por 10:04 Sem categoria

DESCASO: DOIS MORREM NA FILA DA SAÚDE EM CURITIBA, REVELA GAZETA DO POVO

DESCASO: DOIS MORREM NA FILA DA SAÚDE EM CURITIBA, REVELA GAZETA DO POVO

Aos poucos o castelo de cartas do governo da propaganda do prefeito de Curitiba Beto Richa (PSDB) começa a desmoronar. Proibido de bancar milionárias campanhas publicitárias com recursos públicos, Richa vê sua gestão cada vez mais frágil, principalmente na área de saúde, como mostra reportagem levada ao ar na noite desta segunda-feira (14) pelo telejornal ParanáTV 2ª edição. A denúncia mostrou o descaso que a prefeitura trata o setor, pelo menos duas pessoas morreram no final de semana à espera de atendimento em posto de saúde e de uma sessão de hemodiálise.

Nos últimos cinco anos e meio, o Governo do Estado investiu mais de R$ 264,4 milhões na construção de 10 postos de saúde e do Centro de Reabilitação de Curitiba. À prefeitura coube a gestão das unidades, porém na prática não é isto que vem ocorrendo. O governo municipal, sob a batuta de Beto Richa, usou todas as suas forças para fazer cortesia com o chapéu alheio e deixou a ver navios à população da capital do Paraná. A denúncia levada ao ar pela principal emissora de televisão do Paraná mostra apenas uma faceta desta administração marcada pelo virtual, a Curitiba da propaganda da prefeitura (que vai gastar R$ 24,6 milhões em 2008) está longe, muito longe da Curitiba da vida real.

CLIQUE AQUI para ver o vídeo da reportagem levada ao ar na noite desta segunda-feira (14) pela RPC, afiliada à Rede Globo no Estado. Leia a seguir a matéria da Gazeta do Povo sobre o tema na edição desta terça-feira (15).

Saúde pública
Duas pessoas morrem esperando vaga em hospitais de Curitiba

A falta de vagas em hospitais de Curitiba para pacientes que precisam de atendimento de emergência provocou duas mortes no fim de semana. Um dos homens que morreu esperou quatro dias pelo internamento. Até quem precisa de uma simples consulta no Centro de Urgências Médicas do Pinheirinho é obrigado a esperar horas pelo atendimento.

A dona de casa Ivanilda de Godoy estava no posto de saúde nesta segunda-feira (14) e não sabia o que a filha tinha. Ela esperava na fila por uma consulta há três horas, segundo a reportagem do telejornal ParanáTV 2ª edição.

Para os pacientes que precisam de atendimento especializado a situação é ainda mais complicada: duas pessoas morreram a espera de vagas nos hospitais. Segundo o chefe do sistema de emergências da secretaria de saúde, Matheus Chomatas, os pacientes morreram pela própria evolução de suas doenças. “Eram pessoas que não teriam nenhum benefício no hospital além dos que tiveram no centro de urgências médica”, disse.

Segundo o telejornal, porém, o paciente de 73 anos morreu depois de esperar por quatro dias uma sessão de hemodiálise. A nora dele, Rosa Luz, acredita que o sogro poderia ter sobrevivido se tivesse recebido o tratamento. “Ele era uma pessoa muito forte. Foi andando e falando para o posto. Chegou lá e, por não conseguir fazer a hemodiálise, entrou em óbito”, disse.

Fechar