Written by 7:01 Sem categoria

68,5% dos deputados estaduais são contra a volta dos salários extras

Corte do benefício desagradou aos parlamentares, que ameaçam retaliar Rossoni e cortar o direito de reeleição na Mesa da Assembleia

por Alexandre Costa Nacimento, chico Marés e Daniela Neves, na Gazeta do Povo

A decisão do presidente da As­­sembleia Legislativa, Valdir Rossoni (PSDB) de acabar com a verba de convocação e desconvocação, uma espécie de 14.º e 15.º salários para os deputados estaduais, causou rebuliço nos corredores do Legislativo paranaense. A decisão foi tomada em 13 de dezembro, um dia após a Gazeta do Povo revelar o pagamento do benefício.

Irritados, alguns parlamentares articulam a apresentação de uma proposta de emenda constitucional (PEC) para acabar com a reeleição da Mesa Executiva do Legislativo paranaense, o que prejudicaria a permanência de Rossoni na presidência da Assem­­bleia no próximo ano.

A Gazeta do Povo procurou os deputados estaduais para saber a opinião deles sobre o fim do benefício. Dos 53 parlamentares procurados, 37 (68,5%) disseram ser a favor do fim dos salários extras e 3 disseram que são contra – Rossoni ficou de fora do levantamento por ser o autor da decisão.

A verba era paga havia pelo menos 16 anos, mas veio a público apenas com a reportagem da Gazeta do Povo. Os parlamentares recebiam a “ajuda de custo“ de R$ 20 mil no começo e no final de cada ano legislativo, sob o pretexto de “convocação e desconvocação” dos parlamentares ao trabalho.

Diante da decisão do presidente da Assembleia, alguns deputados mostraram descontentamento, não somente por ele ter retirado o privilégio como também por ter sido, ao lado do primeiro-secretário, Plauto Miró (DEM), e do segundo-secretário, Reni Pereira (PSB), responsável pela decisão. Para os parlamentares, com essa atitude os três ficaram com os “louros” da atitude.

Alguns deputados tentaram, em conversas de bastidores, encontrar uma solução jurídica para que o benefício não fosse cancelado. A Assembleia paranaense copiava o modelo do Congresso Nacional, que paga os salários extras a senadores e deputados federais.

Mas uma nova notícia, a de que a decisão de pagar os benefícios no Paraná não tenha sido publicada nos diários oficiais da Casa – ou seja, foi ato de mais um diário secreto –, tornou a situação ainda mais complicada.

LEIA MAIS

(Visited 1 times, 1 visits today)

Close