Aprovação de Fruet cai para 54%. Só os ricos continuam aprovando, diz Gazeta do Povo

O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), chega ao final do seu primeiro ano de mandato com 54% de aprovação popular, segundo levantamento feito pela Gazeta do Povo e pela Paraná Pesquisas em dezembro. A pesquisa mostra uma queda na popularidade do prefeito em relação a abril, quando 65% dos curitibanos aprovavam a gestão do pedetista. A desaprovação do prefeito subiu de 26% para 41% no período.

A pesquisa, segundo a Gazeta do Povo, mostra que a simpatia pela gestão Fruet sobe conforme a renda e a escolaridade dos curitibanos. Entre as classes A e B, a aprovação do prefeito é de 60%. Entre quem têm ensino superior, é de 59%. Já para os que possuem apenas o ensino fundamental, a aprovação é de 47%.

Para o diretor da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, o dado é revelador sobre o primeiro ano da gestão Fruet. “O discurso de arrumar a casa, equilibrar as contas é melhor compreendido pelas classes A e B. Nos bairros mais periféricos, parece faltar algo mais direto, algo que impacte mais na vida das pessoas”, diz Hidalgo.

Para ele, porém, o quadro é reversível, justamente pelo perfil do público que apoia Fruet. “É mais difícil conseguir a aprovação das classes A e B e dos mais escolarizados. A opinião dos menos escolarizados é mais volátil”, diz Hidalgo.

Impaciente

O levantamento mostra também que a população está mais impaciente com o prefeito. Para 43% dos curitibanos, Fruet não está cumprindo com suas promessas de campanha. Em abril, eram 29%. Para Hidalgo, a alta expectativa criada em torno do prefeito acaba sendo prejudicial a ele. “Criou-se uma expectativa ao redor dele que é acima da média. Como se ele pudesse resolver todos os problemas na prefeitura rapidamente. Como não se resolve tudo em um ano, aumenta a insatisfação”, ressalta.

A principal queixa dos curitibanos está na área de saúde. Para 26% dos entrevistados, o prefeito não está melhorando a saúde, construindo mais postos, contratando mais médicos e criando unidades 24 horas. A saúde é a área para qual o prefeito deveria dar mais atenção no futuro, segundo 47% dos entrevistados. Na sequên­cia, aparecem segurança (15%) e educação (9%).

O prefeito, por sua vez, diz que fixou as contratações de novos servidores da prefeitura justamente na saúde e na educação. A prefeitura cita como exemplos de melhora na área a ampliação do horário de atendimento em dez unidades de saúde e a construção de novos Centros de Atendimento Psicossocial.

O levantamento atual traz ainda uma diferença importante em relação ao de oito meses atrás. Em abril, um mês depois do aumento da passagem de ônibus e com a polêmica do subsídio estadual para a tarifa integrada em Curitiba ainda viva, o transporte público era apontado como o setor que mais recebeu atenção do prefeito. Esse era o entendimento de 12% dos curitibanos.

Agora, a área caiu para a segunda colocação (8,53%), e a maioria dos entrevistados diz que Fruet está dando mais atenção às obras públicas (10,3%).

Flávio será coordenador da campanha de Bolsonaro; no PR, Giacobo

O PL definiu que o senador Flávio Bolsonaro (RJ) será o coordenador nacional da campanha de reeleição do pai, Jair Bolsonaro. Pai e filho recém se filiaram ao PL. No Paraná, a coordenação da campanha deve ficar com o deputado Fernando Giacobo, presidente estadual do PL. Giacobo também será o candidato ao Senado pelos liberais. 

Pegou mal: vereador desiste de homenagem a Sarney em Pato Branco

Não será desta vez que o ex-presidente José Sarney será homenagem em Pato Branco. Após grande repercussão, o projeto para conceder ao maranhense a “Medalha de Honra ao Mérito Pato-branquense” o foi retirado de pauta a pedido do autor, o vereador Marcos Jr. Marini.

Na justificativa, Marini explicava que, quando Sarney era Presidente da República, foram os que viabilizaram as condições políticas para que fosse instalada uma Unidade de Ensino Descentralizada (UNED) do Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET) para Pato Branco. “Foi uma luta árdua com municípios maiores, mas que se tornou realidade pela capacidade e representatividade política do município naquele momento”, relava o projeto de lei.

Após passar pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Pato Branco, o projeto aguardava a segunda votação em Plenário. Além ao autor Marcos, que é do Podemos, a homenagem a Sarney foi apoiada pelos vereadores Maria Hamera (PV), Joecir Bernardi (PSD), Dirceu Boaretto (Podemos), Eduardo Dala Costa (MDB), Joecir Bernardi (Lindomar Brandão (DEM) e Thania Chaminski (DEM).