Flávio Bolsonaro aciona Conselho de Ética do Senado contra Jorge Kajuru

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) protocolou nesta segunda-feira (12) uma representação no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado Federal contra o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), pela divulgação de vídeo de conversa telefônica entre o senador goiano e o presidente da República, Jair Bolsonaro, ocorrida na noite do domingo (11). Em nota, o parlamentar explicou os motivos que o levaram a acionar o conselho:

“Representei no Conselho de Ética do Senado contra o senador por sua postura imoral, não só de gravar uma conversa particular com o presidente da República, bem como de dar publicidade a isso, tudo sem o consentimento ou a autorização de Bolsonaro”, escreveu o parlamentar.

No documento, Flávio Bolsonaro argumenta que a gravação feita pelo senador Jorge Kajuru foi “clandestina” e que o diálogo divulgado no vídeo se refere à CPI da Covid, cuja instalação compulsória no Senado Federal fora requerida pelo próprio Kajuru.

“Diante da repercussão negativa do fato, quis o senador da República Jorge Kajuru, de modo flagrantemente incompatível com o decoro parlamentar, e até desleal, angariar dividendos políticos expondo o diálogo com o presidente da República, hipertrofiando, ao fim e ao cabo, ainda mais o clima de tensão institucional que domina o país, bem como maculando a imagem e a respeitabilidade deste Senado Federal”, afirma Flávio.

 Flávio Bolsonaro requer no documento que o Conselho de Ética oficie a Mesa do Senado para que abra inquérito, submetendo o caso para que o Plenário da Casa delibere sobre os fatos apresentados.

Em resposta à iniciativa do senador Flávio Bolsonaro, o senador Jorge Kajuru afirmou que não cometeu crime algum.

— O Senado tem 81 pessoas, correto? Logo quem vem me pedir Conselho de Ética? O Flávio Bolsonaro. Eu só quero convidá-lo para que neste dia ele também esteja presente no Conselho de Ética e tenha a coragem de responder à denúncia grave contra ele, denúncia de corrupção, o que eu em 60 anos nunca tive em minha vida. Nunca, em nenhuma esfera da Justiça. Então, eu faço um convite a ele: Flávio, vamos nós dois juntos para o Conselho de Ética, no mesmo dia, e vamos ver qual vai ser a punição para cada um, porque eu não cometi crime algum, não sei se você cometeu, mas as denúncias contra você existem. Contra mim, nenhuma, meu caro — respondeu o senador Jorge Kajuru à Rádio e TV Senado.

Na abertura do vídeo em que divulga a conversa telefônica com o presidente da República, o Kajuru fala sobre o diálogo com o chefe do Executivo:

“Não se precipitem, não julguem, principalmente a uma pessoa como eu, pela minha história, de forma irresponsável. Eu nunca pedi uma agulha ao residente da República. Eu não negocio com ele, em troca de nada. A minha honra não tem preço, até porque honra não tem preço. Se de outros tem, julguem os outros. A mim, por favor, me respeitem, do mesmo jeito que os respeito”, declarou.

Reuniões do Conselho de Ética

A atual composição do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado foi aprovada em setembro de 2019, quando foi instalado. O conselho está parado por causa da pandemia de covid-19, que impossibilitou as atividades presenciais na maioria das comissões da Casa. O senador Jayme Campos (DEM-MT) é o presidente do colegiado.

É o Conselho de Ética quem recebe e analisa previamente representações ou denúncias feitas contra senadores, que podem resultar em medidas disciplinares como advertência, censura verbal ou escrita, perda temporária do exercício do mandato e perda do mandato.

O conselho é constituído por 15 membros titulares e igual número de suplentes, eleitos para mandato de dois anos, observado, quanto possível, o princípio da proporcionalidade partidária e o rodízio entre partidos políticos ou blocos parlamentares não representados, devendo suas decisões serem tomadas ostensivamente. 

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

com informações da Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Flávio será coordenador da campanha de Bolsonaro; no PR, Giacobo

O PL definiu que o senador Flávio Bolsonaro (RJ) será o coordenador nacional da campanha de reeleição do pai, Jair Bolsonaro. Pai e filho recém se filiaram ao PL. No Paraná, a coordenação da campanha deve ficar com o deputado Fernando Giacobo, presidente estadual do PL. Giacobo também será o candidato ao Senado pelos liberais. 

Pegou mal: vereador desiste de homenagem a Sarney em Pato Branco

Não será desta vez que o ex-presidente José Sarney será homenagem em Pato Branco. Após grande repercussão, o projeto para conceder ao maranhense a “Medalha de Honra ao Mérito Pato-branquense” o foi retirado de pauta a pedido do autor, o vereador Marcos Jr. Marini.

Na justificativa, Marini explicava que, quando Sarney era Presidente da República, foram os que viabilizaram as condições políticas para que fosse instalada uma Unidade de Ensino Descentralizada (UNED) do Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET) para Pato Branco. “Foi uma luta árdua com municípios maiores, mas que se tornou realidade pela capacidade e representatividade política do município naquele momento”, relava o projeto de lei.

Após passar pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Pato Branco, o projeto aguardava a segunda votação em Plenário. Além ao autor Marcos, que é do Podemos, a homenagem a Sarney foi apoiada pelos vereadores Maria Hamera (PV), Joecir Bernardi (PSD), Dirceu Boaretto (Podemos), Eduardo Dala Costa (MDB), Joecir Bernardi (Lindomar Brandão (DEM) e Thania Chaminski (DEM).