (UNED) do Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET) para Pato Branco. “Foi uma luta árdua com municípios maiores, mas que se tornou realidade pela capacidade e representatividade política do município naquele momento”, relava o projeto de lei.

Após passar pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Pato Branco, o projeto aguardava a segunda votação em Plenário. Além ao autor Marcos, que é do Podemos, a homenagem a Sarney foi apoiada pelos vereadores Maria Hamera (PV), Joecir Bernardi (PSD), Dirceu Boaretto (Podemos), Eduardo Dala Costa (MDB), Joecir Bernardi (Lindomar Brandão (DEM) e Thania Chaminski (DEM).

219 toneladas de drogas foram apreendidas no Paraná nos primeiros nove meses do ano

Operações integradas, ações ostensivas, de patrulhamento, de investigação e de fiscalização desencadeadas pelas forças de segurança pública do Paraná resultaram na apreensão de 219 toneladas de drogas nos primeiros nove meses de 2021. Este número consta no relatório de apreensão de drogas, da Secretaria estadual da Segurança Pública (Sesp), e aponta um aumento de 5,34% na apreensão de entorpecentes no Estado.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, explica que as forças de segurança têm trabalhado de forma integrada para que haja uma efetiva resposta ao cidadão.

“O serviço prestado pelas forças parte de um planejamento estratégico que se referencia nas estatísticas. Com orientações da Secretaria, os setores de inteligência e investigação das polícias conseguem focalizar nossas operações e efetivo nos pontos exatos onde a criminalidade se concentra, para que assim consigamos melhorar nossos índices de apreensão de drogas e melhorar a segurança do cidadão”, disse.

De acordo com os dados da Secretaria, a maconha é o entorpecente mais apreendido. No período analisado, 215.282 quilos da droga foram interceptados – 11,2 toneladas a mais que no mesmo período em 2020, quando as apreensões somaram 204.045 quilos.

Em apenas cinco cidades da região Oeste do Estado (Foz do Iguaçu, Santa Helena, Guaíra, Toledo e Cascavel), o volume de maconha totalizou 68 toneladas nos primeiros nove meses de 2021. Dentre essas cidades, Toledo se destacou após um caminhão que levava 12,7 toneladas da droga ser abordado durante um única operação conduzida pelo Batalhão de Polícia de Fronteira (Bpfron) na região, em janeiro deste ano.

“Além do trabalho ostensivo e diário dos policiais, muitas das grandes apreensões se deram a partir das operações coordenadas e planejadas pelos setores de inteligência da Polícia Militar. Conseguimos levantar informações sobre os principais pontos focais do tráfico de drogas no Paraná, o que nos possibilita atacar diretamente a raiz do problema e coibir a circulação de drogas”, explicou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Hudson Leôncio Teixeira.

Se comparados os primeiros nove meses de 2021 com o mesmo período de 2020, a apreensão de crack aumentou 32,63%. Em números absolutos, de janeiro a setembro de 2021 foram recolhidos das ruas 1.302,94 quilos da droga, enquanto neste mesmo período em 2020, foram 982,37 quilos.

As cidades em que ocorreram as maiores apreensões, nos nove primeiros meses de 2021, foram Maria Helena, no Noroeste (425 quilos), Curitiba, (177 quilos) e Londrina (160 quilos).

A apreensão de cocaína, entretanto, diminuiu. De janeiro a setembro de 2021 foram 2,9 toneladas e no mesmo período em 2020, 3,3 toneladas. As maiores apreensões aconteceram em Santa Fé (472 quilos), Umuarama (457 quilos) e Paranaguá (300 quilos), no Norte, Noroeste e Litoral do Estado, respectivamente.

SINTÉTICAS – O relatório também mostra uma queda de 46% na apreensão de LSD, com  20.753 unidades da droga nos nove primeiros meses deste ano e 38.519 no período analisado em 2020. A apreensão de ecstasy, porém, foi maior que ano passado. De janeiro a setembro de 2021, foram 59.134 comprimidos, contra 35.198 em 2020.

Uma das operações que contribuiu para o crescimentos da apreensão de ecstasy aconteceu em agosto de 2021. A ação foi coordenada pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) da Polícia Civil e resultou na interceptação de 12,5 mil comprimidos, de uma só vez, em Maringá. De acordo com as informações, a investigação que levou a esse local foi iniciada após a apreensão de 5 mil compridos em um posto dos Correios de Londrina, no mês anterior.

“O serviço investigativo e de inteligência prestado pelos policiais civis nos garantiu sucesso em um grande número de operações de combate ao tráfico de drogas neste ano que, somadas às elucidações de crimes, têm auxiliado na redução da prática de outros crimes relacionados ao tráfico”, explicou o delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Silvio Jacob Rockembach.

CURITIBA – Na Capital, a atuação das polícias resultou no aumento de 4,55% na apreensão total de maconha. De janeiro a setembro deste ano as apreensões totalizaram 4.728,86 quilos, frente a 4.523,12 quilos no ano anterior.

A quantidade de crack nestes mesmos períodos mais que dobrou. Foram recolhidos 177,9 quilos da droga no período analisado deste ano e 67,6 quilos no ano passado. A apreensão de cocaína também cresceu, com 163 quilos em 2021 e 110 quilos de janeiro a setembro de 2020.

Curitiba registrou maior apreensão de LSD no Estado, mesmo apresentando redução nos números absolutos. Nos nove primeiros meses de 2021 foram 4.249 pontos da droga e, no período analisado em 2020, 26.386 unidades. A redução foi um pouco menos expressiva no caso do ecstasy, com 9.405 e 18.598 comprimidos recolhidos no período, em 2021 e 2020, respectivamente.