por 16:46 Sem categoria

Amapar rebate críticas do presidente da OAB nacional

Amapar rebate críticas do presidente da OAB nacional

Ao tomarem conhecimento da declaração do advogado Ophir Casagrande, presidente da OAB Nacional, a diretoria da Amapar emitiu nota onde manifesta objeção às declarações do representantes dos advogados do País, que apontou a magistratura como culpada pela morosidade da Justiça.

Segundo a presidência da Amapar, os comentários ofensivos e generalizados são equivocados. "O que não se pode admitir é que pessoas estranhas à instituição do Poder Judiciário venham tecer comentários ofensivos e generalizantes a toda a magistratura, pois esse tipo de atitude não condiz com o Estado Democrático de Direito, nem com o respeito mútuo sempre havido entre a advocacia e a magistratura", divulgou a entidade que representa os juízes e desembargadores estaduais do Paraná.

Confira a seguir a íntegra da nota:

Nota Pública

A Amapar – Associação dos Magistrados do Paraná, vem a público manifestar sua indignação diante das palavras lançadas pelo advogado e presidente do Conselho Federal da OAB, Ophir Cavalcante, em referência às supostas causas da morosidade do Poder Judiciário, publicadas hoje nos sites das OAB nacional e paranaense.

É ditado popular que toda generalização é equivocada, e na maioria das vezes generalizar críticas que deveriam ser pontuais, implica em injustiça e leviandade.

Quando o Min. Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), declarou que a morosidade do Judiciário é um mito, não quis negar o fato da morosidade em si. Ao contrário, pretendeu tão somente explicar que há muitas causas para a demora de julgamentos judiciais, como perícias, provas dificultosas e demoradas, solenidade dos atos procedimentais, prazos para recursos, etc.

Todos sabem hoje em dia que o fenômeno da morosidade no Judiciário não é exclusividade brasileira. Por exemplo, nesta semana mesmo foi noticiado apenas o início de julgamento na França acerca daquele acidente com a explosão de um avião Concorde, ocorrido há 10 anos.

Por outro lado, se existem juízes que não comparecem aos foros, deve a OAB reclamar nos canais competentes, quais sejam, as Corregedorias de Justiça e o CNJ.

O que não se pode admitir é que pessoas estranhas à instituição do Poder Judiciário venham tecer comentários ofensivos e generalizantes a toda a magistratura, pois esse tipo de atitude não condiz com o Estado Democrático de Direito, nem com o respeito mútuo sempre havido entre a advocacia e a magistratura.

Curitiba, 4 de fevereiro de 2010.

GIL GUERRA

Presidente da Associação dos Magistrados do Paraná – Amapar

Fechar