0 Shares 167 Views

De quando jornalista cai de paraquedas num escândalo

23 de março de 2015
167 Views

De quando jornalista cai de paraquedas num escândalo

Aroldo Murá

Se houve desvio de recursos públicos na Assembleia Legislativa do Paraná, nada mais correto que o Ministério Público aja, como está fazendo, conforme anunciado na quinta-feira, 12, à noite. O deputado Alexandre Curi estaria no epicentro das supostas irregularidades gravíssimas, patrocinando alegados funcionários fantasmas pagos com dinheiro do erário.

Suas ações seriam ainda desdobramentos das conhecidas operações “gafanhotos” e Diários Secretos. Aquelas que desvendaram esquemas de empregados fantasmas na AL. Só não é admissível colocar no mesmo rol de acusações, os supostos desvios de dinheiro público (e seriam cerca de R$ 100 milhões) com uma questão em que se deve, isto sim, discutir a legalidade de anúncios para a revista Ideias, de Fábio Campana.

2 – REVISTA NÃO ROUBOU

A revista e seu diretor não roubaram. Especialmente porque Ideias publicou todo o material contratado pela AL, autorizado pela Casa, com posterior referendo do Tribunal de Contas, tendo cumprido às claras todos os passos para obter e veicular os anúncios ora questionados. Como, então, considerar todo esse rito – autorizações dadas por burocratas e deputados – como algo sorrateiro, como se insinuou? Não anda na ilegalidade quem tem anúncios, há 15 anos, de empresas nacionais, multinacionais e governos, e circulação comprovadíssima.

Ideias, a revista, não promoveu rapinagem do erário. A questão tem de ser olhada apenas por uma ótica: Campana, como funcionário da AL, poderia ter participado de concorrência para ganhar a propaganda questionada?

3 – HIPOCRISIA IRRESTRITA

Por último, mas não menos importante, observo dois pontos: 1) o nome de Fábio Campana caiu de paraquedas no noticiário, no bojo da grande notícia – esta sim aterradora – que foi a denúncia do MP contra o deputado Alexandre Curi, primeiro secretário da AL durante a gestão de Nelson Justus, e que, na prática, é quem tinha o comando de Bibinho, o apontado operador do esquema de irregularidades na Assembleia;

2) Estranhíssimo que Campana, sabido e marcado opositor das políticas exercidas por Dr. Rosinha e deputado Professor Lemos, ambos do PT, tenha sido denunciado pelos dois políticos. Isto porque, diante de um quadro de comoção nacional, como o momento em que vivemos, Rosinha e Lemos se mantêm singularmente mudos, alheios, por exemplo, à petrorroubalheira. A vigilância e a moral dos dois, conclui-se, são singularmente seletivas.

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.