0 Shares 207 Views

Contagem regressiva contra as fake news

17 de setembro de 2019
207 Views

Órgãos preveem estratégias nas eleições municipais

Gilberto Scofield Jr.

Começou em agosto —com um ano de antecedência— a luta para evitar que notícias falsas soterrem as eleições municipais do ano que vem. Em 2020, o Brasil elegerá mais de 5.000 novos prefeitos. Com WhatsApp, Facebook e Twitter na posição de grandes difusores de informação, o terreno é fértil para a propagação de um volume gigantesco de dados truncados.

Foi pensando nisso que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu anunciar em 30 de agosto o “Programa de Enfrentamento a Desinformação com Foco nas Eleições 2020”. Segundo a ministra Rosa Weber, presidente da corte, o conteúdo do projeto prevê ações —algumas em andamento e outras a serem adotadas— em áreas como investimentos em tecnologia, campanhas educativas e parcerias com institutos de pesquisa, associações de tecnologia, empresas de mídia e partidos.

O passo que o TSE dá agora remete ao dado pelo Instituto Nacional Electoral (INE) no ano passado. Em 2018, a autoridade que organiza as eleições do México tomou para si a tarefa de proteger o processo democrático local e, com mais de um ano de antecedência, colocou em marcha o Projeto Certeza, baseado num tripé de ações que, ao que tudo indica, agora inspira o TSE.

Em primeiro lugar, o INE criou uma ampla campanha para explicar —online e off-line todos os fundamentos das eleições mexicanas. A proposta era clara: sanar dúvidas sobre o processo eleitoral e a votação.

Depois treinou todos seus funcionários em técnicas simples de checagem e estabeleceu um processo sobre como agir, em tempo real, para bloquear boatos. Porta-vozes foram preparados para desmentir notícias falsas nas redes sociais com linguagem simples e direta.

Por fim, o INE se apoiou no Verificado. O projeto de colaboração jornalística coordenado pela plataforma de “fact-checking” Animal Político reuniu cerca de 70 veículos e existiu entre março e julho. Ao estabelecer uma troca de informações em tempo real com esse grupo, o INE reduziu o dano causado pelas notícias falsas e virou referência continental no assunto. Até a OEA reconhece o feito.

Desde o último dia 19, inspirada no México e com autorização do TSE, a Agência Lupa treina integrantes dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) como parceiro do tribunal. Já esteve em Rondônia e irá a outras capitais da região Norte neste mês. A ideia é equipar os funcionários dessas cortes com ferramentas para realizar checagens básicas. Jornalistas locais também são bem-vindos.

Até a campanha do ano que vem, todos os estados receberão oficinas do LupaEducação. A partir delas e com o apoio do WhatsApp, a agência criará uma rede de checadores locais para enfrentar a desinformação da corrida eleitoral de 2020.

Ainda por iniciativa da Lupa, do Instituto de Tecnologia & Equidade (IT&E) e do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), os TREs receberão a segunda parte do projeto “Democracia Digital”, apoiado pelo Instituto Betty e Jacob Lafer, antes do início das eleições. Os integrantes das cortes regionais eleitorais terão a oportunidade de participar de debates sobre tecnologia de ponta e esclarecer dúvidas sobre o ecossistema da desinformação.

É fato que parcerias desse tipo logram bons resultados —não só no México. Em 2018, o TRE de Rondônia debelou uma tentativa de fraude graças a um treinamento recebido da Lupa semanas antes. O órgão prendeu e multou um eleitor que havia postado um vídeo nas redes sociais sugerindo que determinada tecla das urnas fosse colada de forma a impedir o voto em certo candidato.

O TRE-RO e a agência comemoram o resultado da parceria até hoje. Se o TSE agir de acordo com o seu projeto, acertará em cheio.

Gilberto Scofield Jr.
Diretor de Estratégia e Negócios da Agência Lupa

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.