Written by 17:10 Brasil, Justiça

Direto da cela

Mônica Bergamo  O ex-diretor da Petrobras Renato Duque demonstrava nesta semana que, se chegar a um acordo com o Ministério Público para fazer delação premiada, poderá envolver novos nomes nos depoimentos que prestará à Justiça. Os recados chegaram a dirigentes do PT.  Em série Duque tem dito a interlocutores que têm acesso a ele que poderá citar até mesmo a ex-presidente da Petrobras Graça Foster em depoimentos que eventualmente prestar aos procuradores. Ela é amiga pessoal da presidente Dilma Rousseff.  Ficha limpa O nome de Graça Foster não apareceu até agora em nenhuma das 18 delações nem em documentos coletados pela polícia e pelos procuradores que se tornaram públicos. Foi na gestão dela que os investigados por corrupção foram demitidos ou perderam poder. Na época em que pediu demissão, a ex-presidente foi enfaticamente defendida, entre outros, pela própria Dilma Rousseff.  De passagem A intenção manifestada por Duque, por isso mesmo, é vista como tentativa de retaliação à ex-presidente da Petrobras, que teria bloqueado o esquema de corrupção na estatal. Ainda que ele não aponte nada de concreto contra ela, a simples menção do nome da ex-dirigente cumpriria a função de submetê-la a constrangimento.  Soma Duque também estaria disposto a falar de parlamentares do PT que já foram citados em outras delações.

Mônica Bergamo

O ex-diretor da Petrobras Renato Duque demonstrava nesta semana que, se chegar a um acordo com o Ministério Público para fazer delação premiada, poderá envolver novos nomes nos depoimentos que prestará à Justiça. Os recados chegaram a dirigentes do PT.

Em série
Duque tem dito a interlocutores que têm acesso a ele que poderá citar até mesmo a ex-presidente da Petrobras Graça Foster em depoimentos que eventualmente prestar aos procuradores. Ela é amiga pessoal da presidente Dilma Rousseff.

Ficha limpa
O nome de Graça Foster não apareceu até agora em nenhuma das 18 delações nem em documentos coletados pela polícia e pelos procuradores que se tornaram públicos. Foi na gestão dela que os investigados por corrupção foram demitidos ou perderam poder. Na época em que pediu demissão, a ex-presidente foi enfaticamente defendida, entre outros, pela própria Dilma Rousseff.

De passagem
A intenção manifestada por Duque, por isso mesmo, é vista como tentativa de retaliação à ex-presidente da Petrobras, que teria bloqueado o esquema de corrupção na estatal. Ainda que ele não aponte nada de concreto contra ela, a simples menção do nome da ex-dirigente cumpriria a função de submetê-la a constrangimento.

Soma
Duque também estaria disposto a falar de parlamentares do PT que já foram citados em outras delações.

(Visited 5 times, 1 visits today)

Close