Empresário e consultora dão dicas de como se reinventar profissionalmente no mercado de beleza

São Paulo, SP 27/7/2020 – Vamos fazer uma festa de inauguração e começar a trabalhar como se tudo fosse novo… enfrentando os obstáculos e encontrando os melhores atalhos

Ninguém enfrenta qualquer momento da vida totalmente sozinho. “Um time, um amigo, uma voz conselheira abre a visão, sugere um bom caminho. Você não vai sair dessa sozinho e, quem sabe, mais forte e reconhecendo mais pessoas como parceiras. Esse é o pulo do gato em qualquer negócio, inclusive, no ramo de beleza”, analisa o Prof. Me. Robson Trindade..

Nos tempos atuais, reinventar-se é medida definitiva para sobreviver, independentemente do setor de atuação. O ramo de beleza não escapou da crise, pelo contrário, foi um dos que mais sofreu e ainda sofre devido à pandemia. “O mercado de beleza e estética serve de inspiração aos demais setores que estão reinaugurando seus negócios, por isso, é hora de respirar fundo e correr atrás do prejuízo. Aprendi muita coisa durante a live que fiz com a consultora Ana Vecchi, grande referência em business”, comenta Prof. Mestre e Doutorando Robson Trindade – TIDD PUC/SP, empresário e consultor visagista.

Uma das dicas mais importantes diz respeito a focar e concentrar energia no que se deve fazer e não desperdiçar vigor no que deixou de realizar. O retorno dos negócios se dará, como em outros países, em média, com 30% do que era, portanto há de se fazer, por dia, três vezes mais do que antes. Agora, a pergunta que não quer calar: “Como?”. Jargões ou palavras mágicas do momento: se reinventar, criatividade, inovar, novo normal e nada será como antes podem ser encaradas positivamente como desafio e oportunidades ou se tornarem temerárias, por causar insegurança e medo.

Quem está em casa e precisa repensar no que fazer e como, precisa ter atenção à saúde emocional. “O pânico paralisa, a segurança liberta. E fazemos a escolha do que queremos, muitas vezes, na medida do que necessitamos para aquele momento. Ninguém pode enfrentar algo na vida completamente sozinho. Um time, um amigo, uma voz conselheira abre a visão, sugere um bom caminho e é preciso acreditar. É primordial sair disso tudo mais forte, reconhecendo mais pessoas como parceiras”, ensina Prof. Me. Robson Trindade.

Mas como colocar tudo isso em prática? É simples: fazer o básico, com estrutura, já é uma diferença. Quer uma dica? “Monte uma pesquisa e pergunte aos clientes o que gostam, precisam e se dispõem a comprar: com foco no perfil de clientela, suas necessidades, intenções de gastos e quais suas pretensões de acolhimento”, ensina Ana. Ainda é preciso adaptar esse estudo para o chamado “novo mundo”. Existe uma pesquisa denominada NDC – Nova Dinâmica de Consumo, realizada on line pela GisTarget que pode direcionar a obter estas respostas:   

  • Até que ponto a crise alterou o comportamento de seu cliente?
  •  
  • O que mudou nas escolhas de consumo?
  • Que grau de importância cliente confere ao seu negócio agora?
  • Quais hábitos de consumo seu cliente tem modificado atualmente?
  • O que motiva suas escolhas hoje?
  • Por quanto tempo vai perpetuar esse novo comportamento?

O mundo mudou de contemporâneo para a era da complexidade?

Nesse novo movimento pelo seu negócio, é preciso envolver a todos.

“É preciso contar com cada um da equipe e se faz necessária uma releitura profissional afinal a aquisição de conhecimento é a bola da vez. Por exemplo, uma manicure que investiu em um curso rápido de reflexologia, poderá oferecer esse diferencial em um combo de serviços. É possível ainda, oferecer a novidade como uma cortesia de um atendimento parcial, na primeira vez, sendo cobrada a partir da segunda, isso gera fidelização, e em meio à situação atual, é o melhor dos cenários”, declara o consultor visagista. 

Para profissionais que buscam o voo solo, o atendimento seguro em domicílio é uma das saídas, porém, é preciso investir em segurança. “Ter todos os equipamentos necessários como face shield, luvas, pro-pé, toalhas individuais ensacadas, álcool em gel spray é essencial. Além disso, trocar de roupa quando chega na casa da cliente a faz sentir-se mais cuidada”, exemplifica Robson, #OsTrindade.

Ainda no caso de grandes salões, é possível oferecer outros diferenciais como parcerias para desinfecção dos carros de clientes, sem cobrar,  enquanto fazem os tratamentos, dentre outros “mimos”. É possível unir pequenos salões próximos, ampliando o leque de serviços oferecidos, fazendo com que aquela região receba uma “injeção” de investimento. “É possível fazer isso sim, unir esforços e encarar o outro como parceiro, não mais concorrente. Cada profissional traz sua clientela e fica feliz em compartilhar clientes”, finaliza.

 

Website: http://www.birodevisagismo.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como melhorar o controle de notas fiscais no sistema de gestão de frota corporativa?

