por 11:07 Sem categoria

ESTUDANTES DE TODO CONTINENTE, UNILA!

Uma forte reivindicação do movimento estudantil latino-americano é a inclusão, com caráter de prioridade, da pauta educacional na agenda da integração regional em nosso continente. Com o avançar do Mercosul muitos temas são impostos na ordem do dia, fundamentalmente os relacionados à integração econômica e comercial. Sob um ponto de vista estratégico necessita ganhar mais força a dimensão educacional, aliada a novas políticas culturais e científicas regionais. Leia a integra do artigo de Luciano Rezende em

LEIA MAIS

por 11:05 Sem categoria

ESTUDANTES DE TODO CONTINENTE, UNILA!

ESTUDANTES DE TODO CONTINENTE, UNILA!

por Luciano Rezende

Uma forte reivindicação do movimento estudantil latino-americano é a inclusão, com caráter de prioridade, da pauta educacional na agenda da integração regional em nosso continente. Com o avançar do Mercosul muitos temas são impostos na ordem do dia, fundamentalmente os relacionados à integração econômica e comercial. Sob um ponto de vista estratégico necessita ganhar mais força a dimensão educacional, aliada a novas políticas culturais e científicas regionais.

Boa iniciativa partiu do governo brasileiro com a proposta de criação da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, a Unila, prevista para ser inaugurada já no segundo semestre de 2009 na cidade fronteiriça de Foz do Iguaçu na divisa com o Paraguai e Argentina, em meio a 40 hectares cedidos pela hidrelétrica Itaipu Binacional. Com uma meta de abrigar 10 mil estudantes e 500 docentes em 10 anos, o projeto prevê metade de alunos brasileiros e o restante oriundos de países diversos da América Latina. Uma universidade bilíngüe (português/espanhol) com cursos de graduação e pós-graduação em áreas sensíveis às demandas seculares de nossos povos e nações.

Essa iniciativa deve se somar a outras ações já existentes, por exemplo, os programas que promovem o intercâmbio entre estudantes e professores entre as instituições de ensino e pesquisa (ainda pouco divulgados e incentivados) e também a criação de mais universidades com esse caráter para, sobretudo, formar um contingente de recursos humanos que promova o desenvolvimento sustentável, integrado e harmônico da região. Países com muito menos recursos que o nosso já fazem isso há décadas, como é o caso de Cuba, que só em uma universidade, a Elam, matricula centenas de estudantes brasileiros no curso de medicina.

O presidente de honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, professor Ennio Candotti, é categórico em afirmar que é imperioso recuperar os laços perdidos e romper fronteiras visando a cooperação científica na América Latina. Por uma América Latina sem fronteiras foi, inclusive, o tema de um encontro promovido durante a reunião anual da SBPC em Campinas em que o professor incitou a juventude sul-americana a circular pela América Latina assim como os estudantes europeus transitam pela União Européia.

Ousada também é a proposta de criação de pós-graduações regionais e um forte “incentivo à circulação de pesquisadores e cientistas com estímulo à realização de teses em co-orientação e o desenvolvimento de modalidades dinâmicas de intercâmbio usando tecnologia da informação”, sugerida pela presidenta da Sociedade Uruguaia para o Progresso da Ciência e Tecnologia (SUPCYT), Cristina Arruti.

Por mais irônica que possa parecer, a oposição à criação da Unila e o boicote à integração e cooperação educacional latino-americana parte justamente daqueles que sonham em obter um título qualquer em Harvard ou na Sorbonne. É o velho pensamento colonizado de uma elite que prefere financiar um MBA nos EUA para os seus filhos a apoiar um projeto pedagógico/científico integracionista voltado aos povos de nossa região. Mesmo não sendo merecedor de crédito, é importante reproduzir algumas afirmações de Reinaldo Azevedo sobre a Unila, a fim de evidenciar o preconceito destilado pelas elites. Segundo o porta-voz do reacionarismo brasileiro, a Unila será a Universidade do Fórum de São Paulo e um centro de formação de “intelequituais” especializados em movimentos sociais na América do Sul. Como se não bastasse, tem o descaramento de afirmar, em seu blog na revista Veja, que o local escolhido ainda ajudará o terrorismo islâmico presente na região (uma afronta aos paranaenses que vão passar a contar com a terceira universidade federal no estado) e que, quando se encontrar com a militância bolivariana será um estouro!!! É muita apelação para quem tem como exemplo de cooperação educacional o funesto MEC-Usaid. É preciso saber também qual é a opinião dos tucanos e “democratas” paranaenses sobre o assunto.

Outro que não gostou da idéia foi o ex-ministro da educação da era FHC, Paulo Renato Sousa, que apelou dizendo que já existem programas de intercâmbio entre estudantes. O ministro, que entrou para a história por ter passado oito anos no cargo e não ter conseguido criar uma universidade pública sequer e permitido o Brasil chegar ao posto de país com maior percentual de universitários matriculados na rede privada da América Latina, retoma a cena para praguejar contra essa iniciativa que se soma a mais de uma dezena de outras universidades federais criadas pelo governo Lula. No afã de se postarem contra a agenda mudancista em curso em nosso país, as viúvas de FHC destilam seu ódio de classe até mesmo contra as escolas de ensino fundamental fomentadas pelo MST. Sobrou até para Makarenko.

A criação da Unila nada tem de contraditória com os exíguos programas de intercâmbio existentes. Pelo contrário, tende a reforçá-los. São ações complementares. É, inclusive, o que pensa a Unesco que participa da Comissão de Implantação da Unila. Aliás, sobre a implantação, um dos primeiros prédios a ser construído será a reitoria que está a cargo do idealizador do Memorial da América Latina, Oscar Niemeyer, outro entusiasta da idéia.

Os estudantes brasileiros devem apoiar essa idéia e cobrar ainda mais ações dos governos. Aliás, essa é uma tarefa de todo o movimento estudantil latino-americano. Uma readequação do célebre chamado feito por Marx e Engels é agora feita pela juventude latino-americana 160 anos depois: “estudantes de todo o continente, uni-vos”. 

Luciano Rezende, Engenheiro Agrônomo, mestre em Entomologia e doutorando em Genética. Da Direção Nacional da UJS.

Fechar