A INVASÃO DAS RELIGIÕES NA MÍDIA IGUAÇUENSE

A invasão das religiões na mídia iguaçuense 

Pedro Lichtnow

Com a força da chamada bancada evangélica na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, as igrejas neopentecostais, graças às brechas do sistema de radiodifusão brasileiro, têm obtido cada vez mais espaço através de novas concessões ou mesmo em emissoras convencionais, que vendem tempo para seus programas religiosos. O fenômeno hoje no Brasil também é trilhado pela Igreja Católica, que dispõe de concessões de radiodifusão por todo o país.

A ascensão de ordens religiosas sob a mídia é notória, por exemplo, em várias emissoras nacionais de televisão com programas exclusivos de propagação ideológica, como Bandeirantes, Record ou mesmo alguns quadros promovidos pela Globo. Em Foz do Iguaçu, há o que podemos denominar de início da ‘invasão’ de algumas congregações e seus líderes em canais fechados e a cabo, rádios, sites ou mesmo em jornais.

Em busca de receita, os meios de comunicação encaram a entrada dessas religiões em espaços, muitas vezes, nobres, como uma forma lucrativa e altamente rentável, para enfrentar uma teórica crise econômica dos veículos de informação, com a queda de publicidade e anúncios.

Recentemente em Foz, o jornalista Venício Lima falou sobre as propriedades cruzadas, os oligopólios de comunicação e também sobre o “perigo eminente da propagação das religiões através da mídia”. Para o jornalista, a invasão dessas ordens pode ser perigosa para a sociedade, no sentido da difusão de valores morais, muitas vezes conservadores e extremistas, definidos apenas conforme o ponto de vista dos seus líderes.

Algumas rádios de Foz do Iguaçu cedem ou vendem amplo espaço para programas religiosos. Pesquisa feita pelo Megafone mostra que três religiões têm espaço nas rádios da cidade: Católica, Evangélica e Espírita. Universo ainda pequeno para o caldeirão de mais de 70 etnias e culturas que vivem na cidade. A Rádio Foz(http://www.radiofoz.com/2009) apresenta diariamente os programas: “Momentos de Fé” e “Caminhos da Fé”. Aos domingos, das 8h às 9 horas, vai ao ar a Santa Missa.

Já a Rádio Cultura é a emissora com o maior número de programas religiosos. Todas as manhãs, das 7h15 às 7h20, acontece o programa “Cinco minutos com Jesus”, apresentado pelo Pastor Celso, da Igreja Luterana. Das 10h às 12h, os ouvintes podem escutar um dos programas de maior audiência “Deus é Real”, coordenado pelo Padre Paulo.

O programa tem uma página própria na internet (www.deusereal.com.br), onde são divulgadas notícias, calendário de eventos da comunidade católica, entre outras informações. No final da tarde, os fiéis da rádio podem escutar o programa “Ave Maria”, das 18h às 18h5. Toda a segunda-feira vai ao ar a “Hora Espírita”, durante quase uma hora ininterrupta, das 18h5 às 19 horas. Para fechar a noite, o pastor Adilson apresenta, das 23h à meia-noite, “Com Deus é Melhor”, além do quadro A voz da Igreja “O Brasil para Cristo”, comandado por Aldair Fagundes. E aos domingos pela manhã, das 9h30 às 10h30, é celebrada a Santa Missa, pela Igreja Católica.

A FOZTV é a única emissora de canal fechado que transmite programas religiosos em Foz do Iguaçu. Os programas “Missa Dominical” e “Conhecendo Nossa Igreja” são católicos e tratam exclusivamente de assuntos ligados a congregação.

A emissora foge um pouco do padrão ao ceder espaço para um líder islã em meio à comunidade árabe radicada em Foz, hoje com cerca de 20 mil pessoas. O empresário Kamal Osman, segundo proposta do programa, elabora “perguntas que coexistem com o homem durante o transcorrer de sua vida e que indubitavelmente deverá o homem nelas pensar, pois o objetivo do programa a ‘Religião e a Vida’, é levar você a pensar em seu criador, em sua missão, em tudo que o cerca”. A FOZTV ainda não tem nenhum quadro destinado aos evangélicos ou mesmo aos espíritas, como acontece em outros canais de rede aberta.

Dentre os jornais impressos da cidade, apenas “A Gazeta do Iguaçu” explora esse nicho. O diário conta com as colunas semanais “Opinião Espírita” e a “Católica. As colunas ficam dispostas também no site do jornal (www.gazeta.inf.br). Portais e sites noticiosos da cidade, como Portal H2Foz, Megafone, Guatá, Tudo Foz, entre outras páginas, ainda não dispõem de espaços exclusivos e reservados para as religiões proeminentes de Foz do Iguaçu.

É importante destacar que a mídia deve ser democrática e oferecer liberdade para todos os tipos de manifestações de ordem cultural ou religiosa. Vale ressaltar também que é necessário o bom senso na hora de disponibilizar espaço para instituições de força religiosa. Sabemos da necessidade de incrementar as receitas dos meios de comunicação, mas também sabemos sobre a obrigatoriedade dos veículos de informação oferecerem a pluralidade de pensamentos, de cultura, lazer e entretenimento, através da diversificação da sua grade de programação.

