por 10:13 Brasil, Destaques, Economia • Um Comentário

Com cancelamento do Carnaval Brasil deixará de movimentar R$ 8,1 bilhões

O cancelamento do Carnaval para conter aglomerações e o contágio da Covid-19 não suspenderá apenas a folia nacional. Haverá impacto sobre a geração de riqueza e de postos de trabalho.

Dados reunidos pela Folha com base nos festejos de 2020 indicam que pelo menos R$ 8 bilhões deixarão de circular na economia. Cerca de 25 mil empregos temporários também não serão criados, segundo estimativa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

Carnaval demanda fantasias, lantejoulas, maquiagens, trio elétricos, além de muita comida, bebida e movimento de vai e vem –para chegar na folia ou fugir dela. Por isso, mobiliza uma extensa cadeia de fornecedores de diferentes áreas de indústrias, comércios e serviços. Incluem-se aí desde o ambulante que vende cerveja no isopor à área de marketing de grandes multinacionais.

De acordo com Fábio Bentes, economista da CNC, por causa de sua capilaridade, é até complicado dimensionar a suspensão do Carnaval. Pesquisa realizada anualmente pela entidade com 3.800 municípios mostra que a arrecadação da festa em 2020 cresceu 20% em relação a 2019, e a projeção antes da pandemia era de ascensão desse mercado.

Lembrando: no ano passado, a data ocorreu antes de o coronavírus ser oficialmente registrado no país. Na sequência, o turismo afundou. Foi um dos segmentos da economia que mais sofreu. No ano passado, encolheu 13% e levou ao fechamento de 397,4 mil vagas formais, segundo cálculos da CNC.

“O Carnaval é considerado o Natal do setor de turismo. Mesmo com cancelamentos de pontos facultativos em alguns municípios, onde alguma receita ainda poderá ser gerada, a perda neste ano é drástica”, afirma Bentes. Segundo o economista, o Rio de Janeiro e as capitais do Nordeste devem ser mais impactadas economicamente.

No Rio, 10 milhões de turistas movimentaram R$ 4 bilhões no ano passado. Como a festa carioca é mais longeva e tradicional, a sua suspensão é um baque, especialmente para o turismo de estrangeiros. “Historicamente, o Rio recebe mais turistas internacionais, que tem gasto médio maior”, diz Bentes.​

Em 2020, a ocupação de hotéis na capital fluminense foi de 98%, durante o Carnaval. Neste ano, a expectativa é que seja de pouco mais de 50%, conta Alfredo Lopes, presidente do Sindicato dos Meios de Hospedagem do município. “É o feriado mais importante para o nosso setor, em número de reservas e consumo”.

Segundo ele, em tempos sem pandemia, a hotelaria contrata trabalhadores extras para o período, em torno de 5% a mais que o efetivo normal. Na pandemia, não haverá contratação adicional. “Não temos como compensar a ausência desse evento, mas não tem o que fazer diante da pandemia”, afirma.

A segunda-feira de Carnaval será dia normal de trabalho no Rio, já que, na tentativa de deter carnavalescos rebeldes e dar algum fôlego à economia, a prefeitura suspendeu o ponto facultativo.

“Não abríamos lojas na segunda-feira de Carnaval desde os tempos de desfiles na Presidente Vargas, quando não existia a Sapucaí”, diz Eduardo Blumberg, presidente do Polo Saara (Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega), organização que reúne 800 lojas populares no centro do Rio, que empregam 7 mil pessoas.

Em tempos normais, a região fatura bem vendendo adereços e fantasias para o feriadão. Sem essa renda, o desânimo por lá é grande. “Mesmo abrindo na segunda, não vai compensar o prejuízo”, diz Blumberg.

O coordenador de economia da FGV, Joelson Sampaio, ressalta que profissionais responsáveis pela viabilidade do evento já estão sofrendo antes do evento.

Matéria completa em Folha de São Paulo.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com