por 10:04 Brasil, Segurança e Policial

Militar que acusou Haddad por kit gay é condenado a 12 anos por distribuir pornografia infantil

O Militar que fazia o tipo ‘dono da moral e bons costumes’ ao estilo conservador, é apontado como um dos 100 maiores distribuidores de pornografia infantil pela internet no mundo. Foto- Crédito: Reprodução Redes Sociais

Jorge Antonio Batalino Riguette, de 67 anos, militar da reserva listado pelo FBI como um dos maiores divulgadores de pornografia infantil do mundo está atrás das grades. Riguette fazia o tipo ‘dono da moral e bons costumes’ ao estilo conservador.

Conforme o DCM, Riguette morava sozinho e prestava serviços como analista de informática. Ele quis entrar na política e foi candidato a vereador pelo DEM, em 2008, no município de Trajano de Moraes (RJ).

Com ajuda do FBI, a Polícia Federal encontrou mais de 1,2 milhão de imagens em arquivos de Jorge, entre vídeos e fotos de crianças em cenas de exploração sexual.

“É um homem extremamente perigoso, uma vez que há anos tem interesse sexual por crianças”, explicou na época a delegada federal Paula Mary, da Delegacia Institucional da PF no Rio de Janeiro.

Em seus perfis nas redes sociais, Riguette dizia temer supostos avanços do ‘kit gay’ nas escolas e mostrava-se defensor da ditadura militar. Suas últimas postagens em modo público no Facebook antes de ser preso trazem notícias e montagens a favor do presidente Jair Bolsonaro .

Em uma delas, pede aos amigos que compartilhem um vídeo contendo informações falsas sobre o ‘kit gay’. “Haddad implanta o kit gay nas escolas, e Bolsonaro luta contra isso. Ajudem a compartilhar muito esse vídeo”, escreveu.

Além de integrar o ranking do FBI, Riguette ainda desenvolveu um software que catalogava os arquivos pornográficos por preferências sexuais. 

Riguette era apontado com um dos 100 maiores distribuidores de pornografia infantil pela internet no mundo e foi condenado a 12 anos e 11 meses de prisão.

Fechar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com