Pedro Lichtnow é jornalista e editor do Megafone.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Câmara aprova projeto que exige fisioterapeuta em CTI em tempo integral

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (4) o Projeto de Lei 1985/19, da deputada Margarete Coelho (PP-PI), que disciplina a permanência de fisioterapeutas em Centros de Terapia Intensiva (CTIs) adulto, pediátrico e neonatal. A matéria será enviada ao Senado.

Em seguida, a sessão da Câmara foi encerrada.

O texto foi aprovado na forma de um substitutivo da deputada Aline Sleutjes (PSL-PR), cujo relatório foi lido em Plenário pela deputada Maria Rosas (Republicanos-SP).

A única mudança no texto retira a quantidade mínima de profissionais, que era de um para cada dez leitos. Entretanto, continua a determinação de que a presença do fisioterapeuta deverá ser ininterrupta, nos turnos matutino, vespertino e noturno, perfazendo um total de 24 horas.

A disponibilidade em tempo integral para assistência aos pacientes internados nesses centros de terapia intensiva deverá ser durante o horário em que o fisioterapeuta estiver escalado para atuar nesses locais.

“Pelo grau de importância do fisioterapeuta para o restabelecimento das pessoas internadas, a presença constante desse profissional é essencial, pois ele reduz o número de dias de internação, ainda mais nessa época de Covid-19”, afirmou a autora da proposta.

Próximas votações
Os deputados voltam a se reunir em sessão deliberativa virtual na próxima terça-feira (9), às 13h55, com pauta a ser divulgada após reunião de líderes a ser realizada às 10h30 desta sexta-feira (5).

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Câmara dá prioridade para mãe chefe de família no auxílio emergencial

Texto vai agora para análise do Senado

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (2) projeto de lei que dá prioridade de recebimento do auxílio emergencial às mães chefes de família, quando o pai também informa ser o responsável pelos dependentes. A matéria segue para análise do Senado. As informações são da Agência Brasil.

Pelo texto aprovado, caso haja conflito entre as informações prestadas pela mãe e pelo pai, a preferência de recebimento das duas cotas de R$ 600 será da mãe, ainda que sua autodeclaração na plataforma digital tenha ocorrido depois daquela feita pelo pai.

“Apenas 3,6% das famílias brasileiras tinham uma configuração com homem sem cônjuge e com filho, segundo o IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística], e mais de 80% das crianças no Brasil têm como primeiro responsável uma mulher”, afirmou a relatora do projeto, deputada Professora Dorinha (DEM-TO).

O projeto determina que o homem com a guarda unilateral, ou que seja responsável, de fato, pela criação, poderá questionar as informações da mãe de seus filhos na mesma plataforma e receber uma das cotas de R$ 600 até que a situação seja esclarecida pelo órgão competente.

“O machismo que as mulheres já sofrem cotidianamente na nossa sociedade vemos novamente expresso quando maridos, que nunca se responsabilizaram pelo cuidado dos filhos, agora requerem o auxílio emergencial em nome da família. Trinta milhões de famílias brasileiras são chefiadas por mulheres e 56% são famílias pobres”, disse uma das autoras da proposta, a deputada Fernanda Melchiona (PSOL-RS). 

Após várias denúncias de mulheres que enfrentaram problemas para receber o benefício após uso indevido do CPF dos filhos pelos pais, o trecho que permitia o recebimento do valor em dobro foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro. No entanto, a proposta resgata a possibilidade de concessão do benefício aos pais, com a prioridade para a mãe chefe de família. 

“Muitas mulheres brasileiras de baixa renda enfrentam ainda a violência patrimonial perpetrada por homens sem escrúpulos que, indevidamente, utilizaram e utilizam os CPFs dos filhos menores, que são criados unicamente pelas mães, para acessarem o auxílio emergencial. Isso tem causado enormes prejuízos para essas batalhadoras, além de colocar em risco a sua segurança alimentar e a dos seus dependentes”, afirmou Professora Dorinha.

Duas cotas

O auxílio emergencial foi criado para amenizar os efeitos das medidas de distanciamento e isolamento social necessárias para o enfrentamento da rápida propagação da covid-19. A iniciativa destina o auxílio emergencial de R$ 1,2 mil para mães chefes de família pelo período de três meses.

O texto também determina que a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – Ligue 180 crie uma opção específica de atendimento para denúncias de violência e dano patrimonial para os casos em que a mulher tiver o auxílio emergencial subtraído, retido ou recebido indevidamente por outra pessoa.

No caso de pagamentos indevidos do benefício emergencial ou realizados em duplicidade por informações falsas, os responsáveis deverão ressarcir os valores recebidos indevidamente ao Poder Público.

*Texto alterado às 21h53 para corrigir os nomes das deputadas.