Written by 11:00 Economia, Investimentos, Meio ambiente, Tecnologia

Em 2019 foram instalados 13.060 sistemas fotovoltaicos no Paraná

Ainda que o subsídio para instalação de painéis solares seja menor no Paraná, o número de novos sistemas fotovoltaicos cresce exponencialmente ano a ano no estado. A quantidade de sistemas instalados em território paranaense saltou de 649 em 2016 para 1.532 em 2017. No ano de 2018 o número de instalações chegou a 4.207 e, em 2019, a 13.060, segundo dados da Companhia Paranaense de Energia (Copel). As informações são de Celio Yano na Gazeta do Povo.

Ou seja, 67,8% dos sistemas fotovoltaicos ligados à rede de distribuição de energia do estado foram instalados apenas no último ano. De acordo com a concessionária, são 165 MW de potência instalada no Paraná.

O empresário Luiz Ernesto Rigoni aderiu à tendência em setembro de 2019 com um investimento de R$ 110 mil em painéis solares para sua empresa de locação de quadras esportivas. Rigoni viu sua conta de luz cair de uma média mensal de R$ 2,5 mil para R$ 408 no mês de novembro.

Para ele, mesmo com a tributação estadual, o investimento vale a pena. “Como eu tinha uma reserva no banco, o desconto na conta de luz compensava mais do que o rendimento que eu teria se deixasse o dinheiro no banco”, diz. “Só não vale a pena se tiver que emprestar dinheiro para executar o projeto.” No caso dele, o retorno do investimento deve ocorrer em menos de quatro anos, segundo seus cálculos.

A empresa de Rigoni consome 80% da energia durante à noite e, portanto, é mais tributado do que microgeradores que a utilizam majoritariamente quando há incidência de luz solar. Ainda assim, o empresário considera justa a cobrança sobre o crédito de energia. “Se a energia que estou usando e jogando no sistema depende da infraestrutura da Copel, e quem não tem geração paga pela manutenção do sistema, é justo que eu também pague.”

Aneel discute cobrança de 60% sobre o crédito de energia
Em nível federal, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) discute autorizar uma cobrança de 60% sobre o crédito de energia. O encargo seria introduzido de forma escalonada, começando em 2020 para novos clientes e em 2031 para os já inseridos na modalidade.

O presidente Jair Bolsonaro se opõe categoricamente à medida e já declarou que “está decidido que não haverá taxação de energia solar”. A decisão, porém, é colegiada e deve ser tomada na próxima terça-feira (21), em reunião da diretoria da Aneel.

(Visited 2 times, 1 visits today)

Close