0 Shares 313 Views

Parque das Aves proporciona cuidados especiais aos animais no inverno

19 de julho de 2019
313 Views

Com temperaturas próximas a zero, animais ganham alimentação especial e controle de temperatura

Com a chegada do inverno no Brasil, que vai até dia 23 de setembro, a rotina dos animais
do Parque das Aves mais uma vez muda, como acontece todos os anos. Agora eles estão
recebendo tratamento especial para suportar temperaturas que às vezes atingem marcas
negativas.

O frio que afetou a população também mudou a rotina dos animais do Parque. Pensando no conforto e bem-estar animal, os veterinários, zootecnistas, biólogos e tratadores do Parque das Aves deram início a uma operação para manter o equilíbrio térmico dos bichos.

Segundo Paloma Bosso, diretora técnica do Parque das Aves, a preocupação maior é com
os filhotes e com os animais idosos, que podem sentir mais frio e têm maior probabilidade
de contraírem doenças típicas da época.

“São utilizados diversos artifícios que oferecem opções de conforto térmico aos animais,
como lâmpadas aquecedoras de cerâmica que não emitem luz e, portanto, podem
permanecer ligadas durante a noite sem prejudicar o fotoperíodo e o descanso dos animais.

Essas lâmpadas são posicionadas nos recintos de modo que criem um gradiente de
temperatura, isto é, uma variação climática gradual que permite ao animal escolher onde
quer se posicionar: mais próximo ou mais distante da lâmpada”, comenta Paloma.

Monitoramento e controle de temperatura
A temperatura é sempre monitorada com uso de termohigrômetros fixos nos recintos ou
com termômetros digitais infravermelhos, que permitem uma leitura rápida e à distância da temperatura em diversos pontos dos recintos.

Quem conhece a região de Foz do Iguaçu sabe que a amplitude térmica supera 40 graus no
verão e abaixo de zero no inverno.

“Também utilizamos cortinas plásticas transparentes do lado externo dos recintos, que
permitem a incidência solar, enquanto agem como barreiras contra o vento, para evitar
correntes de ar frio que podem ser prejudiciais à saúde das aves”, afirma Paloma.

Alimentação

De acordo com Paloma, existe todo um plano especial de preparo para o inverno, que inclui mudança de dieta para os animais. A médica veterinária conta que é necessário um reforço na alimentação porque as aves são animais endotérmicos e precisam manter a temperatura corpórea, por isso gastam mais energia.

Pouco antes da entrada do inverno, a Divisão de Nutrição Animal, chefiada pelo zootecnista Henrique Tavares, aumenta a oferta de alimentos mais calóricos, como sementes oleaginosas, coco e óleos vegetais para amenizar o efeito dessa estação climática na saúde física das aves. Itens mais energéticos favorecem uma melhor condição corpórea e, consequentemente, facilitam a termorregulação.

Como complemento, a dieta dos animais neste período é suplementada com vitaminas (E
e C), minerais (selênio) e aminoácidos, visando otimizar a saúde física e bem-estar dos
animais. Além disso, oferecemos alimentos funcionais que fortalecem o sistema
imunológico dos animais”, comenta Henrique.

Répteis e seus cuidados
Paloma explica que o cuidado com os répteis é diferente porque, ao contrário das aves e
dos mamíferos, eles não controlam a temperatura do corpo. “A temperatura dos répteis
depende diretamente da temperatura do ambiente. Por isso eles têm o metabolismo
reduzido nesse período. Se ficar muito frio, podem vir a óbito”, destaca.

Para serpentes, jabutis e iguanas do Parque são oferecidos abrigos com lâmpadas
aquecedoras, aquecimento no piso e no tanque de água. Já aos jacarés e tigres-d’água são
oferecidos mais itens utilizados para substrato, como feno, folhas secas e casca de pinus,
que facilitam o conforto térmico.

Sobre o Parque das Aves
Com 25 anos de atuação e 250 colaboradores, o Parque das Aves é a única instituição do
mundo focada na conservação de aves da Mata Atlântica. Possui 16 hectares de mata
restaurada, 1.400 aves de 140 espécies diferentes, com três viveiros de imersão e um
borboletário. O objetivo do Parque das Aves é atuar investindo significativamente para criar um impacto positivo para as aves da Mata Atlântica, principalmente as 120 espécies e
subespécies em risco de extinção. O Parque das Aves recebe 830 mil visitantes por ano,
sendo o atrativo mais visitado de Foz do Iguaçu depois das Cataratas.

Mais notícias para você:



Deixe um comentário

Your email address will not be published.