São Paulo, SP 28/7/2020 –

Aplicativo documenta notas fiscais de abastecimento dos veículos da frota facilitando os processos burocráticos das empresas

Gerenciar o controle do consumo de combustível em uma frota corporativa não parece ser uma tarefa simples tampouco agradável. Na maioria dos casos o processo é manual e demanda tempo que poderia estar sendo empregado em tarefas estratégicas para o negócio.

Para dar suporte às atividades de prestação de contas, a SODEXO adicionou uma nova função de recolhimento automático de notas fiscais à plataforma de gestão de frotas. Esta funcionalidade tem como principal objetivo otimizar o processo burocrático de recolhimento de notas.

O sistema de recolha de notas fiscais pode gerar uma economia para a empresa de até 25% com a retenção dos créditos dos impostos previstos por lei, como ICMS, PIS e Cofins.

Os postos que aceitam Wizeo também ganham em eficiência, porque não precisam se preocupar em subir as notas fiscais eletrônicas na plataforma online do Wizeo para fins de reembolso.

Como funciona:

O condutor realiza o abastecimento em um posto de gasolina que aceita o Wizeo e, na hora do pagamento, pede que a nota fiscal seja emitida no nome da empresa em que trabalha.

O posto de gasolina emite a nota fiscal eletrônica (NFe) com os dados da empresa.

Todas as NFes correspondentes a consumo de combustível com Wizeo que foram emitidas pelos postos de gasolina ficam disponíveis no sistema de gestão de frotas da SODEXO, a plataforma online que o gestor de frota já usa para realizar o controle diário de tarefas.

Com essas informações, o gestor de frota consegue fazer a conciliação financeira (abastecimentos x gastos) na própria ferramenta, ganhando tempo e tomando as providências que forem necessárias para otimizar sua operação.

Clique aqui para acessar o !link infográfico do Wizeo
https://www.sodexobeneficios.com.br/qualidade-de-vida/noticias/gestao-de-pessoas/infografico-como-a-sodexo-reduz-os-custos-com-gestao-de-frota-da-sua-empresa.htm

Clique aqui para mais informações sobre o !link Wizeo, Gestão de Frotas
https://www.sodexobeneficios.com.br/institucional/sala-de-imprensa-sodexo/produtos/sodexo-beneficios-e-incentivos-investe-em-novo-rumo-para-a-gestao-de-frotas.htm

Dados mostram o baixo Nível de Serviço no Brasil

São Paulo, SP 28/7/2020 – Não existe um bom nível de serviço sem medir erros e sem um plano de ação para corrigi-los. Um SLA precisa ser palpável, visível e com foco em melhorias.

Dados mostram o baixo Nível de Serviço no Brasil e Antonio Wrobleski fala sobre a importância da análise de dados para mudar esse cenário.

O conceito de SLA, Service Level Agreement, surgiu na década de 1990 para medir e gerenciar a qualidade do serviço em ambientes computacionais e, atualmente, é utilizado em diversos segmentos. 

Dados do Sindec de 2019 mostram que 40% das reclamações na plataforma Consumidor.gov.br (serviço público que permite a interlocução direta entre consumidores e empresas para solução de conflitos de consumo) são sobre o setor de telecomunicações e 22% sobre serviços financeiros. 

No Brasil, quase 50% da população não tem acesso a coleta de esgoto, segundo dados do Instituto Trata Brasil, e 35 milhões não têm acesso a água tratada (SNIS 2017).

Durante o isolamento social têm crescido as reclamações contra serviços de internet e telefonia e entregas. Para se ter uma ideia, as queixas sobre compras on-line no Distrito Federal cresceram 74% na pandemia (Procon) e as queixas contra serviços de internet cresceram 71,4% em Campinas (Anatel).

Para Antonio Wrobleski, Presidente do Conselho da Pathfind – empresa de tecnologia que oferece soluções em otimização para as áreas de logística, vendas e trade marketing, esses números mostram que os motivos para essa baixa qualidade na prestação de serviços são diversos, e começam no mau exemplo da gestão pública, mas o principal é que as empresas não estão medindo e nem ao menos se preocupando com seu nível de serviço. 

Para Wrobleski, falta análise de dados. Ele explica que poucas empresas têm se dedicado a olhar seu dashboard, realizar pesquisas com os clientes e, principalmente, a usar esses dados com estratégia para otimizar os serviços oferecidos. 

“Não existe um bom nível de serviço sem medir erros e sem um plano de ação para corrigi-los. Um SLA precisa ser palpável, visível e com foco em melhorias constantes. Sem isso, é apenas mais um documento que ficará esquecido”, diz Wrobleski.

Ele ainda explica que se o Nível de Serviço não for tratado com prioridade, ele nunca será de fato implementado.”Ou a empresa já está crescendo sem ele, ou o país está em crise e até porque existe uma pandemia mundial. Sempre haverá um motivo para não priorizar o que é de fato prioridade”, finaliza.

Um bom nível de serviço e de atendimento significa cliente satisfeito. Cliente satisfeito é cliente fiel, aumentando a taxa de retenção e o lifetime value

Website: http://www.pathfind.com.br