Arquivos

Categorias

Campanha de Dilma toma nó tático nas redes sociais

2010 - franklin martins - zuza nacif

O velho guerrilheiro Franklin Martins acabou derrotado por uma estratégia mais leve e ágil da campanha de internet tucana

Na mais emocionante eleição desde 1989, o grande fato até o momento tem sido a resistência da candidatura de Aécio Neves (PSDB) e sua capacidade de crescimento mesmo em meio a aparentes adversidades. Enquanto a imprensa, adversários e mesmo analistas que acompanharam a eleição vêm se surpreendendo com o seu andamento, para a equipe que cuida da estratégia de redes sociais de Aécio, coordenada pelo mineiro Zuza Nacif, o crescimento exponencial e o favoritismo do senador tucano não é nada surpreendente.

Enquanto a campanha petista nas redes, coordenada pelo ex-guerrilheiro Franklin Martins, montava uma megaestrutura pautada pela desconstrução de adversários, disseminação de boatos e disputas internas pelo controle da campanha com o marqueteiro João Santana, a campanha tucana se pautava em construir a imagem de Aécio utilizando para isso um arsenal de produtos que visava atingir os mais variados segmentos. Se alguns estranhavam a tranquilidade de Aécio mesmo em seus piores momentos nas pesquisas, tal tranquilidade era facilmente explicada quando se olhavam de perto os números das redes.

O monitoramento sempre apresentou a imagem de Aécio crescendo positivamente. Número de acessos a revistas eletrônicas, o crescimento das curtidas nas páginas ligadas à campanha no Facebook, o aumento das menções no Twitter e seguidas vitórias do tucano em enquetes online em portais jornalísticos, mostravam o acerto do caminho escolhido.

Integração x disputa por controle

No segundo turno os problemas da campanha petista foram se evidenciando. De um lado, Franklin Martins e seu exército de blogueiros governistas insistiam que Dilma deveria fazer uma campanha agressiva, partindo para cima do senador mineiro. De outro, João Santana tentava repetir a estratégia vitoriosa utilizada nas duas vitórias de Lula e mesmo na eleição de Dilma em 2010, construindo uma campanha propositiva e de construção de imagem.

Até o debate do SBT, Martins era o vitorioso na queda de braço interna. João Santana foi enquadrado e teve que mudar até mesmo a linha dos programas de televisão, que se tornaram extremamente agressivos. Mas a vitória do ex-guerrilheiro acabou se mostrando uma vitória de Pirro. Tendo vencido a batalha interna, Martins viu sua candidata ultrapassada nas pesquisas por Aécio. E no pós-debate do SBT, realizado na última quinta-feira (16), uma discussão ríspida com Santana e a intervenção de Lula fizeram com que a eleição voltasse para as mãos do marqueteiro conhecido como Tio Patinhas. A nova linha da campanha petista pôde ser vista no debate da Record realizado neste domingo (19), quando Dilma, apesar de confrontos pontuais, preferiu exaltar seu governo e compará-lo aos governos tucanos ao invés de realizar ataques pessoais. As feridas pela exposição de seu irmão, Igor Rousseff, feita por Aécio no debate do SBT, ainda não haviam sarado.

Já na campanha de Aécio o mote sempre foi a integração entre as diferentes mídias. O quê saia na TV e no rádio era repercutido na internet. E pautas com boa repercussão na internet acabavam indo para o programa de TV e de rádio. A linguagem em sintonia com a nova geração, garantiu ampla adesão nas redes e a multiplicação aconteceu de forma espontânea.

Produtos variados

A campanha de Aécio apresentou produtos na internet voltados aos mais variados segmentos. Foram 21 campanhas diferentes, que atingiram em sua totalidade mais de 2 milhões de usuários na internet. E isso sem contar o quanto estes usuários únicos possam ter atingidos outros usuários.

O destaque ficou por conta da revista eletrônica com propostas, apresentação do candidato, agenda e construção de imagem, com mais de 100 mil acessos. O avatar do candidato, espalhado pela rede, atingiu mais de 700 mil pessoas.

O foco foi a segmentação e falar com públicos variados, fugindo da mesmice. Meta plenamente atingida nesta reta final, quando Aécio aparece como favorito para vencer a eleição.

Política, economia, cultura e bom humor no blog do Paraná.